BIBLIOCANTOS


A CASA É SUA/A BIBLIOTECA É SUA

 

A Casa é Sua

 

Arnaldo Antunes

 

Não me falta cadeira

Não me falta sofá

Só falta você sentada na sala

Só falta você estar

 

Não me falta parede

E nela uma porta pra você entrar

Não me falta tapete

Só falta o seu pé descalço pra pisar

 

Não me falta cama

Só falta você deitar

Não me falta o sol da manhã

Só falta você acordar

 

Pras janelas se abrirem pra mim

E o vento brincar no quintal

Embalando as flores do jardim

Balançando as cores no varal

 

A casa é sua

Por que não chega agora?

Até o teto tá de ponta-cabeça

Porque você demora

 

A casa é sua

Por que não chega logo?

Nem o prego aguenta mais

O peso desse relógio

 

Não me falta banheiro, quarto

Abajur, sala de jantar

Não me falta cozinha

Só falta a campainha tocar

 

Não me falta cachorro

Uivando só porque você não está

Parece até que está pedindo socorro

Como tudo aqui nesse lugar

 

Não me falta casa

Só falta ela ser um lar

Não me falta o tempo que passa

Só não dá mais para tanto esperar

 

Para os pássaros voltarem a cantar

E a nuvem desenhar um coração flechado

Para o chão voltar a se deitar

E a chuva batucar no telhado

 

 

A casa é sua

Por que não chega agora?

Até o teto tá de ponta-cabeça

Porque você demora

 

A casa é sua

Por que não chega logo?

Nem o prego aguenta mais

O peso desse relógio

A Biblioteca é Sua

 

Versão: Fernando Modesto

 

Não te falta cadeira

Não te falta mesa

Só falta você sentada na sala

Só falta você consultar

 

Não te falta estante

E nela uma prateleira pra você olhar

Não te falta lembrete

Só falta o seu desejo de pesquisar

 

Não te falta alma

Só falta você se encontrar

Não te falta o saber do amanhã

Só falta hoje procurar

 

Pras janelas se abrirem por fim

E o alento arejar a mente afinal

Embalando os saberes assim

Brilhando os olhares no final

 

A biblioteca é sua

Por que não chega agora?

Até o teto tá de livro-cabeça

Para a sua devora

 

A biblioteca é sua

Por que não chega logo?

Nem o silêncio aguenta mais

O texto sem falatório

 

Não te falta conhecimento, relato

Até a luz, exala no lugar

Não te falta acesso em linha

Só falta sua companhia pra usar

 

Não te falta apoio

Auxiliando no que você tão deseja

Parece até que há um lindo universo

Com tudo aqui nesse iluminar

 

Não te falta biblioteca

Só falta ela ser teu lar

Não te falta acesso no que busca

Só não deixe mais tanto empoeirar

 

Para os sonhos voltarem a encantar

E na nuvem acessar um catálogo organizado

Para a informação voltar a se recuperar

E a dúvida caducar no informado

 

A biblioteca é sua

Por que não chega agora?

Até o teto tá de livro-cabeça

Para a sua devora

 

A biblioteca é sua

Por que não chega logo?

Nem o silêncio aguenta mais

O texto sem falatório

 

Autor: Fernando Modesto

   27 Leituras


author image
FERNANDO MODESTO

Bibliotecário e Mestre pela PUC-Campinas, Doutor em Comunicações pela ECA/USP e Professor do departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP.