LITERATURA INFANTOJUVENIL


PALAVRAS, PALAVRINHAS, PALAVRÕES, PANDEMIA E PANDEMÔNIO

... devo avisar que esse texto tem muitos parênteses (não se assuste leitor!). Os parênteses são mais esclarecedores dos que as reticências que, muitas vezes, nos deixam no ar, mas que são divertidas.

Apesar do título dessa coluna parecer não ter nem pé nem cabeça, quero mostrar que as palavras de mãos dadas dão significados as nossas vidas e quanto mais cheio de palavras estiver nosso baú (cabeça), maior será nossa possibilidade de comunicação.

...palavras, palavrinhas, palavrões livro de Ana Maria Machado. Que título instigador! E a imagem na quarta capa com a palavra IMPUBLICÁVEL. (como é bom ter 60+! Fico muito feliz de ter a edição publicada pela Codecri em 1982). Um livro maravilhoso e divertido, hoje é publicado pela FTD, mas também está lá no SKOOB.

... pandemia, pandemônio é uma realidade atual do Brasil que está nos angustiando... Mas qual a origem dessas palavras?

Por ser uma pessoa brincante de palavras tenho que ter sempre um dicionário por perto. Hoje o celular me salva quando bate uma curiosidade formigante... Outro dia estava almoçando com minha mãe (que também gosta de palavras, assim como meu pai e o pai dela) e falei entristecida: “no Brasil tem pandemia e também pandemônio” (ela tem Alzheimer e não entendeu nada, mas sorriu pelos sons das palavras).

Origem de pandemia e pandemônio? Essas dúvidas se resolvem consultando dicionários... então fui em frente:

Pandemia – busquei no Aurelinho (que salva muita criança na escola), a palavra tem origem no grego e é “epidemia que ocorre em grandes proporções, até mesmo por todo o planeta.” (FERREIRA, 2010, p.560) 

Pandemônio - busquei no Dicionário Informal (2010) na internet é lá consta o seguinte:

Pandemônio tem origem inglesa pandemonium, através do radical grego pân, que significa "todo", + o termo grego daímon, que significa "demônio", que é um neologismo criado pelo poeta inglês Mílton (1608-1674), no seu "O Paraíso Perdido" (Shangri-lá), para designar o palácio de Satã. É também o designativo para a capital imaginária do Inferno.

Confesso que estou careca (tá na moda mulheres carecas) de saber o que é pandemia, mas desconhecia que pandemônio era um neologismo criado por John Milton. (só que estamos longe do paraíso e perto...) Hoje estamos enfrentando no Brasil uma pandemia na saúde (grande proporção) e um pandemônio na política (um inferno real e não imaginário).

Não entanto, quero ficar com um significado mais leve (afinal essa Coluna aborda literatura para crianças) e novamente bebo na fonte de Ferreira (2010, p.560) que informa ser pandemônio: “sm. Tumulto, balbúrdia, confusão, generalizados.”

Palavra puxa palavra e

ao ouvir a palavra balbúrdia nos lembra que,

nos últimos anos,

essa palavra esteve abundantemente em terras brasileiras,

na boca de gente com a intenção de:

 

Desqualificar professores...

Desvalorizar a ciência e os livros...

Desmontar universidades...

Desdenhar culturas...

Desrespeitar escolhas...

Depredar patrimônios...

Descartar pessoas...

Destratar trabalhadores...

Devastar biografias...

Desmatar a Amazônia...

Destruir projetos...

Desestabilizar instituições...

Desmerecer religiões...

Desmoralizar lideranças...

Demolir esperanças...

Ai! Ai! Ai! Arre que baixo astral!

Então peço socorro para Sylvia Orthof e me apego a um trecho de sua obra Ave Alegria. Sem dúvida alguma o livro infantil que eu mais amo:

[...]

Salve a justiça

e a liberdade!

Salve a verdade,

a delicadeza

e o pão sobre a mesa!

Abaixo a tristeza!

Ave alegria! (ORTHOF, 1989, p.7)

Que pessoa prolixa sou eu! Tudo isso para dizer: deem Dicionários de presente para as crianças. E não estou falando do dicionário de sinônimos que está presente na escola; esse a criança busca com rapidez na web. Falo de dicionários de palavras e expressões curiosas e populares divertidos (pode presentear também com obras de adultos). Por isso cito só os que eu tenho na minha coleção de dicionários:

A origem das palavras para crianças e jovens curiosos tem mais de 140 verbetes. Seu autor é Márcio Bueno, ele foi publicado pela Editora José Olympio. Nele que aprendi que a palavra vacina significa de vaca que é uma redução de varíola de vaccina, isto é, varíola de vaca (eu rio baixinho e acho bom não espalhar isso, pois aqueles que não querem tomar vacina da COVID 19, não vão querer tomar mesmo!). (BUENO, 2005, p.143)

Dicionário infantil de língua portuguesa. Obra publicada pela editora Nova Fronteira. A autoria de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, que segundo os Editores, o professor Aurélio tinha este sonho e “Com muito carinho ele fez a seleção das palavras, e procurou defini-las de maneira acessível ao público infantil.” As ilustrações, em sua maioria, com personagens da turma do Pererê, foram feitas por Ziraldo Alves Pinto. Já que falei em vacina, nesse dicionário a ilustração do verbete – Odiar - é a imagem do Tininim: índio da tribo Parakatoka olhando com raiva para a seringa e algodão no momento de tomar injeção. (dos dias atuais acho que não são os índios que estão com ódio da vacina, não!).

Para terminar: Vacina sim!

 

 

Referências:

BUENO, Márcio. A origem das palavras: para crianças e jovens curiosos. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

DICIONÁRIO Informal. 2010. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio infantil de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio da língua portuguesa. 8.ed. Curitiba: Positivo, 2010.

MACHADO, Ana Maria. Palavras, palavrinhas e palavrões. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.

ORTHOF, Sylvia. Ave alegria. São Paulo: FTD, 1989.


   237 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
PLANTAS E ANIMAIS QUE QUERO TER
Março/2021

Ítem Anterior

author image
O MENINO JÓSIK E O AVÔ MICHAEL
Fevereiro/2021



author image
SUELI BORTOLIN

Doutora e Mestre em Ciência da Informação pela UNESP/ Marília. Professora do Departamento de Ciências da Informação do CECA/UEL - Ex-Presidente e Ex-Secretária da ONG Mundoquelê.