TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

OS PAPAS DA ADAPTAÇÃO

  • Autor não informado
  • Novembro/2019

Escritores falam da experiência de fazer textos para adolescentes

Por que raios existe literatura infanto-juvenil? Por acaso "Alice no País das Maravilhas" é somente para crianças e adolescentes? E o que dizer de Monteiro Lobato (1882-1948), que até hoje conquista milhares de adultos? Isso sem contar que jovens lêem Franz Kafka (1883-1924) e José Saramago e fazem críticas pertinentes como as de um adulto.

Essa categoria é motivo de polêmica entre escritores. Há quem pense que o livro para adolescentes deva estar em uma linguagem acessível. "O grande desafio não é o conteúdo, mas a linguagem. Eu me preocupo em utilizar a linguagem mais próxima do adolescente de hoje", afirma Carlos Heitor Cony, 75, colunista e membro do conselho editorial da Folha e da Academia Brasileira de Letras.

Autor especializado em crianças e adolescentes, Pedro Bandeira, 61, discorda: "Não adianta usar a linguagem do momento. Nada mais velho do que a gíria de seis meses atrás. Devemos usar uma norma culta, porém mais acessível".

A questão da faixa etária é vista por alguns autores como meramente mercadológica. É o que pensa José Arrabal, 56, autor de mais de 30 livros infanto-juvenis. José Louzeiro, 71, com mais de dez livros publicados para adolescentes, compartilha da mesma opinião: "Não divido literatura para jovem da literatura para adulto. Isso é para efeito didático".

Em relação ao tema, Bandeira resume bem a idéia de vários escritores. Os temas são universais, diz, não mudam, fazem parte da alma do homem. Todos têm medo, inveja, paixão, esperança e ciúme, independentemente da idade.

Arrabal cita Erico Verissimo (1905-1975), que escreveu dezenas de livros para todos e nunca fez concessões na linguagem, no tema e nas páginas.

E, por falar em mercado, se, nos anos 80, pipocaram adaptações de autores estrangeiros no país, a nova onda parece ser a adaptação de clássicos da literatura em português, de Machado de Assis a Eça de Queiroz (1845-1900). O mais paradoxal é que há editoras que oferecem a obra original de um autor e a adaptação da mesma.

Cony afirma que, no estágio em que os jovens estão, uma linguagem como a de Raul Pompéia, em "O Ateneu" – livro que ele adaptou –, não tem apelo. "A adaptação é uma roteirização. Ela pega o gancho principal e elimina ângulos mortos, citações datadas e metáforas piegas."

Indagado se não se sentiu incomodado ao retirar algumas metáforas, Cony foi categórico: "Pelo contrário. Prestei um serviço a Raul Pompéia, assim como Charles Lamb fez para Shakespeare".

Alfredo Bosi, 67, importante crítico literário brasileiro, diz que "há soluções felizes para alunos que estão no início da adolescência. Trata-se de obras que foram adaptadas por bons autores, como as tragédias e comédias de Shakespeare na versão de Charles Lamb". Mas aproveita para "rejeitar toda e qualquer redução de obras brasileiras e portuguesas". Arrabal critica o adaptador que facilita a leitura. "Adaptar é usar linguagem poética, com narrativa carregada de metáforas e com narrador original."

José Louzeiro, que, entre outros autores, adaptou Machado de Assis e Lima Barreto (1881-1922), opina que nem sempre a adaptação destrói o estilo do escritor. "Procuro manter a essência do livro e ter estilo muito parecido com o do autor." Mesmo assim, Louzeiro é favorável a uma adequação de vocabulário. "Se você vai dizer ao leitor de hoje que um personagem é esquálido, ele vai pensar que é esquartejado. Há palavras que morrem."

Contudo, de cada dez alunos entrevistados pela reportagem, pelo menos sete apontam o aumento no vocabulário como um dos fatores positivos da leitura.

O professor de literatura da USP João Adolfo Hansen arrisca um diagnóstico. "Se o autor é difícil, o problema não é dele, é da cultura escolar. Imagine adaptar Graciliano Ramos. Perde-se justamente o fundamental, que é o estilo, que é aquela sintaxe muito particular."

Fonte: Folha de São Paulo. Folhateen. p.7, 17 de novembro de 2003

   115 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.