COTIDIANO INFORMACIONAL


AFINAL, É COM OU SEM PARTIDO?

Um movimento que reivindica mudanças na educação está causando bastante polêmica e dividindo opiniões por todo o Brasil. Trata-se do chamado Escola Sem Partido. Em linhas gerais, o movimento tem como objetivo a criação de cartazes, a serem afixados nas salas de aula do ensino fundamental e médio, com o intuito de divulgar aos estudantes quais os seus “direitos”, de modo a se evitar formas de “doutrinamento”, sejam elas de ordem política, religiosa ou ideológica, supostamente praticadas por professores ao abordarem determinados conteúdos didáticos nas matérias que ministram. Num site dedicado ao tema é possível encontrar uma imagem que explicita o conteúdo dos referidos cartazes: 

 

 

Tal proposta existe desde 2004, porém só recentemente tem adquirido expressiva notoriedade, principalmente, pelo tema estar sendo tratado, enquanto proposta de lei, em algumas localidades, no âmbito municipal, pela prefeitura; e, na esfera estadual, pelo governo. Segundo o site Programa Escola Sem Partido (www.programaescolasempartido.org), a proposta visa a criação de “[...] uma lei contra o abuso de ensinar”, sob a alegação de que as supostas formas de doutrinação praticadas em sala de aula atentam à “[...] a liberdade de consciência do estudante; afronta o princípio da neutralidade política e ideológica do Estado; e ameaça o próprio regime democrático, na medida em que instrumentaliza o sistema de ensino com o objetivo de desequilibrar o jogo político em favor de um dos competidores”. Ainda segundo o movimento, isto se faz necessário devido ao fato de tais práticas terem tomado conta do ensino.

De acordo com um levantamento publicado em 2016 no portal Educação e Participação (https://educacaoeparticipacao.org.br), há em, pelo menos, 19 estados brasileiros projetos similares já formulados, encontrando-se em tramitação, como pode ser visto a seguir: 

 

 

Em Alagoas, de autoria do deputado Ricardo Nezinho (PMDB), o projeto Escola Livre – com teor semelhante ao do Escola Sem Partido – foi aprovado no ano passado, por unanimidade pela Assembleia Legislativa do estado. Em sua justificativa, está dito que: “é fato notório que professores e autores de livros didáticos vêm se utilizando de suas aulas e de suas obras para tentar obter a adesão dos estudantes e determinadas correntes políticas e ideológicas [...]”, cabendo à Secretaria de Estado da Educação (SEDUC) e ao Conselho Estadual de Educação de Alagoas (CEE/AL) fiscalizar o efetivo cumprimento da lei. A lei, no entanto, foi suspensa pelo Superior Tribunal Federal (STF), após o ministro Luís Roberto Barroso atender a um pedido de liminar formulado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino, no qual se alega tratar-se de lei inconstitucional. 

Obviamente, leis assim correspondem a uma verdadeira afronta ao ensino no país. Não é preciso muito para perceber que, na verdade, não se trata de uma lei que busca despartidarizar a sala de aula; pior do que isso, sua intenção é instrumentalizar o processo de aprendizagem, sequestrando dele o pensamento crítico e reflexivo. Ora, como ensinar e como aprender matérias escolares sem contextualizá-las, sem se discutir economia, política e outros temas correlatos? Como pensar o mundo de forma holística, se temas transversais forem penhorados? Com base em que se pode afirmar que práticas de doutrinamento – sejam elas políticas, religiosas ou ideológicas – tomaram conta do ensino? Como afirmar isto recorrendo a generalizações?

A educação do século XXI está longe de defender uma escola em que o aluno não tem participação ativa, privado de voz e sem qualquer autonomia. Ao contrário, cada vez mais, o professor não transfere conhecimento, mas o medeia, através de uma relação dialógica, onde não há uma “competição”, tampouco se trata de um “jogo” neutro por parte do Estado, da escola e de várias outras esferas sociais. Só há processo ensino-aprendizagem quando os saberes estão distribuídos entre professor e aluno, de forma cooperativa. 

Muito possivelmente, a crítica de Althusser sobre ser a escola um dos aparelhos ideológicos do Estado provocou efeito oposto ao ser lida e mal interpretada por algum simpatizante de projetos que se dizem “sem partido”. Ao contrário do que defendem, tais projetos parecem ser demasiadamente partidários, principalmente se levarmos em conta os políticos e as legendas que os defendem, atentando, sobretudo, para seus modus operandi no já bastante conturbado e instável cenário político nacional. Portanto, em resposta à pergunta tecida no título deste texto, sobre ser, afinal, com ou sem partido, pode-se responder que é, sim, com partido.

Talvez, mais importante do que discutir uma eventual educação apartidária através da Escola Sem Partido – mesmo que isto represente um ataque à consciência crítica e reflexiva do aluno e comprometa o processo ensino-aprendizagem –, cabe debater a possibilidade de uma Escola Sem Estado. Explico. Não estou a defender o fim do ensino público e gratuito, muito pelo contrário, estou, sim, a retomar a ideia de que a escola, seja ela pública ou privada (há vários tipos de escolas privadas, atendendo aos mais variados espectros, razão pela qual prefiro não adotar a via que tende a generalizar o ensino privado como algo que acolhe eminentemente as classes ricas da população) ajuda na reprodução das desigualdades. 

Assim, levando-se em conta também os escritos de Marx (aqui, baseio-me em sua obra O dezoito brumário de Luís Bonaparte), é difícil esperar que o Estado possa se portar de modo diferente ou propor reformas educacionais compromissadas com uma mudança positiva da realidade social, uma vez que, historicamente, tem agido – e muitas dessas vezes sem qualquer pudor – em defesa dos interesses de grupos economicamente privilegiados, favorecendo determinadas classes em detrimento de outras.


   147 Leituras


author image
JEFFERSON VERAS NUNES

Mestre em Sociologia pela UFC, doutor em Ciência da Informação pela UNESP e professor do Departamento de Ciência da Informação da UFC