TEXTOS TEMPORÁRIOS


  • Textos Temporários

BIBLIOTECONOMIA: UM AMPLO MERCADO NA ORGANIZAÇÃO DO SABER

Carreira das menos disputadas em vestibulares de universidades públicas, Biblioteconomia é uma boa opção para quem deseja ingressar no ensino superior. E a concorrência menos acirrada é apenas uma das razões. A satisfação de trabalhar com a organização do conhecimento e o vasto campo de trabalho, que inclui universidades, bibliotecas públicas e privadas, empresas, organizações não-governamentais, entre outras também são atrativos para optar pela carreira.

A perspectiva de administrar e organizar informações de diversas áreas, a possibilidade de interagir com outras áreas do saber e a satisfação em atuar em uma função vital para quem está em busca de conhecimentos são algumas das razões que levam milhares de jovens a escolherem a carreira de Biblioteconomia como opção para a vida profissional. Outro atrativo para quem pensa em trabalhar nesta área é a disputa pelas vagas, pois o curso não costuma estar entre os mais procurados. No vestibular da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), foram menos de quatro inscritos para cada vaga, número próximo do registrado na seleção para a Universidade Federal Fluminense (UFF), onde a relação candidato/vaga foi 3,96 [2009].

A concorrência menor para entrar na universidade não significa que a carreira não seja atraente, mas que os candidatos, em geral, não conhecem o campo de trabalho. O bibliotecário, profissional formado no curso, é responsável por tornar a informação acessível. Para isso, é preciso localizá-la, selecioná-la, catalogá-la e disponibilizá-la. O profissional principalmente na organização de acervos de bibliotecas, o que, por si só, já abre um vasto campo de trabalho para quem se forma nesta área. Bibliotecas, instituições de ensino, empresas privadas, públicas, grandes escritórios de advocacia e até multinacionais oferecem vagas.

A Diretora da Divisão de Bibliotecas e Documentos (DBD) da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Dolores Rodriguez Perez, está no comando das bibliotecas da instituição há cerca de 6 anos. Ela que é bibliotecária há 37 anos conta que também assumiu a direção da Biblioteca da UFRJ por 6 anos na década de 1990. A diretora explica que a profissão manteve suas funções ao longo do tempo, mas a forma de executá-las e alcançar os objetivos mudou muito após a revolução tecnológica. "Se eu não acompanhasse as transformações, estaria até hoje organizando livros nas estantes. A nossa matéria-prima é a informação e as trocas de informações e atualizações nunca foram tão rápidas quanto agora com a difusão da internet. Por isso, estamos sempre nos adaptando", analisa.

Dolores Rodriguez destaca que o bibliotecário deve ser um profissional pró-ativo, dinâmico e criativo. Para ela, é importante perceber quais os serviços que satisfazem o público-alvo. "Temos que inovar nos serviços sempre e de forma a agregar valores. O bibliotecário deve estar à frente do cliente. Por isso, a formação continuada é extremamente importante", aconselha lembrando que o trabalho em equipe é fundamental no dia a dia do bibliotecário.

Para especialista, mercado para a carreira é promissor

A Coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFF), professora Sandra Badini, acredita que a área está em expansão e que o mercado é favorável. "A organização da informação, a gestão do conhecimento e sua disseminação são fundamentais. A democratização da informação passa pela biblioteconomia", argumenta. A professora explica que desde 2007 o currículo do curso foi reformulado para se adaptar ao mercado de trabalho. O curso agrega conhecimentos de Arquivologia e abrange uma formação profissional técnica e humanística, incentivando atividades práticas, como apresentação de trabalhos em eventos. "Além disso, os alunos conseguem estágios com facilidade", destaca.

A professora da Escola de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UniRio) e bibliotecária da Fundação Biblioteca Nacional, Ana Virgínia Pinheiro, destaca que o profissional é um fomentador de conhecimento. "Devemos apoiar a formação continuada de pessoas, defendendo os princípios da liberdade intelectual sem qualquer forma de censura. Também temos que garantir o direito à privacidade e ao segredo de pesquisa, assegurando o privilégio da descoberta e o mérito da publicidade" explica.

Para a professora, este profissional tem um importante papel diante dos interesses e problemas sociais. "Precisamos contribuir para a sedimentação de uma sociedade mais justa, como curadores da memória e organizadores da herança cultural do homem", acredita.

Estudantes confirmam expectativas durante o curso

A estudante do 3º período de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Júlia Danon, conta que não sabia que carreira seguir e, portanto, pesquisou bastante. "Mesmo assim, prestei vestibulares para cursos diferentes. Acabei optando por Biblioteconomia. Estou gostando mais do curso porque na UFRJ há um foco também na gestão", explica.

Júlia está estagiando há 6 meses na biblioteca da PUC-Rio e acredita que a experiência com o estágio ajuda muito na formação. "Já aprendi muito com a rotina deste meu primeiro estágio e isso é muito bom porque ainda estou no começo do curso", comenta. Já o universitário Marcelo Cristóvão da Cunha está preste a se formar na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). Ele está animado com as perspectivas que a carreira apresenta. "Eu morava na Rocinha e não tinha muita perspectiva. Mas passei para o colégio Pedro II que tinha um convênio com o Museu Nacional de Belas Artes. Com isso, no meu 2º ano já estagiava no museu na área de informática, mas tive contato com a Biblioteconomia e me dediquei para conseguir entrar na área", explica.

O estudante ressalta que o que mais o interessou no curso é a ligação com as áreas tecnológicas e o abrangente campo de pesquisas. "A minha monografia é sobre a segurança da informação em bibliotecas digitais, pois o desenvolvimento deste campo de trabalho devido às inovações tecnológicas sempre me interessou", afirma. O estudante Rodolfo Targino de Araújo cursa o 5º período na UniRio e confessa que iniciou o curso não porque conhecia bem a profissão, mas, sim, por ser apaixonado pela leitura. "Mas com o passar do tempo, com os estágios e com as trocas de experiências, minhas expectativas foram sendo superadas", pondera.

O universitário Rogério Ades de 41 anos também está no 5º período na mesma instituição e optou pela carreira, pois acredita que a mesma oferece um bom ambiente de trabalho, além de estar ligada a área humana. "Eu tenho me surpreendido com o curso, pois tem ampliado meus horizontes educacionais, além de proporcionar vários desafios e a existência de vários estágios na área facilita a transição para o mercado", destaca.

Veja onde estudar RJ:

PÚBLICAS

Universidade do Rio de Janeiro – UniRio

Informações: (21)2542-4306/ 4307/4308 ou www.unirio.br

Universidade Federal Fluminense – UFF

Informações: (21)2629-2805/ 2806 ou www.uff.br.

Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

Informações: (21)2598-9430 ou www.ufrj.br.

* As três instituições abrem inscrições no segundo semestre.

(Texto publicado em março de 2009)

Autor: Thais Loureiro

   135 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.