INFORMAÇÃO E SAÚDE


O PROJETO FALE COM O DR. RISADINHA E A DISSEMINAÇÃO DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE PARA A POPULAÇÃO: RESULTADOS ALCANÇADOS ENTRE 2016 E 2021

Introdução

A disseminação de informação em saúde para a população traz vários desafios, entre os quais: selecionar os conteúdos adequados para disseminação e de interesse para a população; usar a linguagem compreensível para os diferentes públicos; estruturar a mensagem para que se torne mais atrativa; mensurar o impacto da informação disseminada na comunidade etc.

Enfrentando tais desafios, o projeto Fale com o Dr. Risadinha: Serviço de Informação em Saúde para Crianças, Adolescentes, Famílias e Profissionais (disponível em: http://www.drrisadinha.org.br/ e demais redes sociais) foi lançado no dia 18 de abril de 2016, sendo resultado de uma parceria inicial entre várias instituições, pesquisadores, profissionais da saúde e alunos de graduação, especialmente, provenientes da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP-FMRP), que até a presente data continua coordenando o projeto, bem como com o apoio da Faculdade de Tecnologia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-FT), que tem atuado mais na dimensão tecnológica do projeto, e da Faculdade de Medicina da McGill University (McGill-FM) que colaborou cedendo o instrumento para a avaliação do impacto das informações disseminadas pelo projeto.

Este texto tem por objetivo apresentar os resultados alcançados pelo projeto entre abril de 2016 e abril de 2021, perfazendo um período de cinco anos.

Metodologia do projeto

Toda informação disseminada por meio do Fale com o Dr. Risadinha é baseada em evidências, ou seja, em resultados de pesquisas científicas que possuem melhor qualidade metodológica. Para tanto, todos os membros bolsistas e voluntários do projeto Fale com o Dr. Risadinha são treinados em saúde baseada em evidências, uso de base de evidências e no uso de linguagem simples para responder as perguntas que chegam até o projeto. Além disso, diariamente, o projeto segue uma sistemática para a disseminação de informações em saúde que é composta pelas seguintes etapas:

  •  Paciente ou família do paciente ou pessoa da população nos envia uma questão sobre saúde pela web (http://www.drrisadinha.org.br/ e demais redes sociais). Também consideramos dúvidas sobre saúde por meio de monitoramento das redes sociais, assim como observamos os dados epidemiológicos da nossa população para verificar as condições de saúde mais frequentes. A quantidade de questões que chegam ao projeto diariamente varia muito.
  •  Ao receber a pergunta, o coordenador do projeto delega a elaboração da resposta a um dos membros da equipe, que, por sua vez, responde à pergunta sobre saúde em linguagem simples, considerando as melhores evidências disponíveis nas bases de evidência em saúde. Um segundo membro de nossa equipe revisa a resposta elaborada para verificar a pertinência da resposta, adequação da linguagem, coerência do texto;
  •  A resposta revisada é disponibilizada na plataforma Blogger, empregando a formato padrão de resposta, constituída por: questão; imagem relacionada à questão; resposta curta; resposta longa; autores e revisores da resposta; referências que foram empregadas para elaboração da resposta; link para avaliação da resposta; termos de indexação relacionados à resposta;
  •  A resposta publicada na plataforma Blogger é divulgada, por outro membro da equipe, nas demais redes sociais, podendo qualquer pessoa acessar a resposta e avaliá-la. Em algumas situações, o indivíduo que fez a pergunta prefere receber a resposta por WhatsApp ou por e-mail. Como forma de proteção das identidades e da privacidade, apenas a coordenadora do projeto tem conhecimento dos dados confidenciais do projeto e entra em contato com os participantes quando necessário. A Figura 1 sintetiza a metodologia do projeto.

 

 

Figura 1 Síntese da metodologia empregada pelo Projeto Fale com o Dr. Risadinha

Principais resultados

Desde o seu lançamento em 2016 até abril de 2021, o projeto produziu 548 respostas baseadas em evidências, o que gerou 361.290 acessos pela população do Brasil e de outros países, como Estados Unidos, China, Rússia, Portugal, Alemanha etc, conforme apesentado no Quadro 1.

 

 


Os acessos provenientes de outros países, em alguma medida, evidenciam a relevância e visibilidade social do projeto para aqueles que buscam informação em saúde confiável em língua portuguesa e que seja de fácil compreensão.

Os conteúdos demandados pela população e buscados no projeto são os mais variados, incluindo questões do dia a dia, doenças raras, saúde mental, qualidade de vida e questões que envolvem o desenvolvimento humano em sentido amplo. O quadro 2 apresenta seus conteúdos mais acessados.

 

Especialmente entre fevereiro de 2020 e abril de 2021, foram produzidos 69 conteúdos sobre COVID-19. As questões recebidas e respondidas sobre COVID-19 também foram muito variadas e evidenciaram uma preocupação da população em como se proteger da pandemia. O Quadro 3 apresenta os conteúdos mais acessados sobre COVID-19.

