TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

PENSAMENTOS BALDIOS SOBRE LEITURA E RELEITURA

Outro dia, li no InfoHome o texto temporário "Saber ler é não estar só" de Isabel Portela. E também li o "Da sensualidade da leitura" do nosso Oswaldo.

Fiquei com os dois escritos a fermentar em minha mente. De fato, ler é não estar só, e no ato da leitura há um prazer que beira a sensualidade, se levarmos em conta o que o grande Freud desvelou sobre o viés sensual de tudo que fazemos. Qualquer ato, seja ele de corpo ou mente, reveste-se, sim, de uma sensualidade, porque ligada à punção de vida, à libido. Quanto à leitura, quem lê nunca morre em vida. Leitura, seja do ponto de vista intelectual ou emocional, liga-se a Eros e não a Tanatos.

Ler é um ato solitário, pois o leitor se embrenha no texto, sozinho, e lá permanece, longe de tudo e de todos que o cercam. Pode até usar a leitura para fugir deste mundo, afastar-se do que há de banal ou sofrido em seu cotidiano. No entanto, na verdade, não ficamos sós enquanto lemos. E isto porque o livro da vez - ou os livros da vez, pois há leitores que leem vários livros ao mesmo tempo - é aquele companheiro com quem se pode estabelecer uma intimidade única. E, dependendo de quando seja ele novamente o livro da vez, poderá trazer surpresas e novidades, de acordo com o tanto de tempo em que ficou à nossa espera na estante, aguardando a releitura. 

Ler e reler são atos que se revestem de algum mistério. Existe algo de mágico na leitura nova e fresca, de um livro descoberto em livraria ou biblioteca, ou ganho de alguém. Tudo ali é novidade! Podemos saborear ou não a narrativa, podemos descobrir ali justamente o que procurávamos, ou nos encher de tédio.

A meu ver, no entanto, há um mistério maior na releitura, quando garimpamos alguma estante e redescobrimos algo que nos traz a mensagem de que precisávamos, sem o saber. Há ainda o mistério de se conservar um livro que não nos agradou de forma alguma, e que, de repente, "ao acaso", depois de anos, voltamos a ler, com um espanto de revelações, um maravilhamento inaudito. 

O contrário também ocorre. Há livros que se tornam obsoletos, enfadonhos, quando antes, muito antes, nos deliciaram. Mudamos nós, ou muda o livro? Uma pergunta meramente retórica, pois claro que somos nós que mudamos. Isto me leva à ideia de uma ilusão de liberdade que o ato de ler encerra. Podemos nos irritar profundamente ou amar definitivamente algo que lemos, para depois, mais tarde, percebermos que tanto a irritação profunda quanto o amor definitivo nada tinham de profundo ou definitivo, e vice-versa.

Para o ser humano, a meu ver, o ato de ler encerra ainda outro desafio, além de nos atiçar a inteligência e a sensibilidade. Ele testa nossa eterna necessidade de controle. Ler é estar à mercê do desconhecido, do inusitado, do estranho, do desconfortável, do imponderável, ou do contrário de tudo isso. Mas... como saber? Não há como, pois ler é estar sobretudo à mercê do incontrolável. Só no abrir/fechar um livro pode talvez haver controle. O resto é dúvida, é surpresa, é espanto... ou nada disso.

Autor: Marília Ludgero

   183 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.