GERAL


OS JOVENS LÊEM O MUNDO DE OUTRA MANEIRA

  • Autor não informado
  • Maio/2011

Em abril, no mês da leitura, o Conselho Regional de Biblioteconomia do Estado de São Paulo contribui para entendermos melhor quem é o aprendiz do séc. XXI

 

Para que possamos compreender quem é o aprendiz deste século, o Conselho Regional de Biblioteconomia do Estado de São Paulo – 8ª. Região (CRB/8) acaba de traduzir para a língua portuguesa o documento “Standards for the 21st Century Learner” ou “Parâmetros para o Aprendiz do Século 21”, elaborado pela American Association of School Librarians – AASL (Associação Americana de Bibliotecários Escolares), e publicado pela American Library Association – ALA (Associação Americana de Bibliotecas).

O documento, de oito páginas, define as competências informacionais indispensáveis ao aprendiz do nosso século, propõe a transformação da aprendizagem passiva para a ativa, e estabelece que é na biblioteca da escola – lugar no qual se oferece acesso democrático aos recursos e ferramentas necessários para a aprendizagem – onde se aprender a lidar adequadamente com a informação, matéria-prima para a criação de novos conhecimentos. Portanto, a biblioteca, reconhecida tradicionalmente como espaço da leitura por excelência, precisa ir além de ações de mero incentivo à leitura para desempenhar plenamente sua função.

 

De acordo com os “Parâmetros para o Aprendiz do Século 21”, a noção de capacitação informacional evoluiu da simples definição “uso de fontes de referência para localizar informação”. Além disso, competências múltiplas, inclusive a digital, a visual, a textual e a tecnológica tornaram-se cruciais para o aprendiz. Sendo assim, o conceito atual de capacitação informacional abrange o conjunto de competências necessárias para acessar, interpretar, selecionar e utilizar a informação de forma ética e criativa; tais competências darão ao estudante condição de engajamento num processo contínuo de aprendizagem (aprender por toda a vida) e de enfrentar novas situações e desafios no mundo em que vivemos, de mudanças tão rápidas e impactantes.

 

Aprender a aprender

A rapidez e o volume com que as informações são geradas hoje são responsáveis pela obsolescência contínua do conhecimento e, portanto, dos conteúdos curriculares. O estudante precisa ser motivado a aprender a aprender, a ser capaz de avaliar o seu próprio desempenho e a adquirir as competências que possibilitarão a autonomia informacional necessária para ser bem sucedido em sua vida pessoal, social e profissional. O aprendiz do século 21 (ou “nativo digital”) precisa saber:

 

- reconhecer quando a informação é necessária e ser capaz de localizá-la, avaliá-la, transformá-la e compartilhá-la;

- ler, raciocinar e escrever com precisão e clareza, interagindo com outros, desenvolvendo e comunicando ideias e informação;

- realizar pesquisa séria e responsável sobre perguntas de relevância, escolhas e assuntos de sua época;

- investigar, pensar criticamente e adquirir conhecimento;

- tirar conclusões, tomar decisões embasadas, aplicar o conhecimento adquirido a novas situações e gerar novos conhecimentos;

- compartilhar conhecimento e atuar de modo ético e produtivo;

- buscar aprimoramento pessoal e estético.

 

Neste novo modelo de aprendizagem, segundo Rosana Telles, coordenadora da Comissão de Educação do CRB-8 e tradutora do documento, “caberá ao bibliotecário assumir seu papel de educador e, em parceria com os professores, desenvolver programas específicos de pesquisa, liderando o processo de ensino-aprendizagem de competências informacionais no âmbito da escola”. Na opinião de Lúcia Paranhos, membro da Comissão de Educação do CRB-8 e responsável pela revisão do documento, “sob a direção de um bibliotecário graduado e atualizado, a biblioteca escolar deve atuar como agência educadora integrada ao programa pedagógico da instituição de ensino, contribuindo para a formação global do estudante como cidadão do mundo”.

(Anexo documento “Parâmetros para o Aprendiz do Século 21”.)

 

Mais subsídios no filme "Visions" – Visões:

http://www.youtube.com/watch?v=G9V4NS1DGZE

 

Sobre o Conselho Regional de Biblioteconomia do Estado de São Paulo
O Conselho Regional de Biblioteconomia 8ª Região tem por objetivos básicos fiscalizar o exercício da profissão de bibliotecário e contribuir para o aprimoramento da área e de seus profissionais. A profissão de bibliotecário foi regulamentada em 30 de junho de 1962, com a publicação da Lei 4084.

A categoria comemora a Lei 12.244, de 24 de maio de 2010, a qual estabelece a universalização das bibliotecas nas instituições de ensino do Brasil: até o ano de 2020, toda escola brasileira deverá ter uma biblioteca e toda biblioteca escolar, um bibliotecário.

http://www.crb8.org.br/

Divulgado por Ana Paula Moreira - Enviado para Infohome em 28/04/2011

   6 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.