TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

O ABECÊ DAS LÁPIDES

Graças ao avô, a pequena Giovanna Cury aprendeu a ler e a escrever nos túmulos de um cemitério.

Com apenas 2 anos, Giovanna Cury tinha o hábito de passar as tardes com o avô. Enquanto José Carlos Fernandes, zelador do cemitério Memorial da Paz, em Pindamonhangaba, interior de São Paulo, trabalhava duro, a menina brincava por entre as lápides. O cemitério era o quintal da casa da menina de cabelos loiros e olhos verdes.

Depois de uns meses, quando as brincadeiras começaram a não ter a mesma graça, Giovanna começou a interessar-se pelas letrinhas de bronze, grudadas nas plaquinhas, nos jazigos. Aqueles escritos, que guardam a lembrança de quem já morreu, tornaram-se, então, os primeiros cadernos de alfabetização da menina.

Com os nomes dos túmulos ela manteve o primeiro contato com o idioma escrito, aos 2 anos e meio de idade. Um contato ainda rudimentar, é verdade – a formação de sentido mais complexa, a compreensão sintática de frases inteiras, viria mais tarde, evidentemente. Mas, naquela estação de 2003, de joelhos ao chão, com os dedinhos em cima de cada letra e o avô sempre ao lado, a menina identificou a primeira palavra, que, até hoje, não sai da sua cabeça.

- A primeira palavra que li foi “Ana” – diz a menina, hoje com 7 anos, apontando para a lápide que lhe serviu de cartilha.

José Carlos Fernandes, de gestos tímidos, olhar sereno, parou de estudar aos 11 anos. Hoje, aos 57 anos, diz ficar emocionado quando lembra a primeira vez em que a neta leu.

- Quando percebi que ela tinha essa curiosidade, comecei a ler para ela os nomes das pessoas que estão escritos nas lápides – lembra. 

O método usado pelo zelador foi simples. E aparentemente funcional. Lia as letras e revelava o som que o casamento delas significava.

- Eu falava para ela que a letra a com a letra n e com a letra a dava “Ana”. Então, eu pedia a ela que saísse pelo cemitério atrás de outro nome igual àquele. Ficava emocionado quando ela me chamava para ver outro nome igual ao que eu tinha ensinado para ela – explica o avô.

Giovanna voltou a correr por entre as lápides, agora com os olhos voltados para o chão.

- Comecei a procurar outras ‘Anas’ para mostrar ao vovô – diz.

Esse processo de alfabetização, despretensioso, quase uma brincadeira, virou um hábito na vida de ambos. O aprendizado durou cerca de dez meses, calcula José Carlos.

Chapeuzinho

Quando Giovanna nasceu, o avô já era zelador do cemitério. Ela cresceu numa casinha simples, a metros da imensidão de lápides. Hoje, mora com a mãe, o irmão e os avós.

- Todos os meus filhos e netos foram criados aqui no cemitério – diz José Carlos Fernandes.

Os desafios de linguagem surgiam para Giovanna Cury à medida que a menina perambulava entre uma lápide e outra. Desafios como o acento circunflexo, o chapeuzinho, como a menina costuma dizer.

- Meu avô me explicava o som que o chapeuzinho tinha na palavra. Aí, ficava mais fácil – afirma.

Quando, nas lápides, ela encontrou nomes com w e x, empacou.

- Meu avô me explicou o som que a letra x tem. E, quando a palavra era grande, ele falava para eu separar as sílabas – diz a menina.

O avô completa.

- Depois de um tempo, eu saía com ela pelo cemitério e ela ia lendo tudo e me chamando para escutar – diz José Carlos.

A pedagoga Melina Beatriz Carneiro Alves Rocha, então professora da Escola Municipal Padre Vita, em Pindamonhangaba, soube que sua avó e companheira de quarto morrera em 11 de outubro de 2002. Foi numa das visitas ao cemitério local que Melina conheceu Giovanna.

- Como era muito ligada a minha avó, eu ia sempre ao cemitério para visitar o túmulo dela. A Giovanna foi um presente na minha vida – recorda a professora.

A menina começou a frequentar a casa de Melina. Costumava passar os fins de semana por lá. Sempre estimulada por leitura e jogos, Giovanna surpreendeu Melina. Em março de 2007, a professora conseguiu uma vaga na pré-escola para a menina. Giovanna era a mais nova aluna de Melina. Para ela, que hoje trabalha como assessora lúdico-pedagógica na Prefeitura de Pindamonhangaba, o gesto do avô de Giovanna foi “quase único”.

- Ele foi um educador, quase sem querer. Ela começou a falar praticamente por meio da leitura escrita – diz a especialista em gestão escolar e pós-graduanda em educação.

Livro

O desempenho de Giovanna em aula chegou a outro professor, Severino Antônio Moreira Barbosa, que conseguiu bolsa de estudos para a menina na Escola Emílio Ribas, da Rede Anglo de Ensino.

- Conhecer Giovanna e sua história foi uma experiência poética – diz o autor de A Menina que Aprendeu a Ler nas Lápides, lançado pela Biscalchin Editor.

As professoras Almelice Aparecido Carneiro Alves, de português, e Kátia Tavares da Silva, que deu aulas de filosofia a Giovanna em 2008, consideram a menina uma aluna que aprende rápido e ajuda os colegas de sala. Ela concluiu o 1º ano do ensino fundamental no ano passado e sonha ser professora.

- Adoro crianças e ensinar.

A leitura virou um passatempo.

- Adoro e ninguém me manda fazer isso. Faço porque gosto – diz.

Na estante, contos de fada e histórias em quadrinhos.

- Leio jornal às vezes, mas acho muito complicado. Gosto de ler o horóscopo todo dia – diz a menina. 

Giovanna, a propósito, é do signo de peixes.

Autor: Vinicius Novaes
Fonte: Língua Portuguesa, v.3, n.41, p.14-16, mar. 2009

   94 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.