BIBLIOTECA ESCOLAR - NOVA FASE


  • Discussões, debates e reflexões sobre aspectos gerais e específicos da Biblioteca Escolar. Continuação da coluna anterior, agora apenas com autoria de Marilucia Bernardi

BIBLIOTECA ESCOLAR E AS BIOGRAFIAS

Biografia é o relato da vida de alguém, que pode ser escrita, filmada ou narrada.

 

Etimologicamente, a palavra tem origem no grego e é dividida em duas: “bios” que significa “vida” e “grafhein”, que quer dizer escrita.

 

Infelizmente, é um gênero literário ainda desconhecido por grande parte de nossos estudantes, atualmente.

 

Eram mais conhecidas por tratarem apenas de escritores já falecidos, porém, hoje em dia, existem diversas biografias de pessoas ainda vivas, o que pode gerar polêmicas e muitas discussões. Os biografados também diferem muito, como artistas, esportistas, políticos, enfim, existe uma gama enorme de biografias à disposição no mercado editorial.

 

Sou uma aficionada por esse gênero literário, por se tratar de fatos verídicos, exemplos que nos fazem refletir; são muito importantes porque podem estabelecer um vínculo com a história, com o passado e nos permite compreender melhor o presente, não somente o nosso, mas também o da humanidade.

 

Na maioria das biografias tomamos conhecimento não só da vida pessoal do biografado, mas também de suas obras e feitos.

 

Eu trouxe o tema nesse texto não somente por sua grande importância e relevância, mas também porque está em voga, ou seja, a mídia está trabalhando muito sobre elas e porque não fazer o mesmo na Biblioteca Escolar?

 

Isso se deve ao fato de que no último dia seis de Maio, a Câmara dos Deputados aprovou, após três anos em tramitação, o Projeto de Lei 393/11, a chamada Lei das Biografias, que modifica o Código Civil e libera a publicação de imagens, escritos e informações biográficas de personalidades públicas, sem necessidade de autorização do biografado ou de seus descendentes. O texto ainda deve ser votado pelo Senado e, se aprovado, segue para sansão da Presidente da República.

 

Essa conquista é um grande avanço para a liberdade de expressão no país e ao mesmo tempo pode diminuir ou minimizar as polêmicas ocorridas entre biografados e seus autores.

 

Trazendo para o âmbito escolar, existem várias maneiras de trabalhar com as biografias em sala de aula, assim como na Biblioteca Escolar. Elas podem ser apresentadas aos alunos de uma forma interdisciplinar, isto é, todos os professores podem trabalhar com elas em suas matérias. Por exemplo em Ciências, Física, Química ou Matemática, já existem vários livros que trazem a vida e obra de cientistas, matemáticos, físicos, etc., que poderão ilustrar os conteúdos tradicionais de cada disciplina. Muitos professores, quando trabalham com biografias, se limitam apenas a de escritores nacionais e às vezes, alguns estrangeiros. Conheço casos em que alunos se voltaram mais para a Química depois de conhecer melhor a vida de Lavoisier e Marie Currie. Isso sem falar da disciplina de Música, que como não é obrigatória, muitos alunos deixam de conhecer compositores famosos que fizeram parte de nossa história, como Chiquinha Gonzaga, Heitor Villa-Lobos, etc.

 

Na Biblioteca pode-se preparar uma exposição de biografias, colocando à disposição do público todo acervo desse gênero, separado por categoria, exemplo: políticos, escritores, esportistas, músicos, inventores, etc.

 

Aproveitando a ocasião da Copa do Mundo, esta é uma ótima oportunidade de trabalhar os jogadores de futebol, assim como os técnicos. Ainda que sejam poucos os jogadores atuais, pois a maioria das biografias publicadas são de mais velhos ou já falecidos, seria adequado os professores ou funcionários da biblioteca explicarem e mostrarem aos alunos a importância destes jogadores e técnicos na história do futebol brasileiro. Nas livrarias podemos encontrar biografias de Pelé, Zico, Tostão, Maradona, Garrincha, Ronaldo, etc. Assim como outros esportistas que já faleceram mas ainda são idolatrados pelo público em geral, até mesmo por quem nem o conheceu, como é o caso do ex-piloto de Fórmula 1 Ayrton Sena da Silva.

 

As editoras também aproveitaram a realização da Copa do Mundo e publicaram inúmeros livros sobre o futebol, inclusive brasileiro, além de novas biografias. Um livro recente, que trata não só de futebol, mas também da vida de alguns jogadores famosos é o “As melhores seleções brasileiras de todos os tempos” de Milton Leite.

 

Outra sugestão bastante interessante foi feita por uma professora de História, do 8° ano do EFII, juntamente com os professores de Língua Portuguesa e Geografia, que elaboraram um Projeto sobre Biografia. Esse projeto consistia em que cada aluno escolhia um membro de sua família para biografá-lo e a partir dessa, fazer autobiografia.

 

O projeto teve a duração de quase um semestre até sua finalização com a confecção de um livro de cada classe, contendo não somente as biografias dos parentes, como a autobiografia de cada aluno. A apresentação foi um espetáculo, uma vez que muitos alunos se mostraram surpresos em descobrir fatos de seus parentes que desconhecia totalmente e, ao mesmo tempo, aprender a escrever sobre si mesmos.

 

A partir dessa atividade, a procura por biografias e autobiografias cresceu muito na biblioteca.

 

Autobiografia é um gênero que inclui manifestações literárias bem semelhantes entre si, como confissões, cartas e memórias, que revelam sentrimentos íntimos, pessoais e a experiência própria do autor. Muitos alunos não sabem o que seja isso e como se faz. E num tempo que o “selfie” é muito utilizado, fica bem mais fácil ensinar como preparar uma autobiografia.

 

Quando trabalhar com biografias, é necessário deixar bem claro para os alunos que elas devem ser verdadeiras, baseadas em fatos reais, fidedignos. O autor fica responsável por tudo o que escreve, filma e o que torna público.

 

Como diz Ruy Castro, que escreveu entre outras, a biografia do escritor Nelson Rodrigues, do jogador Garrincha e da cantora Carmen Miranda, em seu texto na Folhinha de S.Paulo, a diferença entre o romancista (que escreve romance) e o biógrafo é que o primeiro não tem limites ao escrever, ele pode inventar o que quiser, o que significa que o seu personagem irá realizar as façanhas mais difíceis, heroicas e maravilhosas. Mas o biógrafo não tem essa liberdade. Ele não pode inventar nada. Tem de respeitar os fatos. Se ele se propõe a contar a vida de alguém, é obrigatório que só conte o que, de fato, aconteceu.

 

Essa diferença se torna muito relevante quando ensinada às crianças menores, pois pode-se aproveitar a oportunidade e falar sobre a questão da fofoca, já que é comum que eles confundam falar da vida de alguém enquanto gênero literário ou como uma brincadeira, uma mera divulgação de dados.

 

Já há algum tempo que algumas editoras têm se preocupado com biografias, que até publicaram pequenas coleções de artistas famosos, tanto na área da música, como da pintura, da literatura, voltadas para o público infanto-juvenil.

 

Oportunamente, a Folhinha de S.Paulo, do dia 10 de Maio p.p. trouxe uma pequena lista de biografias, além de uma explicação sobre o Projeto de Lei, sendo esta a matéria de capa, e um texto de Ruy Castro. Aproveito e transcrevo a seguir os livros divulgados e que vale a pena, e muito, tê-los no acervo de uma Biblioteca Escolar:

 

1- Ayrton Sena    Ed. Nemo

2- Carmen Miranda    Ed. Duna Dueto

3- A grande pequena notável       Edições de Janeiro

4- Mandela     Ed. Cortez e Ed. Zahar

5- Frida Kahlo    Ed. Autêntica e Cosac Naify

6- Cleópatra       Ed. Girassol

7- Vincente Van Gogh    Ed. Moderna e SM

8- Leonardo Da Vinci     Ed. Girassol, Callis e Moderna

9- Santos Dumont      Ed. Fundamento e Manati

10- Charles Darwin   Ed.Biruta

11- Lampião     Ed. Scipione

12- Anita Garibaldi    Ed. Rocco

13- Mozart       Ed. Girassol   

 

Como escrevi anteriormente, biografia é o tipo de leitura que mais aprecio na literatura. Já tive oportunidade de ler inúmeras biografias, de diferentes pessoas, como artistas, cientistas, escritores, políticos, etc. Já li desde a biografia de John F. Kennedy até mesmo de personalidade não tão conhecida como foi o caso de Casimiro Montenegro Filho, criador do CTA - Centro Técnico de Aeronáutica e do ITA - Instituto Técnico de Aeronáutica, em São José dos Campos, instituições que foram o embrião para a criação da EMBRAER.

 

E o mais interessante é que aprendemos com cada um deles; cada leitura nos deixa algo de familiar e pessoal.

 

Para finalizar achei uma bonita frase de Nelson Mandela e uma pequena e interessante poesia de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa.

 

“Uma autobiografia não é um mero catálogo de eventos e experiências em que a pessoa esteve envolvida, mas serve também como uma espécie de anteprojeto em que os outros podem modelar as suas vidas”. Nelson Mandela

 

“Se depois de eu morrer, quiserem escrever a minha biografia

Não há nada mais simples,

Tem só duas datas – a da minha nascença e a da minha morte.

Entre uma e outra cousa todos os dias são meus.

Sou fácil de definir.

Vi como um danado.

Amei as cousas sem sentimentalidade nenhuma.

Nunca tive um desejo que não pudesse realizar, porque nunca ceguei.

Mesmo ouvir nunca foi para mim senão um acompanhamento de ver.

Compreendi que as cousas são reais e todas diferentes umas das outras.

Compreendi isto com os olhos, nunca com o pensamento.

Compreender isto com o pensamento seria achá-las todas iguais.

Um dia deu-me o sono como a qualquer criança.

Fechei os olhos e dormi.

Além disso, fui o único poeta da natureza.

Alberto Caeiro in “Poemas Inconjuntos”


   349 Leituras


Saiba Mais





Sem Próximos Ítens

Sem Ítens Anteriores



author image
MARILUCIA BERNARDI

Formada pela PUCCampinas. Atualmente elabora projetos para formação de Biblioteca Particular (Pessoal), oferece apoio a Bibliotecas Escolares e é aluna da Faculdade da Terceira Idade, da UNIVAP, em Campos do Jordão. Ministrou aulas de Literatura e Comunicação, por dois anos, na Faculdade da Terceira Idade. Atuou na Escola Estadual Prof. Theodoro Corrêa Cintra, em Campos do Jordão, pela ONG AMECampos do Jordão. Trabalhou na Fundação Getúlio Vargas de São Paulo; na Metal Leve; chefiou a Biblioteca da Faculdade Anhembi-Morumbi e foi encarregada da biblioteca do Colégio Santa Maria. Possui textos publicados e ministrou diversas palestras sobre Biblioteca Escolar.?