PRINCIPAL
COLUNAS
CURIOSIDADES
DESBASTANDO O ACERVO E OUTROS TRECOS DA BIBLIOTECONOMIA
EXPERIÊNCIAS
GENERALIDADES
MERCADO
NOTÍCIAS
TEXTOS
PESSOAL
DISCIPLINAS
CADASTRO
CONTATO
NOTÍCIAS

REVOLUÇÃO PELO GOOGLE
[06/05/2010]

Marcelo Leite

 

A censura chinesa na internet parece fichinha, mas talvez não seja

 

Qual a importância real da liberdade política para o desenvolvimento da pessoa, do espírito humano e do próprio capitalismo? Essa é a pergunta do século 21 e, se tiver resposta, ela virá da China.

Em 12 de janeiro, a empresa Google ameaçou abandonar a potência oriental depois que seu serviço de buscas foi alvo de vários ataques de hackers. Seria uma intimidação disfarçada do governo chinês, interessado em manter controle total sobre a internet.

Em resposta, a Google disse que queria negociar uma maneira de operar sem censura no país, ou sairia fora. Desde 2006, quando começou a funcionar ali, o Google tolerava a censura por meio de filtros que barravam pesquisas como "Tiananmen". Foi muito criticada, com justiça, mas pelo menos agora o gigante cyber criou coragem para enfrentar o gigante censor.

A ditadura chinesa, maior aplicadora de penas de morte do planeta, conta com tolerância interessada no mundo todo - inclusive das democracias na Europa, nos EUA e no Brasil. Ninguém quer ficar fora daquele mercado fantástico. Já há 380 milhões de internautas na China (umas cinco vezes mais que no Brasil).

Com tais atributos, existe até gente argumentando que a democracia talvez não seja tão essencial ao desenvolvimento do capital, como pensava até aqui a nossa vã filosofia iluminista. Em tempos de hiperderivação financeira, indisciplina fiscal congênita e bolhas incontroláveis de crédito, um pouco de autoritarismo teria suas vantagens profiláticas.

A autocracia também é um anestesiante efetivo para controle social, ainda que sua eficácia diminua com o tempo. O corpo social, fortalecido pela circulação de ideias e meios, desenvolve intolerância contra ela.

Incorporar centenas de milhões de camponeses ao milagre chinês não se faz da noite para o dia, sem margem para revolta. Nem remediar o desastre ambiental patente já antes de o país crescer a taxas de 10% ao ano. Para não falar de condições de trabalho análogas à escravidão...

A censura ao Google e à internet, diante disso, parece fichinha. Talvez não seja. A China vive uma explosão de produção científica, fomentada por um governo consciente da relevância da pesquisa para o dinamismo da economia. O incentivo para publicar estudos é tamanho que as fraudes científicas estão se multiplicando.

Como em qualquer outro lugar, o Google tornou-se na China uma ferramenta de primeira mão para buscar conhecimento. A fim de descobrir se isso também vale para pesquisadores chineses, jornalistas do periódico científico "Nature" fizeram um levantamento por e-mail sobre o mecanismo de busca e publicaram os seus resultados (www.go.nature.com/ FJ6QTm) na quinta-feira.

A "Nature" obteve 784 respostas. Não é muito, numa comunidade de 1,5 milhão de pesquisadores. Ainda assim, trata-se de número respeitável para um levantamento jornalístico.

A consulta revelou que 80% dos que responderam usam o Google (ou seus serviços especiais, como o Google Acadêmico ou Google Scholar) como primeiro recurso para localizar artigos científicos. Outros 60% o empregam para informar-se sobre descobertas e programas de pesquisa.

Mais importante, 84% afirmaram que sua atividade científica seria "um tanto" ou "significativamente" prejudicada pela perda do Google. E 78% consideraram que haveria dano para as colaborações internacionais.

"Pesquisar sem o Google seria como viver sem eletricidade", resumiu à "Nature" Xiong Zhenqin, da Universidade Agrícola de Nanquim.

 

 

Marcelo Leite é autor de "Darwin" (série Folha Explica, Publifolha, 2009) e "Ciência - Use com Cuidado" (Editora da Unicamp, 2008). Blog: Ciência em Dia
(
cienciaemdia.folha.blog.uol.com.br ).
E-mail:
cienciaemdia.folha@uol.com.br



(Fonte: Folha de São Paulo, Mais, p.9, 28/02/2010)



Desenvolvido por LLT Hosting & Development © Info Home 2005