BIBLIOCANTOS


ASA BRANCA/APB PRETA

 

Asa Branca

 

Composição: Humberto Teixeira; Luiz Gonzaga; Zé Danta)

 

Quando olhei a terra ardendo

Qual fogueira de São João

Eu pergunte-ei, a Deus do céu, ai,

Porque tamanha judiação?

 

Qui braseiro, que fornalha,

Nem um de plantação,

Por falta d'água, perdi meu gado

Morreu de sede meu alazão.

 

Inté mesmo asa branca,

Bateu asas do sertão

Então eu disse, adeus Rosinha,

Guarda contigo, meu coração.

 

Hoje longe muitas léguas

Numa triste solidão

Espero a chuva, caí de novo

P'ra mim vortá, ai, p'ro meu sertão.

 

Quando verde dos teus olhos

Se espalhar na plantação

Eu te asseguro, não chores, não viu,

Que eu voltarei, viu, meu coração.

 

APB Preta

 

Versão: Fernando Modesto

 

 

Quando olhei a APB ardendo

Qual fumaça e desilusão

Eu pergunte-ei, a Deus do céu, ai,

Porque tamanha judiação?

 

Qui braseiro, só migalha

Nem dá pé reconstrução

Por falta de grana foi-se o legado

Morreu a sede e a Associação

 

Inté mesmo a esperança,

Bateu asas da situação

Então eu disse, adeus APBzinha,

Guardo comigo, tua aflição.

 

Sua história agora é mínguas

Numa lágrima de solidão

Esperou  ajuda, faltou do povo

P´ra tentá forçá, ai, uma solução.

 

Quando a falta dos teus olhos

Se fizer sentir na profissão

Eu te asseguro, serão dores, viu,

Que eu te lembrarei, viu, no coração.

 

Autor: Fernando Modesto

   23 Leituras


author image
FERNANDO MODESTO

Bibliotecário e Mestre pela PUC-Campinas, Doutor em Comunicações pela ECA/USP e Professor do departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP.