LEITURAS E LEITORES


MENINAS DO BRASIL

 A arte sempre representou a beleza feminina. Existem alguns modelos de beleza para o mundo ocidental que remontam à Antigüidade Clássica. Por exemplo, em O Nascimento de Vênus, pintura de Sandro Botticelli, pode-se identificar o padrão clássico, que caracterizou grande parte das obras renascentistas.

A Vênus de Botticelli possui um físico que tornaria as "top models" de hoje, no mínimo, aflitas. É gordinha e "tem barriga". Enfim, uma bela mulher, mas com padrão estético diferente do valorizado pela mídia hoje. Se na Itália o padrão "Boticelli" de beleza predominou e se espalhou pelo mundo renascentista, no Brasil não é diferente.

No século XIX, mais precisamente no período romântico, existia a preocupação em promover o modelo brasileiro de beleza que se afastasse do domínio português, principalmente porque o país tornara-se independente politicamente de Portugal.

José de Alencar lançou, nesse período, um dos ícones da beleza "morena" do país, a índia Iracema*. A descrição da personagem tornou-se "clássica" nas letras nacionais:


Além, muito além daquela serra, que ainda azula no horizonte, nasceu Iracema.
Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna, e mais longos que seu talhe de palmeira.
O favo da Jati não era doce como seu sorriso (...)
.....................................................................................................................
Mais rápida que a ema selvagem, a morena virgem corria o sertão e as matas do Ipu (...) p.16


A beleza da índia é demonstrada por meio dos elementos da natureza nacional: mel, graúna (pássaro preto), jati (abelha), talhe da palmeira, ema selvagem. Fauna e flora nacionais harmonizam-se com a descrição de Iracema.

Esse modelo alencariano de beleza feminina tem inspirado outras construções em nossa literatura. Alguns escritores do século XX, provavelmente leitores de Alencar, reverenciaram o mestre em suas obras, como é o caso da escritora Ana Maria Machado, autora muito conhecida do público infanto-juvenil.

Na obra Menina Bonita do Laço de Fita, Ana Maria narra a história de uma menina negra e um coelhinho branco. O coelho, apaixonado pela cor da menina, tenta descobrir como ficar negro também.

A autora aborda a questão racial com graça e sutileza, levando o leitor a sucumbir diante da beleza da Menina. Transporta-o às princesas africanas. E, ao mesmo tempo, a torcer para que o coelho encontre resposta e solução para realizar o seu desejo.

O coelho é levado perceber pela mãe da Menina que cada um tem a cor herdada de seus antepassados.

Logo, ele entendeu que a solução seria casar-se com uma coelha "escura como a noite". É o que ele faz. Logo no início da narrativa encontra-se a descrição da Menina Bonita do Laço de Fita :

Era uma vez uma menina linda, linda.
Os olhos dela pareciam duas azeitonas
pretas, daqueles bem brilhantes.
Os cabelos eram enroladinhos e bem
negros, feito fiapos da noite. A pele era
escura e lustrosa, que nem o pêlo da
pantera negra quando pula na chuva.


Mas onde pode estar a semelhança com o texto de Alencar? Ao ler as descrições de Iracema e da Menina Bonita do Laço de Fita, uma seguida da outra, o leitor vai perceber. As duas descrições têm um início fabular, mágico: "Além, muito além daquela serra..." ; "Era uma vez...". Assim, temos um ritmo descritivo muito parecido.

A beleza da Menina é, como em Iracema, comparada à beleza dos elementos da natureza. Os cabelos continuam negros, mas agora, são fiapos da noite. A pele da Menina é escura e lustrosa, comparada à pantera negra. Já Iracema é comparada à ema selvagem.

Alencar, no século XIX, buscou no índio o modelo nacional para afastar o cabresto cultural europeu. Ana, por sua vez, resgata o modelo afro de beleza tão presente na vida brasileira, mas que foi por muito tempo ignorado pela elite cultural do país.


* Iracema - José de Alencar - editora Ática, 1997
* Menina bonita do laço de fita - Ana Maria Machado - editora Ática, 1997.


   699 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
LITERATURA E REFORMA AGRÁRIA
Outubro/2003

Ítem Anterior

author image
A VIRGEM DOS LÁBIOS DE MEL, JOSÉ DE ALENCAR E CHICO BUARQUE
Julho/2003



author image
ROVILSON JOSÉ DA SILVA

Doutor em Educação/ Mestre em Literatura e Ensino/ Professor do Departamento de Educação da UEL – PR / Vencedor do Prêmio VivaLeitura 2008, com o projeto Bibliotecas Escolares: Palavras Andantes.