ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO


MÉTODOS DE PROSPECÇÃO E MONITORAMENTO INDUSTRIAL - I

A inteligência competitiva organizacional (ICO), entendida como um processo, é composta por várias etapas. A prospecção e o monitoramento são etapas fundamentais da ICO para alcançar a competitividade empresarial.

Vários métodos, técnicas, instrumentos e tecnologias de informação podem ser utilizados para a realização da prospecção e do monitoramento industrial. Os métodos mais utilizados são: a) brain storm; b) painel de especialistas; c) cenários; d) delphi. Este texto propõe-se a explorar os painéis de especialistas.

Primeiramente, é importante resgatar alguns conceitos visando delinear o objeto do qual estamos dissertando. A prospecção industrial

deve ser entendida como um processo participativo e reflexivo de construção de visão a médio/longo prazo, que de forma sistemática, olha o futuro, a ciência, a tecnologia e a sociedade, visando apoiar a tomada de decisão no presente e mobilizar forças para realizá-las no futuro(1).

Os fatores que influenciam as atividades de prospecção e monitoramento são as oportunidades e ameaças relacionadas ao negócio, bem como a necessidade de planejar as ações a curto, médio e longo prazo (Figura 1):

 

O painel de especialistas é um método que pode ser aplicado para a prospecção e o monitoramento industrial. Os objetivos deste tipo de método são:

a) Construir conhecimento sobre questões relacionadas ao negócio da corporação;
b) Comparar pontos de vista e opiniões entre diferentes especialistas;
c) Refletir sobre o futuro: riscos, tendências, oportunidades etc., de forma coletiva;
d) Conhecer a realidade em nível regional, estadual, nacional, setorizado etc.;
e) Identificar e propor estratégias de ação.

Para a realização de um painel de especialistas é importante seguir as seguintes considerações:

1. É necessário definir uma determinada área temática;
2. Trabalhar com no mínimo 10 (dez) e no máximo 15 (quinze) pessoas;
3. Os especialistas escolhidos para participar do painel devem ter alta qualificação e reconhecido prestígio no âmbito profissional em que atuam;
4. É importante estabelecer, para a seleção dos especialistas, equilíbrio quanto à origem profissional de cada especialista, como por exemplo: empresarial, acadêmica, tecnológica, social etc.;
5. É importante estabelecer também, para a seleção dos especialistas, equilíbrio quanto à idade, sexo, e origem geográfica;
6. Observar muito atentamente as personalidades dominantes dos especialistas que farão parte do painel;
7. Observar muito atentamente aos possíveis interesses cruzados dos especialistas participantes.

Os especialistas que farão parte do painel devem ter um perfil, ou seja, algumas competências e habilidades são essenciais para o sucesso do painel. Pode-se citar como competências e habilidades essenciais: a) ser criativo; b) ter capacidade de trabalhar em equipe; c) ter autonomia para expressar suas opiniões; d) ter uma atitude ao mesmo tempo realista e ousada.

A pessoa que vai gerenciar o painel também deve ter competências e habilidades para fazê-lo, dentre elas deve ter capacidade de: a) liderança; b) motivar o grupo; c) resolver conflitos; d) neutralizar personalidades fortes; e) fortalecer personalidades fracas; f) observar tempos, cronogramas e limitações de qualquer natureza.

O foco de trabalho do painel de especialistas primeiramente é identificar pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças relacionados ao negócio da organização. Num segundo momento, construir conhecimento sobre tendências futuras, bem como identificar hipóteses de futuro para o negócio. Além disso, identificar tendências de evolução e tecnologias críticas que podem afetar o negócio a médio e longo prazo. Após a análise dos resultados, é necessário elaborar indicadores e propor ações, medidas concretas e recomendações voltadas ao negócio.

Este método é viável e muito utilizado por corporações que ainda não têm a prática de prospectar e monitorar buscando mais competitividade empresarial.
________________________________________

1 - MORATO MURILLO, A.; FERNÀNDEZ GÜELL, J. M. Metodologias de prospectiva tecnológica industrial. Curitiba: UNINDUS : OPTI, 2004.


   284 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
MÉTODOS DE PROSPECÇÃO E MONITORAMENTO INDUSTRIAL - II
Fevereiro/2005

Ítem Anterior

author image
INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ORGANIZACIONAL: FERRAMENTA OU PROCESSO
Dezembro/2004



author image
MARTA LIGIA POMIM VALENTIM

Professora Titular da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Pós-Doutorado pela Universidad de Salamanca (USAL), Espanha. Livre Docente em Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional pela Unesp. Docente de graduação e pós-graduação da Unesp, campus de Marília. Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq. Líder do Grupo de Pesquisa "Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional". Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da Unesp, campus de Marília, gestão 2017-2021. Presidente da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), gestão 2016-2019.