GERAL


BIBLIOTECA DE FACHADA

  • Autor não informado
  • Novembro/2007

Fábio Victor

 

Inaugurada duas vezes no ano passado, construção de R$ 42 milhões não tem livros nem data para abrir; só com energia, gastos mensais são de R$ 125 mil

 

Fincada na Esplanada dos Ministérios, a 500 metros da célebre catedral, a Biblioteca Nacional de Brasília, mais recente projeto de Oscar Niemeyer a tomar forma na capital, foi inaugurada duas vezes no ano passado, mas hoje é pouco mais que um enfeite na avenida-cartão-postal da cidade.

 

Não há um único livro na estante, não há data para que comece a funcionar e, entre os muitos obstáculos para que isso aconteça, está a discordância do escritório de Niemeyer ao plano dos administradores de pôr insulfilm nas janelas.

 

Construída e gerida pelo GDF (Governo do Distrito Federal), a Biblioteca Nacional forma, com o Museu da República - este já em funcionamento -, o Conjunto Cultural da República. Os dois prédios são a primeira metade do último elemento para finalizar o projeto original de Niemeyer e Lúcio Costa para Brasília - faltam um espaço para shows e um conjunto de cinemas, a serem construídos ali perto.

 

Dois governadores inauguraram a biblioteca, que custou sozinha R$ 42 milhões ao GDF (o complexo inteiro ficou em torno de R$ 130 milhões). Em 31 de março de 2006, a inauguração coube a Joaquim Roriz (PMDB), que viria a ser eleito senador e posteriormente renunciar ao mandato, para escapar de cassação. Às vésperas de deixar o cargo, a sucessora de Roriz, Maria de Lourdes Abadia (PSDB), fez, em 15 de dezembro, a inauguração dela. Com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

 

Já há livros doados, cerca de 10 mil dos 250 mil que a biblioteca poderá abrigar. Ocorre que, de acordo com a atual direção, o prédio novo em folha não tem as condições necessárias para armazená-los.

 

À parte as rixas políticas que criam o habitual "jogo de empurra" em transições de governo - o governador José Roberto Arruda (DEM), que assumiu em janeiro, virou adversário de Roriz e de Abadia -, uma visita ao prédio revela que há de fato inúmeros problemas.

 

As salas projetadas para o acervo recebem sol incidente. Uma parede vazada em tese minimizaria o efeito sobre os livros, mas, segundo a Secretaria de Cultura do DF, os cobogós (blocos vazados) foram feitos mais abertos do que o previsto no projeto. "Para economizar, infelizmente, não seguiram o projeto do Niemeyer, que previa um cobogó menor", afirma o secretário Silvestre Gorgulho.

 

A saída encontrada pelo GDF foi colocar nos 1.700 m2 de área de vidraças uma película protetora escura. Segundo o diretor da biblioteca, Antonio Miranda, uma licitação no valor de R$ 150 mil será aberta nos próximos dias para comprar o material, que, ele afirma, veda 92% da luz.

 

Ao ser informado do plano pela reportagem, o escritório de Niemeyer reagiu com espanto. "No nosso projeto, não tinha insulfilme, jamais colocaríamos, não é adequado. Eles têm de nos consultar. É melhor uma tela ou proteção interna", queixou-se Jair Valera, colaborador de Niemeyer que desenvolveu o projeto.

 

Consultado, o próprio Niemeyer, que em dezembro fará cem anos, disse não saber do caso. "Eu gosto muito da biblioteca, porque ela está defronte ao museu [da República] e combina bem. É uma biblioteca moderna, com tudo o que é preciso, mas desse detalhe eu não estou a par", afirmou.

 

Desperdício

 

A ausência ou inadequação de equipamentos essenciais para a biblioteca funcionar escancaram o desperdício de dinheiro público: o prédio foi entregue na gestão passada com um sistema contra incêndio do tipo sprinkler (esguichos de água no teto), mas a atual diz que terá de trocá-lo. "Com esse [sistema], se você salvar os livros do fogo, não salva da água", explica o diretor Miranda.

 

Será preciso colocar portas de segurança. Há ainda divergências de, digamos, visões de mundo, entre os que inauguraram o prédio e os atuais administradores. Miranda não gostou do layout dos espaços para leitura, divididos em salas individuais. Vai pôr as divisórias abaixo e criar salas coletivas.

 

"O governo anterior não inaugurou uma biblioteca, mas um prédio vazio", dispara Miranda, que, como o secretário Gorgulho, faz questão de isentar o escritório de Niemeyer de responsabilidade.

 

Até que a biblioteca funcione - não há prazo, mas a certeza de que só no ano que vem -, o GDF vem gastando para manter o prédio. Só com energia, são em média R$ 125 mil por mês. Nove funcionários dão expediente no prédio, além de dez seguranças por turno na vigilância.

 

Os secretários de Cultura das gestões passadas divergem em relação às causas. Enquanto o de Roriz se isenta, faz coro à atual gestão e alfineta a gestão Abadia, o secretário desta alega que a obra foi entregue de acordo com o contratado.

 

Nem tudo parado

 

A Biblioteca Nacional é uma obra grandiosa, com quatro andares, 120 m de comprimento e 10 mil m2 de área construída. Em formato retangular, o pavilhão faz contraponto ao Museu da República, este uma cúpula convexa semelhante a muitas projetadas por Niemeyer. Estão separados por 50 metros, e entre eles há uma praça com três espelhos d'água e um prédio para restaurante.

 

Apesar dos obstáculos que impedem a abertura ao público, já funciona no local uma pequena parte de um ambicioso projeto - o primeiro módulo de um centro de inclusão digital, fruto de parceria do GDF com o Ministério de Ciência e Tecnologia. Um salão de exposições também está em atividade.

 

O diretor diz ter acordos com universidades e editoras, e o apoio da Câmara Brasileira do Livro e da Unesco para doação do acervo.

 

"Recebo rapidamente 150 mil livros, o problema é preparar o prédio. Além disso, nossa biblioteca digital será das mais avançadas do país, vamos produzir e disseminar conteúdo para escolas. Há parcerias com os ministérios da Educação e da Cultura, a Rede Nacional de Pesquisa, o Ibict [Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia] e a UnB [Universidade de Brasília]. Vencida essa etapa, não tenho dúvida de que teremos um centro cultural de vanguarda", empolga-se Miranda, escritor e professor do Departamento de Ciência da Informação e Documentação da UnB.

Fonte: Folha de São Paulo, 06/09/2007
Divulgado por Ana Lídia Sales – Enviado para “bib_virtual” em 06/09/2007


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.