GERAL


BUENOS AIRES INSTITUI BOLSA-ESCRITOR

  • Autor não informado
  • Setembro/2012

Laís Bellini

 

Conhecida por sua tradição literária, cidade oferece R$ 2 mil mensais para assegurar vida digna a ficcionistas e poetas que passaram dos 60

 

Aconchegante e envolvente, Buenos Aires sempre teve, em suas ruas, a presença de gigantes literários. Vinho tinto, clima, praças, cafés e livrarias aos montes têm, agora, a companhia de um novo atrativo: a prefeitura está concedendo pensões aos escritores, como forma de complementar sua renda.

 

Desde que promulgada, a lei que estabelece o benefício já alcançou mais de 80 escritores — e eles podem receber o equivalente a R$ 2 mil mensais. A política amplia o esforço do país para consolidar e desenvolver ainda mais sua já forte tradição literária espanhola: dentre os 22 autores escolhidos recentemente pela revista Granta como os melhores romancistas jovens que escrevem em espanhol, oito são argentinos. Além das pensões, a cidade oferece subsídios para editores independentes e isenções de impostos na compra de livros.

 

Agora, a ideia é estender essas pensões a literários para além de Buenos Aires, alcançando todo o território nacional e fornecendo, assim, alguma estabilidade financeira a centenas de escritores mais velhos, que são reconhecidos pelo importante papel de formação da sociedade argentina.

 

Para ter direito ao benefício, o escritor deve ter pelo menos 60 anos e ser autor de no mínimo cinco livros lançados por editoras conhecidas. Autores das áreas de medicina, direito ou outras áreas técnicas não são contemplados: o apoio é restrito aos escritores de ficção, poesia, ensaios literários e peças teatrais. A pensão é calculada com o objetivo de elevar a renda de aposentadoria desses escritores à escala do salário-base dos servidores públicos municipais.

 

Autor com menos de cinco livros podem fazer jus ao complemento. Sua reivindicação é, porém, submetida a uma comissão, constituída por membros de entidades como a Sociedade de Escritores Argentinos e o departamento de Literatura da Universidade de Buenos Aires. Nesses casos, a comissão considera reconhecimentos como prêmios literários para legitimar a pensão. Mesmo estrangeiros podem beneficiar-se da política — desde que tenham ao menos quinze anos de residência em Buenos Aires e trabalhos publicados em espanhol ou em alguma língua indígena da Argentina.

Fonte: Clique Aqui

   19 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.