TEXTOS DE FICÇÃO


  • Textos de Ficção

CORDEL PARABÉNS BIBLIOTECÁRIO

Peço a Deus inspiração
Pra ditar neste papel
De alguém que faz dos livros
O mais belo painel
Seu trabalho é diário
Falo do bibliotecário
Com as rimas de cordel.

 

A leitura é um universo
Que fascina multidões
Que dá asas para a vida
Nos liberta dos grilhões
Letras são seus santuários
Esses são bibliotecários
São dos livros, guardiões.

 

Através dessas leituras
Vão saber dos meus segredos
Os meus sonhos e vontades
Meus caminhos, meus enredos
Minhas dores e alegrias
Meus sorrisos, fantasias
As vontades e os medos.

 

Com os livros são zelosos
E com eles têm ternura
Facilitam o acesso
Para o mundo da cultura
Uns dos livros têm ciúmes
Amam sempre os perfumes
Que exalam da leitura.

 

Incentivam o leitor
Para o bom desconhecido
A um mundo de palavras
E de sonho colorido
Seja homem ou mulher
Sempre sabe o que quer
Seu leitor muito querido.

 

Preservando os seus livros
Todos eles maravilham
Ao caminho dos leitores
Os seus passos sempre trilham
A leitura é seu sabor
Quando ganham um leitor
Os seus olhos sempre brilham.

 

Também sempre organizam
Todos os bancos de dados
E se responsabilizam
Por tê-los classificados
Todos dados armazenam
E nenhum querer condenam
Todos são orientados.

 

Mas às vezes seu trabalho
Tem anônimo valor
Isso ao bibliotecário
Nunca, nunca causa dor
Vive pra ganhar leitores
Ajudar pesquisadores
Como multiplicador.

 

Seus caminhos são precisos
As ações tão necessárias
Das bibliotecas públicas
Infantis, comunitárias
Sejam aquelas populares
Ou então as escolares
Mesmo as universitárias.

 

Tem os das bibliotecas
Que são especializadas
Para uma área restrita
Suas áreas são voltadas
Novo mundo pode ver
Orientando o saber
Com pesquisas detalhadas.

 

Eles que nos facilitam
Pra ter a informação
Mais do que arrumar estantes
É a total transformação
De uma arte pra ciência
Todo dia uma experiência
Entra em seu coração.

 

Comum é os bibliotecários
Promoverem oficinas
Sessões e exposições
De leituras superfinas
Encantando com histórias
Retiradas das memórias
Os meninos e meninas.

 

E na era da Internet
Em que tudo é progresso
Nesse mundo tão high-tech
Será que eles têm ingresso?
Não importa muito o meio
Nos ofertam o bom passeio
Para todos o acesso.

 

Mas não são somente flores
No dia dos bibliotecários
O trabalho muito estressa
E também baixo salários
Fazer os investimentos
Para os reconhecimentos
Serão sempre necessários.

 

Vou parar o meu cordel
Com amor e alegria
Mas o verso bem rimado
Sempre, sempre prestigia
Quem adora os glossários
Salve os bibliotecários
Adeus, até outro dia.

 

Acessar: www.teatrodecordel.com.br/cordel_bibliotecario.htm

Autor: Cesar Obeid
Fonte: Portal de Referência

   69 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.