PRINCIPAL
COLUNAS
CURIOSIDADES
DESBASTANDO O ACERVO E OUTROS TRECOS DA BIBLIOTECONOMIA
EXPERIÊNCIAS
GENERALIDADES
MERCADO
NOTÍCIAS
TEXTOS
PESSOAL
DISCIPLINAS
CADASTRO
CONTATO
NOTÍCIAS

DUAS EM CADA TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS NÃO TÊM BIBLIOTECA, APONTA PESQUISA
[10/07/2014]

Maioria também não tem laboratório nem sala de informática. Em regiões isoladas, entrega de livros é desafio. E há computadores parados há 2 anos.

 

No mês da volta às aulas, um estudo mostra que duas em cada três escolas não têm biblioteca, laboratório nem sala de informática.

 

Há casos de computadores parados por causa de problemas simples. E a dez dias para a volta às aulas, a entrega do material didático nas escolas mais afastadas da Amazônia ainda é um desafio. Em Belém, são 50 minutos de estrada para chegar ao porto e ainda tem a travessia de barco.

 

Na Ilha de Cotijuba, carro não entra. Por isso, o transporte é feito por charretes. E para que os livros cheguem até a escola mais distante serão 45 minutos de viagem – no sacolejo.

 

Depois de todos os problemas com infraestrutura, em três horas o material chega ao destino. Mas em algumas regiões pode levar até 10 dias.

 

“Dependendo da altura da maré, a gente tem que colocar esses livros no ombro e conduzir até o trapiche para poder chegar à escola”, explica o agente dos Correios Jorge Luis Nascimento.

 

Além dos livros, o Ministério da Educação também oferece conteúdo digital aos alunos. Há computadores com programas e jogos educacionais, ferramentas de pesquisa. O problema é que, segundo os professores, as máquinas novinhas nunca foram usadas – estão paradas há dois anos por falta de instalação.

 

“A sensação é triste porque eles me cobram muito. Eles dizem: ‘professora, o computador está aí, e quando é que vamos começar a trabalhar nele?”, diz a professora Sandra Fernandes.

 

“Eu queria pesquisar sobre ciência, eu gosto, mas o computador ainda não funciona aqui na escola”, lamenta a estudante Dielly Gonçalves.

 

A infraestrutura de mais de 157 mil escolas públicas foi avaliada por um estudo do Movimento Todos pela Educação: 62% das escolas municipais têm apenas os serviços essenciais como água, energia e saneamento.

 

E só 34% das escolas analisadas têm infraestrutura avançada – com laboratórios, bibliotecas, áreas de lazer e acesso à internet.

 

Em Redenção, no sul do Pará, duas escolas estaduais possuem laboratórios de informática. Mas a conexão com a internet é lenta.

 

“Quando ligamos os 35 computadores, cai o sinal. Tem dias que não temos acesso à internet”, conta a vice-diretora da escola, Márcia Corrêa.

 

Para a pesquisadora em Educação Ivânia Neves, a maioria das escolas públicas ainda não prioriza o uso de tecnologia: “Não é uma opção didática, é uma necessidade cultural dentro do Brasil de hoje”.



(Divulgado por Informativo Vértice Book – Enviado para Vértice Books, ano 4, n.8, em 26/02/2014)


Desenvolvido por LLT Hosting & Development © Info Home 2005