ONLINE/OFFLINE


FORMATO MARC 21: ATUALIZAÇÃO PARA OS RECURSOS ONLINE

FORMATO MARC 21: ATUALIZAÇÃO PARA OS RECURSOS ONLINE

 

Se o formato MARC morreu, ainda segue vivíssimo. Até porque, novas propostas de formatos bibliográficos, como o BIBFRAME, encontram-se em desenvolvimento e testes de viabilidade para a ambiência digital.

 

Aliás, o ritmo acelerado das mudanças dos padrões bibliográficos, para acomodar a publicação digital tem aumentado em termos de pressões.

 

Talvez, o maior indutor destas pressões, seja a globalização das publicações (livros, revistas, dissertações e teses, e outros tantos tipos de conteúdos digitais).

 

Entretanto, decorrente da força econômica dos Estados Unidos e à sua predominância na produção de pesquisas, as grandes editoras multinacionais - mesmo as de origem europeia – sofrem uma forte influência norte-americana. Aspecto que se reflete na predominância do inglês como idioma para a comunicação científica e na preponderância de livros e periódicos publicados no ou para o mercado norte-americano.

 

Portanto, as instituições em geral e as acadêmicas em especial, em todo o mundo, compram significativamente publicações em inglês, para as quais os registros MARC21 estão prontamente disponíveis. Aspecto que facilita o fluxo de informações para as bibliotecas. Assim, ao se favorecer a adoção e harmonização dos sistemas bibliográficos com o formato MARC, as bibliotecas, por extensão, possibilitam maior comodidade de seus usuários na busca e acesso aos registros documentais codificados.

 

A cada novo ano, o Formato MARC 21 segue com suas atualizações, visando estender a sua vida em um mercado editorial e documental que ainda depende de sua estrutura para intercâmbio de registros, comercialização de recursos online, servir à construção de bases catalográficas agora sob enfoque de padrões como: RDA e ISBD consolidada.

 

Sobre as atualizações, destaque para as 2019, já parte do processo descritivo aplicado pelos catalogadores.

 

O Comitê Consultivo do MARC (MARC Advisory Committee – MAC) é o órgão que aconselha o Grupo Diretor sobre as alterações nos formatos do MARC 21: bibliográficos, autoridade, coleção, classificação e informações comunitárias; mantidos para uso da comunidade de bibliotecas que utilizam o MARC. O Comitê opera em uma ampla discussão e apresentação de questões e sugestões. O Grupo Diretor é composto pela Library of Congress, Library and Archives Canada, British Library e Deutsche Nationalbibliothek. Uma característica comum, destas entidades, é o uso intenso do MARC e, portanto, com sérias preocupações sobre o desenvolvimento do formato. As propostas de mudanças são:

 

  • 2019-FT01: Adicionando um Código para a Fita de Áudio no campo 007/01 do formato bibliográfico MARC 21;
  • 2019-06: Definindo um Campo para uma Entrada Adicionada por Assunto do Tipo de Entidade não especificada no formato bibliográfico MARC 21;
  • 2019-05: Codificação do subcampo no campo 041 para Legendas e Transcrições no formato bibliográfico MARC 21;
  • 2019-04: Codificação de Publicações on-line externamente hospedadas no formato MARC 21 Coleção;
  • 2019-03: Definindo subcampos $0 e $1 para URIs capturadas no campo 024 do formato de autoridade MARC 21;
  • 2019-02: Definindo a fonte para Nomes e Títulos no formato bibliográfico MARC 21;
  • 2019-01: Indicando informações de Acesso Aberto e Licença para Recursos Online Remotos nos formatos MARC 21.

 

Das propostas, na lista acima, recai sobre 2019-01 o destaque que se segue para o tratamento dos recursos online no formato.

