GERAL


MUSEU NACIONAL RESGATA 1.500 PEÇAS


No início de dezembro (de 2018), pouco mais de três meses depois de o Museu Nacional ter sido quase totalmente destruído por um grande incêndio em 2 de setembro, a direção da instituição anunciou ter resgatado cerca de 1.500 itens em meio aos escombros da tragédia. São peças que estavam em exposição ou compunham o acervo das coleções da instituição, além de equipamentos, objetos pessoais e fragmentos arquitetônicos. Da coleção de arqueologia egípcia, foram encontrados, por exemplo, um conjunto de shabtis (miniestatuetas funerárias), bronzes representando deuses e uma estela (placa de pedra com inscrições) proveniente da antiga cidade de Abidos. Itens de outras coleções arqueológicas, como a mexicana, brasileira, a pré-colombiana e a da imperatriz Teresa Cristina (1822-1889), também foram achados. Do acervo de etnologia indígena, foram encontradas duas bonecas karajá, um vaso decorado de procedência ignorada e uma cerâmica. Da geologia, amostras de minerais e um meteorito foram retirados dos destroços do incêndio. Em outubro, técnicos do museu tinham encontrado um fragmento do fêmur e pelo menos 80% do crânio de Luzia, de cerca de 11 mil anos, uma das peças mais importantes da instituição.


Fonte: Pesquisa FAPESP, ano 20, n.275, p. 15, jan. 2019

   42 Leituras


Sem Próximos Ítens

Ítem Anterior

author image
BIBLIOTECÁRIA CRIA “LESBOTECA”, UMA BIBLIOTECA EXCLUSIVA PARA HISTÓRIAS LÉSBICAS
Julho/2019



author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.