BIBLIOCONTOS


BIBLIOTECÁRIO FANTASMA

Não creio em fantasma, mas dizem que existe, pessoalmente não tenho interesse de encontrar nenhum, mesmo sendo o fantasma um bibliotecário. Porém, o fato é que, na Espanha, encontraram um fantasma. Tratava-se de um funcionário público (o que não é novidade), e que conseguiu a proeza de não trabalhar por uma década. Deve ter entrado para o Guiness. Extraordinário no fato, o funcionário público espanhol era bibliotecário e deixou de trabalhar por uma década, sem que ninguém percebesse. O que é uma biblioteca pouco ativa.

No período, ele usou o tempo livre para gerenciar um bordel masculino e a produzir quadrinhos eróticos, no qual criou um popular personagem chamado: Fallarela, um super-herói de seios grandes que lança laranjas flamejantes de Valência em seus inimigos. Nota-se que era um empreendedor na área do lazer e entretenimento sexual. Afinal, sexo também é cultura e informação.

A história parece fake news, criada por uma mente muito fértil. Entretanto, foi publicada na mídia impressa. Creio até que alguns funcionários públicos brasileiros, podem estar com uma ponta de inveja, em especial aqueles que ganham em reais, pois o funcionário espanhol recebia um salário de 50 mil euros como bibliotecário em uma biblioteca de governo provincial, na Espanha. Aparecia, na biblioteca, todas as manhãs, pontualmente, às 7h30 para usar o scanner na produção de documentos digitalizados, antes de ir para casa, retornando novamente à Biblioteca, às 15h30 para encerrar o expediente. Manteve a rotina por 10 anos, antes que os colegas, na organização, começassem a levantar suspeitas. Um jornal divulgou a história, e o bibliotecário fantasma foi demitido, apesar de insistir que não fizera nada de errado. Ele afirmou que: "Eu só fiz o que eles me pediram para fazer".

Alegou que trabalhava em casa, onde exercia as funções biblioteconômicas em home office. Ademais, indagou pela imprensa que: "Ninguém pode me mostrar uma fotografia em que estou numa cafeteria, sou um homem de ação".

E ainda mais, quando cobrado pelo diretor, respondeu que:

“Eu faço meu trabalho de documentação fora da biblioteca, é o trabalho de um escravo. Trabalhar como um escravo significa que eu trabalho para que os outros recebam o fruto deste trabalho”.

As autoridades públicas abandonaram a intenção de processá-lo, após decidirem que suas ações não constituíam crime, mas um tribunal administrativo, em Valência, proibiu o Fantasma de ocupar cargos públicos por nove anos, devido a sua "flagrante negligência dos deveres essenciais inerentes ao posto de trabalho".

O tribunal considerou, ainda, não haver provas de que o funcionário tinha realizado qualquer atividade reivindicada, até pelo fato de não ter acessado a rede corporativa desde 2012, apesar de ter seu próprio computador. Também não houve evidências de suas alegações, na qual informava aos seus superiores que não possuía escrivaninha ou que havia recebido um projeto externo para criar um “centro de arte inclusiva”.

O tribunal criticou o governo por não supervisionar os seus funcionários, destacando que o funcionário fantasma "ficou confortável na situação que o beneficiou" e suas ações não teriam sido possíveis "sem a aquiescência ou o desinteresse da administração para a qual ele trabalhou".

Na tentativa de limpar o seu nome, o agora ex-funcionário tentou usar um local do conselho para uma exposição de arte intitulada “Amor por Valência: as obras de um homem que nunca trabalhou”, com quatro andares de obras, incluindo pinturas, esculturas e até um busto de bronze de si mesmo. Mas a exposição foi cancelada antes da abertura, depois que o conselho descobriu que havia reservado o local usando um nome falso.

Em editorial, o jornal “El Mundo” comunicou que recebeu muitas denúncias de que o caso do bibliotecário fantasma não era "de longe o único escândalo de absenteísmo nas administrações públicas".

Autor: Fernando Modesto
Fonte: Clique Aqui

   135 Leituras


author image
FERNANDO MODESTO

Bibliotecário e Mestre pela PUC-Campinas, Doutor em Comunicações pela ECA/USP e Professor do departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP.