TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

SOBRE A COMUNICAÇÃO VIRTUAL E AS AMIZADES

Isso de pensar mais profundamente sobre caminhos que o mundo moderno nos força a trilhar não é fácil. Até venho colecionando algumas ideias sobre a comunicação virtual e as amizades, mas o difícil para mim é ordenar tais ideias de uma forma mais objetiva, antes que fujam, como certos sonhos bons ao acordarmos, até porque pensar objetivamente, em português, já é em si um ato heroico.

Aprendi a usar a Internet para enviar e receber trabalhos de revisão de texto, metiê a que me dedico com afinco e prazer desde o ano 2000. Daí a cair no poço sem fundo dos relacionamentos virtuais foi um pulo, mas ao fazê-lo entrei num mundo à parte, novo, para o qual não estava preparada (alguém estava?).

De fato, meio ingenuamente, acreditei que seria sobretudo uma forma de consolidar velhas amizades e fazer novas, de cultivá-las melhor, de conhecer as ideias e anseios dos meus velhos e novos amigos e conhecidos, e de fazê-los me conhecerem melhor. Enfim, achei que seria uma rica troca, em todos os sentidos. 

Desde logo aprendi que, na Internet, há leis próprias que se desenvolvem a partir de regras diferentes das que regiam a comunicação, antes cultivada pessoalmente, por telefone ou, mais antigamente, à base de longas cartas, bilhetes e similares. Estas, mal ou bem, eu as conhecia e aprendi a segui-las ao longo da vida. Agora, já me vi até perdendo para sempre algumas amizades. 

Uma das regras que vislumbrei e que me frustraram, é que quanto menos você escrever, melhor. Um "valeu", por exemplo, vale mais do que mil palavras, pois serve para tudo. Um simples "ok" ou o já consolidado "curti" também. Quase não dizem nada, mas emanam concordância; por isso mesmo não comprometem ninguém, e, de quebra, podem nos salvar dos outros e, mais importante, de nós mesmos. 

Aprendi que, para consolidar velhas amizades ou fazer novas, deve-se responder apenas a algumas mensagens - de preferência poucas, e sempre de forma breve e positiva, a menos que se queira ser considerado um "chato-mór virtual". Há também que se ter "feeling" para reconhecer como, quando, quanto e a quem responder. 

É vital não chatear os amigos ou conhecidos com reflexões de qualquer tipo. Além disso, certamente é bem arriscado expressar algo de negativo sobre uma mensagem. Se não gostamos, melhor é não dizer nada e esquecer. No máximo, nas redes sociais por exemplo, pode-se clicar ou digitar com cautela um "não curti", ainda que se arrisque a iniciar alguma polêmica. 

À primeira vista pode parecer democrática a comunicação virtual, mas bem que tem seu lado ditatorial, para quem não se contenta com pouco. 

As "críticas construtivas" também não costumam ser bem-vindas, porque soam frias e categóricas, muito diferentemente de quando escrevíamos longas missivas, e, mais ainda, de quando estamos diante do nosso interlocutor. Cara a cara, sempre se pode abrandar algo que soaria mais ferino; já via Internet... 

Às vezes há um saldo positivo, quando se consegue manter duas ou três preciosas amizades virtuais que, ó surpresa, também gostam de escrever longamente!

Em compensação, o costume de repassar qualquer coisa, só para passá-la adiante, infelizmente ainda não virou um pecado capital na Internet e, parece, jamais o será. É pena! 

Posso estar enganada, mas desde que começou este "abre-te sésamo" virtual, creio que a maioria das pessoas nunca parou para se fazer uma pergunta: Qual a importância dessas trocas de mensagens eletrônicas, no real cultivo das amizades? 

Os estudiosos das áreas da Comunicação têm analisado o tema, mas a grande massa de usuários desses serviços continua a usá-los freneticamente, sem parar para pensar. 

A meu ver, esse tipo avassalador de comunicação tem sido usado aos trancos e barrancos, e o aprendizado, quando existe, vem sendo feito por ensaio e erro. 

Sempre vale aprender com os erros, mas talvez seja uma pena que o cultivo das amizades esteja agora sujeito a outras normas. 

Saudades do tempo das trocas de cartas e de quando só se podia papear pessoalmente ou por telefone! Mas esses hábitos antigos se foram ou estão em franco desuso, pois a agilidade do contato virtual vence tudo, e a preguiça humana é um fato. 

A preguiça e a invenção da urgência!!!!

Autor: Marília Ludgero

   129 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.