CRÔNICAS E FICÇÃO


A CURVA DE UM MUNDO SEM CURVAS

Caminhei, quando pequeno, até o final da rua.

Meu pequeno mundo era restrito, tinha limites.

O mapa mundi, naquela época, era plano.

Sendo condescendente, um planalto.

Mas, com poucas curvas, menos ainda redondo.

A esquina era o fim.

Além dela nada havia. Apenas o precipício, o buraco,

o promontório, a queda, o vazio.

A curva era o limite de um mundo sem curvas.

O horizonte de minha vida chegava até o último

sobrado.

E foi assombrado que cheguei ao fim da rua.

Corajoso, embora minha coragem me levou ao medo.

O mundo existia depois dos meus olhos,

ultrapassava os domínios das luzes dos postes,

dos fios – que nunca soube de onde vinham.

Meu pai sumia na curva, mas sempre voltava.

Quem não voltou foi minha mãe:

a curva também não tinha volta.

E foi curvado que cheguei ao fim da rua.

O que vi pareceu o que já sabia.

A redundância.

A rua parecia reproduzida, imitada, reconstruída.

A cada rua, uma nova rua, a mesma.

E foi a esmo que cheguei no fim da rua.

Eu mesmo.

A coragem foi pouca. Olhei e voltei.

Ensimesmado, retornei. Para minha mãe.

A geografia era outra. O mapa com mais uma página.

E foi marcado que cheguei ao fim da rua.

Marcado pelo desconhecido, pela ânsia de conhecer.

Conhecer marcou minha vida, determinou minha sina.

A rua se perpetuou: depois da primeira esquina havia

outra.

Após ela, outra e outra e outra e outra.

Não sei quantas ainda até o fim da rua

ou da vida.

Autor: Oswaldo Francisco de Almeida Júnior

   322 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.