 

PROPOSTA MARC No. 2019-01

 

Trata da indicação das informações sobre acesso aberto e licença para recursos online remotos, no MARC 21, encaminhadas pela OCLC e a Biblioteca Nacional da Alemanha. Propostas e sugestões de aprimorar as formas de indicar o  acesso aberto e restrito, bem como as informações de licença para recursos on-line remotos por meio de alterações realizadas nos campos: 506 (Nota de Acesso Restrito), 540 (Nota de Termos Governando Uso e Reprodução) e 856 (Localização e Acesso Eletrônicos). A proposta se relaciona com outras submissões anteriores como:

 

  • 2002-10 – Definição de subcampos de URI nos campos: 506 e 540, do formato bibliográfico MARC 21;
  • 2006-03 – Terminologia padronizada para restrições de acesso no campo 506 do Formato Bibliográfico MARC21;
  • 2018-04 – Versões de recursos no formato bibliográfico MARC 21;
  • 2018-DP06 – Versões de recursos no formato bibliográfico MARC 21;
  • 2018-DP10 – Indicação de acesso a recursos online no campo 856 nos formatos MARC 21;
  • 2018-DP11 – Informações de Acesso aberto e de licenciamentos nos formatos bibliográfico e de Coleção do MARC 21.

 

Das discussões transcorridas no Comitê Consultivo do MARC, em 26/01/19, resultou a aprovação, com as seguintes alterações:

 

  • Campo 506, indicador 1: altera a definição do valor "0" para incluir referência ao acesso aberto e o valor "1" para incluir referência ao acesso restrito; deixou-se os nomes dos valores do indicador como eles eram.

 

  • Campos 506 e 540, subcampo $g: removido a referência "para o fim de um embargo" da definição e limitado o seu escopo à data em que um recurso altera seu status de acesso ou seus direitos de uso e reprodução.

 

  • Campo 856, o subcampo $7: tornado não repetível e alterada a definição proposta para especificar que se aplica a todos os subcampos $u presentes no campo; especificado que o subcampo $7 se aplica a todos os subcampos $e presentes no campo; recomendado reverter os valores para a posição /0 para alinhar com os 506 valores do indicador 1; remover a indicação referente ao BOAI da definição da posição /0 valor 0 (anteriormente valor 1).

 

  • Campo 856, subcampo $e: remova a expressão "ou uma mistura delas" da definição; a definição apontará especificamente para o subcampo $7, posição /1 e vice-versa.

 

Na ata das decisões aplicadas ao formato MARC bibliográfico e de Coleção, nem todas foram implementadas de imediato, algumas deliberações sofreram revisão ou reconsideração. Por exemplo, as deliberações para o campo 856 foi retida para discussão sobre a possível descontinuidade de vários de seus subcampos, criados no início do campo, porém antes do desenvolvimento de URIs e do uso desses subcampos para gerar um local simples e adequado para indicar a informação do acesso aberto em formação.

 

Como o campo 856 não pôde acomodar todas as informações necessárias sobre acesso e uso, o Network Development and MARC Standards Office (NDMSO) marcou novo encontro com os proponentes a OCLC e a Biblioteca Nacional da Alemanha. Discutiu-se as informações que poderiam ser codificadas no campo 856 com suas restrições atuais e as informações completas que seriam idealmente registradas para que as informações se aproximassem mais daquelas indicadas nos campos: 506 (acesso) e 540 (uso).

 

Outra alteração à proposta, decorreu do acréscimo do campo 540 (Nota de Termos Governando Uso e Reprodução) ao formato MARC 21 Coleção, e que introduziu uma redundância não intencional. O formato já incluía o campo 845 (Notas para Termos Reguladores de Uso e Reprodução), e que foi definido como idêntico ao campo 540, do formato bibliográfico. Para evitar essa redundância se rescindiu o acréscimo do campo 540. Em seu lugar, deliberou-se pela inclusão dos quatro subcampos, aprovados para o campo 540, como parte do campo 845 do formato de Coleção, assim os dois campos ficam idênticos.

