GERAL


MULHERES INVISÍVEIS


Um grupo de 80 neurocientistas, na maioria mulheres, lançou em 2015 uma iniciativa para combater um viés de gênero observado em conferências científicas em seu campo do conhecimento: a baixa proporção de palestrantes do sexo feminino. Batizado de BiSWatchNeuro, o grupo é composto por pesquisadores de Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Itália, França e Reino Unido. Já monitorou a programação de mais de 90 conferências e workshops, ao mesmo tempo que mapeou a proporção de mulheres entre os pesquisadores de neurociência. Numa reunião sobre o uso de grandes volumes de dados em neurociência realizada em setembro, todos os palestrantes eram homens - embora a proporção de mulheres na pesquisa em neurociência computacional seja de 20% nos Estados Unidos. A divulgação dos exageros já começa a produzir efeitos. Num encontro anual de sistemas computacionais e neurociência, o Cosyne, a proporção de mulheres entre palestrantes chegou perto de 40% em 2016 - em 2004, nenhuma mulher fora convidada. Um editorial da revista Nature exortou outras áreas do conhecimento a seguirem esse exemplo: “As mulheres cientistas não têm nada a perder, além de sua invisibilidade“

 


Fonte: PESQUISA FAPESP, n. 249, p.11, nov. 2018

   75 Leituras


Próximo Ítem

author image
CINCO CONDENAÇÕES
Março/2019

Ítem Anterior

author image
REAÇÕES DISTINTAS
Fevereiro/2019



author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.