CRÔNICAS E FICÇÃO


AGORA, A LUTA

Temos que ser protagonistas,
pois são nossos os caminhos
do futuro.
Também são nossos os caminhos
do agora.
Não vamos nos acovardar.
Não vamos deixar
que digam o que queremos,
q
ue determinem nossas necessidades,
que imponham suas ideias,
que escrevam nosso destino.
Querem nos legar uma história
que não é nossa.
A passividade imposta
nos impede de lutar.
A subserviência
parece constituir nossa conduta.
Somos alvo do desejo de outros.
Parece que somos poucos,
nos dizem que nada podemos.
A dor, a fome, a sede, são reais.
Trazemos no corpo
histórias de sofrimento,
Trazemos na alma
culpas imputadas.
Indiferença para com nossos,
poucos e pequenos,
p
edidos,
menosprezo é a resposta
para nossas reivindicações.
Já nos ajoelhamos demais.
Somos bandidos, marginais,
pobres, mendigos, sujos,
vagabundos, contestadores,
subversivos, inconformados,
terroristas, guerrilheiros.
Somos a malta, a plebe,
o povaréu, a ralé, a escória,
a massa, os ignorantes,
os rudes, os analfabetos.
Se não o modificarmos,
nossa sina será o sistema,
n
osso assassino será o sistema.
Mesmo entorpecido,
nosso corpo ainda vive.
Mesmo entorpecida,
nossa mente ainda vê,
nossa alma ainda entende.
Mesmo um fiapo,
mesmo em uma fresta,
há esperança.
Resta-nos a guinada,
a transformação,
resta-nos a luta.

Autor: Oswaldo Francisco de Almeida Júnior

   128 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.