 

Portanto, o campo 845 do formato MARC 21 Coleção, define os quatro novos subcampos, como:

 

 

  • $g – Data de disponibilidade (R): Data em que o recurso altera seus direitos de uso e reprodução. A estrutura preferida para a data é de acordo com Data e hora (ISO 8601): aaaammdd .

 

  • $q – Agência provedora (NR): Um código da organização MARC, ISIL ou nome textual da organização ou projeto responsável pelos dados no campo.

 

  • $2 – Código MARC da fonte do termo (NR): identifica a fonte do termo usado para registrar os direitos de uso e de reprodução, no subcampo $f. Se os termos forem de diferentes fontes diferentes, deve-se utilizar campos separados. Código das fontes dos termos para restrição de acesso.

 

 

Contexto histórico

 

Para os conteúdos/recursos/publicações on-line, é importante saber se está disponível para "livre leitura", conforme definido, por exemplo, no NISO RP-22-2015 "Indicadores de acesso e licença": uma obra que é acessível para leitura on-line sem requisitos de cobrança ou de autenticação (incluindo registro), para qualquer pessoa com acesso à Internet. A indicação de “acesso aberto” fornece informações semelhantes, embora, como o documento NISO destaca, há muitas definições distintas para essa frase. No âmbito da proposta, o conceito “acesso aberto” em relação aos recursos on-line refere-se ao apresentado na Iniciativa de Acesso Aberto de Budapeste, 14 de fevereiro de 2002:

 

A livre disponibilidade na Internet pública, permitindo que qualquer usuário leia, baixe, copie, distribua, imprima, pesquise ou vincule os textos completos desses artigos, rastreie-os para indexação, transmita-os como dados para software ou os utilize para qualquer outro objetivo legal, sem barreiras financeiras, de direitos ou técnicas que não sejam as inseparáveis para obter seu acesso na própria Internet. A única restrição à reprodução e distribuição, e a única função dos direitos autorais nesse domínio, deve ser o de dar aos autores o controle sobre a integridade da sua obra e o direito de serem reconhecidos e citados adequadamente.

 

Representando bibliotecas, nos países de língua alemã, o Comitê de Formatos de Dados (Fachgruppe Datenformate/Committee on Data Formats) estabeleceu o subgrupo: Grupo de Trabalho sobre Licenças (Themengruppe Lizenzangaben/Working Group on Licenses), em 2016. A finalidade era melhorar as formas de expressar as informações de acesso aberto e de licenças no MARC 21. Definiu-se objetivos, necessidades e analisou-se os elementos existentes no Formato para fixar recomendações de melhores práticas. Estabeleceu-se, ainda, contato com outros grupos de trabalho sobre padrões de metadados.

 

Entretanto, nesta proposta, apenas informações sobre condições e restrições globais de acesso estão no objetivo; isto é, a indicação de que um recurso é livre para ler ou está disponível sob as condições de acesso aberto, como utilização e reutilização sob condições específicas: Creative Commons ou Declarações de Direitos. As informações de licença sobre um editor ou provedor que fornece ao usuário ou grupo de usuários acesso a um único recurso ou a um pacote de recursos sob certas condições, que são controladas por diferentes meios técnicos, não são abordadas na proposta.

 

Os Documentos, já citados, 2018-DP06 e Proposta Nº. 2018-04, contemplam alguma relação os esforços de distinguir, entre as diferentes versões, um recurso importante para a biblioteca que pretende armazenar suas várias versões e que pode facilitar ao usuário final selecionar a versão que lhe seja "adequada" e esteja disponível de forma aberta.

