GERAL


PARA MONITORAR INVESTIGAÇÕES DE MÁ CONDUTA

  • Autor não informado
  • Novembro/2018

Um relatório divulgado em 11 de julho pelo Comitê de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Reino Unido, sugeriu a criação de um órgão para monitorar as investigações de casos de má conduta realizadas em universidades. A recomendação busca solucionar um problema detectado no relatório, que é a falta de adesão das instituições de ensino superior e pesquisa a diretrizes de integridade científica adotadas no Reino Unido há seis anos. Os parlamentares contataram representantes de 136 universidades e perguntaram se eles divulgavam informações sobre o número de casos de má conduta científica investigados a cada ano, um compromisso de transparência assumido por todas as instituições em 2012 em um pacto pela integridade científica.

Uma em cada quatro das instituições respondeu que o balanço não era divulgado e algumas justificaram a omissão com o argumento de que esse tipo de informação poderia comprometer sua imagem pública. Países como Austrália e Canadá possuem instâncias para acompanhar investigações e a China anunciou recentemente que irá centralizar essa tarefa no Ministério de Ciência de Tecnologia. “Consideramos crucial estabelecer um comitê nacional de integridade científica”, disse à revista Nature Normam Lamb, parlamentar responsável pela organização do relatório.

Fonte: Pesquisa Fapesp, ano 19, n. 270, p.10, ago. 2018


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.