GERAL


EDSON NERY DA FONSECA

Não me lembro de ter visto biblioteca nos colégios em que segui os cursos primário, de admissão e ginasial, este concluído em 1939. No Ginásio Pernambuco, hoje Colégio Estadual de Pernambuco, onde concluí o curso pré-jurídico, havia excelente biblioteca, constituída, entretanto, mais de obras raras do que modernas. O jornalista Aníbal Fernandes, que era diretor do Ginásio Pernambuco e professor de literatura, emprestava-nos livros de sua própria biblioteca e assim conheci o melhor de Eça, Antero, Antônio Nobre, Machado de Assis, Verlaine e o desconhecido mas admirável Visconde de Santo Tirso. Ele também fazia questão de mostrar aos alunos como se preparava e imprimia o Diário de Pernambuco, onde exercia as funções de diretor, editorialista e redator de duas seções diárias: "Coisas da Cidade" e "Crônica Internacional". Era, como se vê, um recifense universal. Quando descobriu que eu também era admirador incondicional do então já seu velho amigo Gilberto Freyre, deu-me de presente um dos últimos exemplares do Livro do Nordeste, primeira obra nacional de caráter interdisciplinar e regional, organizada por Gilberto Freyre para comemorar, em 1925, o primeiro centenário do mais antigo jornal em circulação na América Latina.

Foi em 1939 e por influência dos professores Álvaro Lins e Nilo Pereira que comecei a me interessar vivamente pelas Humanidades. Freqüentei muito, a partir de então, a Biblioteca Pública do Estado de Pernambuco, principalmente para conhecer as novidades literárias em revistas nacionais e estrangeiras.
A biblioteca da cidade, portanto, não foi significativa para minha formação; foi, talvez, útil para minha informação. Seguindo o exemplo de Gilberto Freyre, Olívio Montenegro, Aníbal Fernandes e outros intelectuais contemporâneos, procurei formar, desde jovem, minha própria biblioteca particular. João Cabral de Melo Neto, grande poeta brasileiro e meu amigo, costuma dizer que é formado em letras pela biblioteca de Willy Levin, outro intelectual recifense que possuía grande e selecionada biblioteca. Creio poder dizer que fiz minha formação literária na Livraria Imperatriz, de Jacob Berenstein, na livraria da Companhia Editora Nacional, nas Livrarias Colombo, Contemporânea e Moderna, comprando livros nessas livrarias, algumas delas desaparecidas, e nas quais não era raro se encontrar, em boas edições originais, as obras-primas da cultura universal.
Fonte: FONSECA, Edson Nery. Depoimento. A biblioteca de cada um. Palavra Chave, São Paulo, n.1, p.7, maio 1982

   37 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.