 

Nos estudos, vários campos foram identificados para análise detalhada:

 

campo 506 (Nota de acesso restrito), contendo informações sobre restrições de acesso aos materiais descritos. O campo estrutura-se de forma idêntica nos formatos MARC Bibliográfico e de Coleção, porém não está definido nos formatos Autoridade, Classificação ou de Informações da Comunidade. Para trabalhos publicados, este campo contém informações sobre restrições na distribuição. Para recursos contínuos, as restrições devem ser aplicadas a todos os exemplares. Se uma nota indicar apenas o público-alvo de uma publicação e não implicar restrições de acesso, ela será registrada no campo 521 (Nota do público-alvo). No Campo 506 do formato MARC Bibliográfico e Coleção, revisar os nomes e as definições dos valores do indicador 1 da seguinte maneira:

Indicador 1 - Restrição

0 – Sem restrição, acesso aberto: O campo afirma uma ausência de restrições de acesso, por exemplo: acesso aberto.

1 – Restrições aplicáveis, acesso restrito: O campo define restrições de acesso a uma parte ou a todo o material descrito, por exemplo, acesso restrito ou fechado.

 

O campo define dois novos subcampos:

 

$g – Data de disponibilidade (R): Data final de um embargo, quando o recurso se torna disponível gratuitamente.

$q – Agência provedora (NR): Um código da organização MARC, ISIL ou nome textual da organização ou do projeto responsável pelos dados no campo.

 

 

campo 540 (Nota de termos Governando uso e reprodução), contem termos que regulam o uso dos materiais após o acesso ter sido fornecido. Este campo é definido apenas no formato bibliográfico do MARC, ele inclui, mas não se limita, aos direitos autorais, direitos cinematográficos, restrições comerciais entre outros; e que restringem o direito de reproduzir, exibir, roteirizar, citar, etc. Informações sobre restrições de acesso aos materiais são registradas no campo 506.

No Campo 540 do formato MARC bibliográfico (proposto para ser incluído na Coleção), define quatro novos subcampos:

 

$f – Padronização da Terminologia para direitos de uso e de reprodução (R): os dados extraídos de uma lista padronizada de termos (por exemplo, Creative Commons ou Declarações de Direitos) indicando os direitos de uso e de reprodução.

$g – Data de disponibilidade (R): Data final de um embargo, quando o recurso altera seus direitos de uso e de reprodução.

$q – Agência provedora (NR): Um código da organização MARC, ISIL ou nome textual da organização ou do projeto responsável pelos dados no campo.

$2 – Origem do Código MARC (NR): identifica a origem do termo usado para registrar os direitos de uso e de reprodução no subcampo $f. Se os termos de fontes diferentes forem necessários, devem ser utilizados campos separados. Código das fontes dos termos para restrição de acesso.

 

 

campo 856 (Localização e Acesso Eletrônicos), onde as informações devem ser fornecidas no contexto de uma URI.O campo está estruturado de forma idêntica nos formatos MARC: Bibliográfico, Autoridade, Coleção, Classificação e Informações da Comunidade, embora a definição e os objetivos sejam ligeiramente diferentes de um formato para outro. Basicamente, contempla as informações necessárias para localizar e acessar um recurso eletrônico. Pode ser usado no registro bibliográfico de um recurso, quando esse recurso ou um subconjunto dele estiver disponível eletronicamente. Além disso, pode ser usado para localizar e acessar a versão eletrônica de um recurso não eletrônico descrito no registro bibliográfico ou um recurso eletrônico relacionado.

No Campo 856, idêntico nos formatos MARC: Bibliográfico, Autoridade, Coleção, Classificação e Informações da Comunidade, define o novo subcampo $7 da seguinte maneira:

 

Subcampo $7 – Subcampo de Controle (R): Posições de caracteres que indicam características especiais do URI (Uniform Resource Identifier) no subcampo $u. O subcampo $7 deve seguir diretamente o subcampo $u ao qual se aplica. Geralmente, os subcampo $u e o subcampo correspondente $7 podem ser repetidos apenas quando ambos: Uniform Resource Locator (URL) e Uniform Resource Name (URN), tal como Persistent Uniform Resource Locator (PURL) ou Digital Object Identifier (DOI), ou vários URNs são registrados.

