LITERATURA INFANTOJUVENIL


1O. ENCONTRO PARANAENSE DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL

Glória Kirinus uma das organizadoras do 1o Encontro Paranaense de Literatura infanto-juvenil promovido pela Fundação Sidónio Muralha em Curitiba, me convidou para compor uma mesa redonda nesse evento, e ela foi intitulada - Como a Academia pode pensar o ensino de literatura? Apesar de não trabalhar com o ensino de literatura na graduação, aceitei o desafio, pois trabalho cotidianamente na educação continuada de professores, bibliotecários e demais profissionais da leitura. Além disso, tenho um especial interesse por essa área, por paixão e amor. Na academia não é muito "normal" falar em paixão e amor, mas, amor é isso aí, a gente não explica, sente. Por isso, eu me apoderei da música - "Dueto" do Chico Buarque, que é pura poesia e numa brincadeira bradei meu amor pela literatura infanto-juvenil.

Consta nos astros.
Nos signos.
Nos búzios.
Eu li num anúncio.
Eu vi no espelho.
Tá lá no evangelho.
Garantem os orixás.

Serás o meu amor.
Serás a minha paz
.

É triste saber que a academia ainda é muito resistente à poesia. E nem é preciso de metodologia científica para perceber que na academia há muita reflexão e pouca paixão. Mesmo quando,

Consta nos autos.
Nas bulas.
Nos dogmas.
Eu fiz uma tese.
Eu li num tratado.
Está computado.
Nos dados oficiais.

Serás o meu amor.
Serás a minha paz.

Paz? Isso é, se for possível ter paz com a literatura: porque a "boa literatura" sempre é instigante e inquietante. E o mediador de leitura também tem que ser instigante e mais do que isso afetuoso (cuidado! a academia, acredita que ser afetuoso também não é uma atitude científica).

Mas vou em frente e me lembro de Teixeira Coelho (1999) quando defende "[...] o universo do homem contemporâneo (e sobretudo dos jovens) é, em ampla medida, afetual - quer esse afetual se manifeste e seja exercido de forma simbólica, quer concretamente."

Portanto, o mediador de leitura seja ele um familiar, um professor, um bibliotecário, um escritor, um editor, um crítico literário, um redator, um livreiro ou um amigo, precisa saber que "[...] não bastam, pois, competência e profissionalismo ao mediador de leitura; a afetividade faz parte da sua relação consciente com o leitor, menos no sentido de gestos afetuosos e mais no sentido de disponibilidade e compreensão no que se faz [...]"(BARROS, 1995).

Mas se a ciência provar o contrário.
E se o calendário nos contrariar.
Mas se o destino insistir.
Em nos separar.
Danem-se.
Os astros.
Os autos.
Os signos.
Os dogmas.
Os búzios.
As bulas.
Anúncios.
Tratados.
Ciganas.
Projetos.
Profetas.
Sinopses.
Espelhos.
Conselhos.
Se dane o evangelho.
E todos os orixás.

Serás o meu amor.
Serás a minha paz.


Você leitor deve estar perguntando: o que tem a música "Dueto" do Chico Buarque com a literatura infanto-juvenil? Nada. Ela foi uma forma (ou fórmula) que encontrei para falar para o mediador que apesar do frio em Curitiba, do cansaço de ficar manhã - tarde - noite em um evento durante uma semana, o encontro com os textos literários nos faz acreditar na possibilidade de que "a vivência da leitura propicie o desenvolvimento do pensamento organizado, capaz de levar o jovem [e as demais faixas etárias] a uma postura consciente, reflexiva e crítica frente à realidade social em que vive e atua" (CATTANI; AGUIAR, 1982). Portanto vale a pena!


Consta na pauta.
No Karma.
Na carne.
Passou na novela.
Está no seguro.
Picharam no muro.
Mandei fazer um cartaz.

Serás o meu amor.
Serás a minha paz.


Mas é necessário refletir sobre a prática do mediador para que se de "[...] uma postura professoral lendo 'para' e/ou 'pelo' educando, ele passar a ler 'com', certamente ocorrerá o intercâmbio das leituras, favorecendo a ambos, trazendo novos elementos para um e outro" (MARTINS, 1983).

Consta nos mapas.
Nos lábios.
Nos lápis.
Consta nos Óvnis.
No Pravda.
Na vodca.

Tamanha responsabilidade deve ser interpretada pelos mediadores como um desafio constante, pois o papel que eles desempenham na motivação de leitura pode interferir com maior ou menor profundidade na formação dos leitores de uma coletividade. Espero ainda, que os mediadores facultem aos leitores uma pluralidade de experiências, para que eles percebam a leitura não apenas como aprendizagem escolar, mas como elemento de lazer e satisfação.

Referências
BARROS, Maria Helena T.C. de. Leitura do adolescente: uma interpretação pelas bibliotecas públicas do Estado de São Paulo - pesquisa trienal. Marília: UNESP, 1995.

CATTANI, Maria Izabel; AGUIAR, Vera Teixeira de. Leitura de 1 grau: a proposta dos currículos. In: ZILBERMAN, Regina. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

MARTINS, Maria Helena. O Que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1983.

TEIXEIRA COELHO, José. Dicionário crítico de política cultural: cultura e imaginário. 2.ed. São Paulo: Fapesp/Iluminuras, 1999.


   203 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
FRATE-MEDIAÇÃO OU MEDIAÇÃO FRATERNA
Junho/2004

Ítem Anterior

author image
MONTEIRO LOBATO NO SÍTIO DO PICAPAU AMARELO
Abril/2004



author image
SUELI BORTOLIN

Doutora e Mestre em Ciência da Informação pela UNESP/ Marília. Professora do Departamento de Ciências da Informação do CECA/UEL - Ex-Presidente e Ex-Secretária da ONG Mundoquelê.