TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

CONTAR HISTÓRIAS AJUDA A FORMAR INCONSCIENTE INFANTIL

Maria Eugênia, 8, cresceu convivendo todas as noites com seus amigos Come-come e Ninoca. Suas brincadeiras favoritas aconteciam no seu castelo mágico. Mas nenhum dos dois personagens existe, nem o castelo: tudo foi inventado pelo pai da garota.

"Na hora de colocá-la para dormir, comecei a contar histórias baseadas nos filmes da Disney. Percebi que ela ficava mais interessada quando eu a colocava dentro da narrativa", conta o consultor de marketing Carlos Eduardo de Moraes Lacerda, 50, o "inventor", do "castelo mágico da Maria Eugênia" e da "casinha da ratinha Ninoca".

Quando Pedro, hoje com dois anos, estava para nascer, Maria Eugênia começou a ouvir histórias cujo enredo já trazia o futuro irmão. "Foi o melhor jeito que arrumamos para prepará-la", diz Lacerda, que compartilha a tarefa com a ex-mulher, a publicitária Juliana Geve, 35. "Essa é a nossa divisão: ela lê livros, eu invento."

Contar histórias, sejam de autores clássicos ou fruto da criatividade pessoal, é uma tradição fundamental para o crescimento. "É o primeiro contato das crianças com o percurso de desenvolvimento humano. Elas vêem heróis e heroínas encarando obstáculos, vão aprendendo que é preciso enfrentar um problema e buscar solução", diz Regina Machado, 53, coordenadora do grupo de contadores de histórias do Núcleo de Arte e Educação da ECA-USP (Escola de Comunicações e Artes).

Ela ressalta a importância das histórias na formação do inconsciente infantil. "Personagens como a mãe boa e a bruxa malvada ajudam a elaborar certas relações nessa faixa etária, como a ligação da criança com sua família, além de transmitir conceitos sobre o bem e o mal, o certo e o errado."

O hábito ainda promove a interação entre pais e filhos. "Os dois lados compartilham um espaço diferente do dia-a-dia e trocam valores humanos básicos", diz Machado, que ministra cursos de contadores de histórias e lançará na Bienal o livro "Fundamentos Teórico-Poéticos da Arte de Contar Histórias" (editora DCL).

A ficção infantil, sobretudo o conto de fadas, é também a porta de entrada da criança no universo cultural. A literatura infantil é um caminho que pode levar a outras artes, como o cinema", diz Roxane Rojo, professora de lingüística aplicada da PUC-SP.

Ela sugere que o primeiro livro da vida seja dado como um presente de nascimento ao bebê. "Ele será usado um pouco mais tarde, mas é bom já ir deixando o quarto do filho cheio de livros", afirma.

Rojo faz um alerta: a escola tem papel fundamental na criação dos jovens leitores. "Os próprios pais têm de valorizar o livro, o que muitas vezes não acontece. Por isso é obrigação da escola inserir a leitura no programa desde a educação infantil."

Contadores

O interesse pela atividade fez pipocar cursos que pretendem ensinar como ser um bom "narrador", e grandes livrarias passaram a incluir em sua programação de final de semana oficinas com contadores de histórias. "Antes eu capacitava muitos professores, hoje o grosso do público são pais e mães", diz o arte-educador Giuliano Tierno, 26, que ministra cursos em todo o Estado.

Com o tempo, segundo Giuliano, o processo natural é que os papéis se invertam, e a criança comece a contar as histórias ouvidas. "Geralmente ela pede para o adulto contar várias vezes a mesma história, até decorá-la."

Carlos Lacerda conta que ficou emocionado há algumas semanas, quando levou a filha Maria Eugênia ao cinema. Juntos, eles assistiram "Peixe Grande e suas Histórias Maravilhosas", filme de Tim Burton que mostra a relação entre um pai contador de casos fabulosos e seu filho.

"Acho que a criança que ouve histórias na cama nunca mais esquece a relação que estabelece com seu ‘contador" ", diz. Quer jeito mais gostoso de se tornar inesquecível.

Autor: Débora Yuri
Fonte: Folha de São Paulo, 14 de março de 2004

   70 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.