 

Posição /0 – Acesso ao Código de Recurso Eletrônico, indicando a disponibilidade de acesso ao recurso eletrônico cujo endereço aparece no subcampo $u.

0 – Acesso restrito: O recurso eletrônico remoto não pode ser acessado online de forma aberta e livre.

1 – Acesso aberto: O recurso eletrônico remoto é acessível online e aberta a todos, sem restrição, login ou pagamento.

n – Não aplicável

u – Não especificado

x – Nenhuma tentativa de codificar

z – Outros

 

Posição /1 - Fonte do vocabulário controlado para acesso, uso e reprodução. O código indica a fonte das informações usadas para registrar os direitos de acesso, uso e reprodução, no subcampo $e.

 

0 – Padronização da terminologia para restrição do acesso (star - Standardized Terminology for Access Restriction)

1 – Creative Commons (cc)

2 – Declarações de direitos (rs – Rights Statements)

m – Misto

u – Não especificado

x – Nenhuma tentativa de codificar

z – Outros

 

 

O campo 856 define o novo subcampo $e da seguinte maneira:

 

$e – Informações que regulam o acesso, uso e reprodução (R): o subcampo fornece informações sobre direitos de acesso, direitos de uso e direitos de reprodução. Pode conter um termo de texto livre, um termo padronizado, uma URI ou a mistura deles todos.

 

 

O campo 856 é repetido quando os elementos de dados do local variam (URL no subcampo $u ou nos subcampos $a, $b, $d, se usados). Também é repetido quando mais de um método de acesso é utilizado; as diferentes partes do item estão disponíveis eletronicamente; sites espelhados são registrados; diferentes formatos/resoluções com diferentes URLs são indicados; e itens relacionados são registrados.

 

Em um registro de autoridade, o campo pode ser usado para fornecer informações suplementares, disponíveis eletronicamente, sobre uma entidade. No registro de Coleção, o campo identifica o local eletrônico que contém o recurso ou no qual ele está disponível. Ele também contém informações necessárias para recuperar o recurso pelo método de acesso identificado na primeira posição do indicador.

 

As informações contidas neste campo são suficientes para permitir a transferência eletrônica de um arquivo ou conectar-se ao recurso eletrônico. Em alguns casos, apenas elementos de dados exclusivos são registrados, o que permite ao usuário acessar uma tabela localizadora em um servidor remoto contendo as informações restantes necessárias para acessar o recurso.

 

No formato de Classificação, este campo também pode ser usado para vincular a um recurso eletrônico destinado a complementar o esquema de classificação, por exemplo, uma imagem de um mapa. Em um registro do formato de informações da comunidade, o campo 856 contém informações para localizar e acessar informações eletrônicas pertencentes a um serviço comunitário, como o site de serviços ou eventos ou recursos relacionados.

 

A justificativa de mudanças e adequação dos campos mencionados, considera que os catalogadores podem usar o campo 856 em conjunto com os campos 506 e 540 para destacar restrições de acesso, uso e reprodução dos recursos vinculados às URIs contidas no campo 856. O uso do campo 506 para a indicação de acesso, se aplica ao registro completo e varia conforme o conteúdo das sequências de texto utilizada. A indicação do uso dos recursos após a provisão de acesso utilizando o campo 540 é também aplicado ao registro completo e varia de acordo com o conteúdo das sequências de texto utilizada. A OCLC e a Biblioteca Nacional da Alemanha propõem a necessidade de considerar o campo 856 como um campo individual para determinar o acesso a um item e como um complemento aos atuais usos dos campos 506 e 540 pelos seguintes motivos:

 

  • A ligação entre os campos 506, 540 e 856 não foi amplamente adotada.
  • A padronização da terminologia e sequências de texto nos campos 506, 540 e 856 deve reduzir a incidência de erros, inconsistências, variações no idioma e dificuldade de utilização em sistemas automatizados.