 

Considerando que COVID-19 é um assunto novo, a maior dificuldade do projeto durante o período pandêmico foi encontrar informações científicas confiáveis. Além disso, as próprias informações científicas sofreram muitas alterações ao longo do primeiro ano de pandemia pois muitos estudos eram preliminares e exploratórios, ou seja, possuíam baixo nível de evidência científica. Em decorrência disso, optou-se por incluir ao final de cada resposta sobre COVID-19 um texto padrão, qual seja: “Geralmente, o Projeto Fale com o Dr. Risadinha busca informações com alto nível de evidência científica para fornecer respostas seguras e confiáveis ao seu público. Mas por se tratar de assunto novo, muitas informações sobre coronavírus e COVID-19 são opiniões de especialistas, carecendo de mais estudos científicos que as comprovem”. É importante também ressaltar que entre abril de 2020 e abril de 2021, o projeto Fale com o Dr. Risadinha teve cerca de 96.000 acessos aos seus conteúdos, contudo muitos desses acessos não estiveram relacionados à pandemia.

Para manutenção de suas atividades, o projeto Fale com o Dr. Risadinha contou com 16 bolsas para alunos de graduação obtidas junto à Universidade de São Paulo por meio do Programa Unificado de Bolsas, bem como uma bolsa de iniciação científica obtida junto ao CNPq, via UNICAMP, conforme apresentado no Quadro 4, gerando um custo total em bolsas no valor de 81.600 reais.

 

 

A existência do projeto Fale com o Dr. Risadinha permitiu, além da produção de respostas para a população, viabilizar a produção de conhecimentos sobre a disseminação de evidências para a população. Parte dessa produção foi apresentada em simpósios de iniciação científica e tecnológica. Eis alguns exemplos:

  • BARBOSA, L. S.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. O projeto Fale com o Dr. Risadinha e a disseminação de informações em saúde durante a pandemia. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2020, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: USP, 2020.
  • CAVALCANTE, J. N. T.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. A pandemia de Covid-19 na era da informação: aumento nos acessos a um serviço de informação em saúde. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2020, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: USP, 2020.
  • CAVALCANTE, J. N. T.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. Evidências em saúde ou em doenças? Uma análise dos tópicos de saúde mental em uma base de evidências em saúde. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2019, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: USP, 2019.
  • CUNHA, G. J. M.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. A aprendizagem da medicina baseada em evidência por graduandos da saúde. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2020, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: USP, 2020.
  • CUNHA, G. J. M.; GALVÃO, M. C. B; CARMONA, F. Adequação das bases de evidência para responder questões sobre a saúde humana. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2019, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: USP, 2019.
  • CURY, G. N.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. A medicina baseada em evidências e comunicação com o paciente. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2018, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2018.
  • CURY, G. N.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. Recepção e aceitação das evidências em saúde pela população. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo, 2019, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2019.
  • HAGIWARA, K. S.; RICARTE, I. L. M. Tecnologias da Web Semântica no acesso e uso à informação aberta: estudo de caso com um blog de informação em saúde. In: XXVII Congresso de Iniciação Científica da Unicamp, 2019, Campinas. DOI: DOI: 10.20396/revpibic. Disponível em: https://www.prp.unicamp.br/inscricao-congresso/resumos/2019P15922A29147O3691.pdf.
  • SILVA, N, S.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. Evidências em saúde para a população leiga: da produção à divulgação. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2018, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2018.
  • SILVA, N. S.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. Aprendendo saúde baseada em evidência durante a graduação. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2017, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017.
  • SOUZA, L. M.; GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F. Ensino e aprendizagem da saúde baseada em evidências: relato de caso. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2017, Ribeirão Preto. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017.

De igual modo, conhecimentos adquiridos por meio do projeto foram sistematizados e apresentados em eventos científicos profissionais e publicados em forma de artigos científicos e capítulo de livro. Eis alguns exemplos:

  • GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F.; RICARTE, I. L. M. A avaliação de evidências em saúde pela população. P2P e Inovação, v. 6, p. 175-192, 2019. DOI: 10.21721/p2p.2019v6n1.p175-192
  • GALVÃO, M. C. B.; CARMONA, F.; RICARTE, I. L. M. Disseminando evidências em saúde em linguagem simples nas mídias sociais. In: Jornadas da Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde, 2018, Lisboa. Jornadas APDIS. Lisboa: APDIS, 2018. Disponível em https://apdis.pt/publicacoes/index.php/jornadas/article/view/214.
  • GALVÃO, M. C. B.; PEREIRA, P. M.; CARMONA, F.; RICARTE, I. L. M. Disseminação de informação em saúde e música no contexto hospitalar pediátrico. P2P e Inovação, v. 6, p. 212-223, 2019. DOI: 10.21721/p2p.2019v6n1.p212-223
  • PEREIRA, M. C. A.; REBEHY, P. C. P.; CASTRO, F. F. S.; GALVAO, M.C.B. Social innovation to achieve global health. In: Luísa Cagica Carvalho; Pedro Isaías. (Org.). Handbook of research on entrepreneurship and marketing for global reach in the digital economy. 1ed. s.l.: IGI Global, 2018.
  • RICARTE, I. L. M.; HAGIWARA, K.; GALVÃO, M. C. B. De blogs a dados abertos: um estudo de caso na disseminação de informação em saúde. In: Jornadas da Associação Portuguesa de Documentação e Informação de Saúde, 2020, Porto. Anais. Lisboa: APDIS, 2020. Disponível em https://apdis.pt/publicacoes/index.php/jornadas/article/view/277.

Adicionalmente, instituições de vários países (Uruguai, Chile, Alemanha, Portugal, Brasil) financiaram a participação da coordenadora do projeto Fale com Dr. Risadinha para apresentação do projeto em eventos internacionais dos campos da saúde, informação, informática e divulgação científica. Eis alguns exemplos:

  • Alemanha: Falling Walls Engage Community Meeting. Ask Dr. Giggle. 2019.
  • Alemanha: Molit Symposium 2019. Personalized patient information. 2019.
  •  Brasil: Webinar EBSCO Brasil. O bibliotecário e as múltiplas formas de disseminação de evidências em saúde. 2019.
  • Brasil. Jornada Acadêmica do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes, 4. Comunicação em saúde baseada em evidências. 2018.
  • Brasil. Semana de Biblioteconomia e Ciência da Informação, USP, 2018. Fale com o Dr. Risadinha: informações em saúde e as redes sociais. 2018.
  • Brasil. Seminário das Bibliotecas em Saúde, UFMG, 2018. Disseminação de evidências em saúde para profissionais e público leigo: lições aprendidas. 2018.
  • Chile. International Academic Forum Medical Informatics 2017. Dissemination of health evidence for health professionals using information and communication technologies. 2017.
  • Portugal. Direção Geral da Saúde. Lançamento do projeto Fale com o Dr. Risadinha: Serviço de Informação em Saúde para Crianças, Adolescentes, Famílias e Profissionais da Saúde. 2016.
  • Brasil. Simpósio de Humanização da Cia do Riso. Fale com o Dr. Risadinha: Serviço de Informação em Saúde para Crianças, Adolescentes, Famílias e Profissionais da Saúde. 2016.
  • Brasil. Congresso de Extensão da Associação das Universidades do Grupo de Montevideo. Apresentação inicial do projeto Fale com o Dr. Risadinha: serviço de informação em saúde para crianças, adolescentes, famílias e profissionais da saúde. 2015.
  • Uruguai. Información y lectura en dispositivos móviles. Apresentação inicial do projeto Fale com o Dr. Risadinha: serviço de informação em saúde para crianças, adolescentes, famílias e profissionais da saúde. 2015.

Finalmente, desde 2020, em parceria com a empresa AUDIMA, todos os conteúdos disponibilizados na plataforma Blogger do projeto Fale com o Dr. Risadinha podem ser ouvidos. Essa ferramenta pode ajudar pessoas que tenham alguma dificuldade para leitura.

Conclusão

O projeto Fale com o Dr. Risadinha é um projeto permanente que responde questões sobre saúde, empregando-se as melhores evidências científicas existentes e traduzindo-as para uma linguagem simples compreensível pela população.

O conhecimento adquirido pelo projeto permite afirmar que sua existência é necessária para atender a população, contribuindo também para a formação de recursos humanos no campo da saúde baseada em evidência, especialmente, aos alunos de graduação do campo da saúde. Com o corte de verbas ocorridos em 2020 e 2021, um dos desafios atuais é a obtenção de recursos financeiros para que o projeto mantenha suas atividades e atualização informacional e tecnológica constantes.

Agradecimentos

Ficam registrados os agradecimentos a algumas pessoas que, em diferentes momentos, dedicaram tempo e conhecimento para o desenvolvimento e consolidação desse projeto, entre as quais: o Prof. Dr. Fabio Carmona (USP-FMRP), o Prof. Dr. Ivan Luiz Marques Ricarte (UNICAMP-FT), a Profa. Cristina Camargo Dalri (HC-CRIANÇA), a Profa. Dra. Iara Pedro, Prof. Dr. Cristhof Johann Roosen Runge (UNICAMP-FT) e o egresso Guilherme Henrique Ramos da Silva (UNICAMP-FT). De igual modo, registra-se agradecimentos aos professores que cederam o instrumento para avaliação do impacto do projeto. São eles: Prof. Dr. Pierre Pluye e Prof. Roland Grad, ambos da McGill-FM, Canadá.

Como citar este texto

GALVAO, M.C.B. O projeto Fale com o Dr. Risadinha e a disseminação de informação em saúde para a população: resultados alcançados entre 2016 e 2021. In: Almeida Junior, O.F. Infohome [Internet]. Marília: OFAJ, 2021. Disponível em: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=1294


   282 Leituras


Saiba Mais





Sem Próximos Ítens

Ítem Anterior

author image
BIBLIOTECA VIVA: UM PROJETO DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Dezembro/2020



author image
MARIA CRISTIANE BARBOSA GALVÃO

Professora na Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Sua experiência inclui estudos na Université de Montréal (Canadá), atuação na Universidad de Malaga (Espanha) e McGill University (Canadá). Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília, mestre em Ciência da Comunicação e bacharel em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade de São Paulo.