 

 

No modelo de catalogação “Provider-Neutral” (PN), existe um registro bibliográfico que descreve todas as manifestações de um recurso online, independe do editor ou agregador de conteúdo que disponibiliza a manifestação. As diretrizes atuais do modelo não fornecem nenhuma indicação específica de acesso aberto ou de restrições de acesso na forma legível por máquina. O uso do campo 506 é restrito apenas para registros providos pelo DLF Registry of Digital Masters, HathiTrust Digital Library e de outros projetos de preservação digital”.

 

O campo 540 não é utilizado, mas o campo 856 é usado apenas "sob certas condições", com as seguintes condições: a) Usar $u para URLs gerais (não específicos da instituição); b) Não usar $z para informações específicas da instituição; c) Se o nome de domínio não for específico o suficiente, o subcampo $3 poderá ser usado para registrar o nome do endereçamento ou do provedor.

 

Exemplos de registros no uso dos Campos 856, 540 e 506

 

Periódico com Indicação de Acesso Restrito no Campo 856

https://www.worldcat.org/oclc/137342807

 

245 00 $a Science & education.

856 40 $3 Google $u http://books.google.com/books?id=nMklAQAAIAAJ

856 40 $u http://www.springerlink.com/openurl.asp?genre $7 0

            $z Texto complete disponível desde Springer LINK

85640 $u http://www.springerlink.com/ $z Science & education -- Springer

                Online Journal Archives (Through 1996)

85640 $z Texto completo via EUI LINKS $u http://ebscohost.com/

 

 

Periódico com Indicação de Acesso Aberto no Campo 856

https://www.worldcat.org/oclc/39264520

 

245 04 $a The sociological review.

856 40 $3 Texto completo disponível: fev 1975-. (Devido às restrições do

                 editor, os 12 meses mais recentes não estão disponíveis.).

            $u http://search.epnet.com/direct.asp?

856 40 $3 Google, nsv20 1972 $u http://books.google.com/books?id=

856 40 $3 Google $u http://books.google.com/books?id=sU0ZAAAAIAAJ

856 40 $3 HathiTrust Digital Library, Visualização completa

           $u http://catalog.hathitrust.org/api/volumes/oclc/1654047.html $7 1

856 40 $u http://www.blackwell-synergy.com/rd.asp?goto=journal&code=sore

 

 

Periódico, Indicação de Acesso Aberto no Campo 506

 

LDR 01153naa a22002775i 4500

001 10.1057/s41599-017-0034-z

003 DE-He213

007 cr nn 008mamaa

008 171117s2017 xxk| s |||| 0|eng d

024 7# $a 10.1057/s41599-017-0034-z $2 doi

100 1# $a Lams, Lutgard.

245 10 $a Othering in Chinese official media narratives during diplomatic

                 standoffs with the US and Japan $h [recurso eletrônico] /

            $c by Lutgard Lams.

260 ## $a London : $b Palgrave Macmillan UK : $b Imprint: Palgrave

                 Macmillan, $c 2017.

506 0# $a Open Access $u http://purl.org/eprint/accessRights/OpenAccess

710 2# $a SpringerLink (Serviço Online)

773 1# $t Palgrave Communications $g volume:3 $g número:1

            $g páginas:1-11 $g data:12.2017 $g dia:21 $g mês:11 $g ano:2017

            $x 2055-1045 $7 as

856 40 $u http://dx.doi.org/10.1057/s41599-017-0034-z

 

 

Artigo, Campo 506 com Data de Disponibilidade, Campo 540 com Informações Creative Commons (Baseado em http://d-nb.info/1152210440)

 

LDR 03747nam a2200565uc 4500

001 1152210440

003 DE-101

007 cr||||||||||||

008 180212s2017 gw |||||o|||| 00||||eng

024 7# $a 10.2143/RTPM.84.2.3269053 $2 doi

024 7# $a urn:nbn:de:bsz:25-freidok-146567 $2 urn

041 ## $a eng

044 ## $c XA-DE-BW

100 1# $0 (DE-588)1147512124 $0 http://d-nb.info/gnd/1147512124

             $0 (DE-101)1147512124 $a Radeva, Zornitsa $e Autor

             $4 aut $e detentor de direitos $4 cph

245 00 $a From reconstruction to reformation: Jacob Thomasius s use of

                Aristotle in the debate on the origin of the human soul

264 #1 $a Freiburg$bUniversität $c 2018

500 ## $a Recherches de théologie et philosophie médiévales. 84, 2 (2017),

                 427-463, DOI 10.2143/RTPM.84.2.3269053, issn: 1783-1717

506 1# $a Acesso fechado $g 2019-02-07

520 ## $a Resumo: Este artigo lança uma nova luz sobre [...]

540 ## $a Creative Commons Atribuição - Não comercial - Nenhuma edição

             $f CC BY-NC-ND 4.0 $2 cc

            $u http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.de

856 40 $u http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:bsz:25-freidok-146567

            $x Resolving-System

856 #0 $u http://d-nb.info/1152210440/34

            $x Langzeitarchivierung Nationalbibliothek

856 4# $q aplicação/pdf $u https://freidok.uni-freiburg.de/data/14656

            $z Livre

 

 

Recurso impresso, enriquecido por informações sobre versões eletrônicas no campo 856 Subcampos $e $7

 

LDR 02031nam a2200385 c 4500

001 BV038963812

003 DE-604

007 t

008 020829s1575 |||| 00||| ita d

026 ## $e amea Sita i,Po stme 3 1575R $2 fei

035 ## $a (OCoLC)886439526

041 0# $a ita

100 1# $a Sansovino, Francesco $d 1521-1583 $e Autor

            $0 (DE-588)119255901 $4 aut

240 10 $a Ritratto delle più nobili et famose città d Italia

245 10 $a Ritratto Delle Piv Nobili Et Famose Città D Italia Di M.

                Francesco Sansouino $bNel Qval Si Descrivono Particolarmente

                gli edifici sacri & profani così publici come priuati, le famiglie illustri,

                gli huomini letterati, i personaggi di conto così morti come uiui & i

                dominij loro : Con Altre Cose Notabili Che In Esse Si contengono per

                ordine di Alfabeto : Con Le Reliqvie De Santi, Le Fertilità De Territori

                la qualità de paesi, et il numero de gli habitanti

246 13 $a Città d'Italia

264 #1 $a In Venetia $c MDLXXV.

300 ## $a145 Follhas, 1 folha não contada $c 4

500 ## $a Bibliographischer Nachweis: EDIT16 - CNCE 60583

751 ## $a Venedig $0 (DE-588)4062501-1 $2 gnd

776 08 $i Reprodução eletrônica $d Rom : Bibliotheca Hertziana, 2007

776 08 $i Reprodução eletrônica $d München : Bayerische Staatsbibliothek,

               2012 $o urn:nbn:de:bvb:12-bsb10162119-7

856 4# $e http://rightsstatements.org/vocab/NoC-NC/1.0/

            $u http://mdz-nbn-resolving.de/urn:nbn:de:bvb:12-bsb10162119-7

            $x Resolving-System $z livre $3 Texto completo // Cópia com a

                 assinatura: München, Bayerische Staatsbibliothek -- 4 Ital. 376

             $7 12

856 4# $u http://rara.biblhertz.it/Bb780-1750 $x digitalização $z livre

            $3 Texto completo // Cópia com a assinatura: Rom,

                 Bibliotheca Hertziana -- Bb 780-1750 raro


   32 Leituras


author image
FERNANDO MODESTO

Bibliotecário e Mestre pela PUC-Campinas, Doutor em Comunicações pela ECA/USP e Professor do departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP.