TEXTOS GERAIS


  • Textos Gerais

DE VOLTA À BIBLIOTECONOMIA

Muito se fala sobre a Biblioteconomia - eu inclusive, reconheço – porém, poucos estudos se mostram  sérios e oriundos de pesquisa, como por exemplo (a lista não se apresenta completa e posso cometer injustiças, pelas quais me desculpo antecipadamente): os estudos do grupo de Santa Catarina, os estudos e teses realizados na UnB e os da ABECIN de alguns anos atrás, ainda válidos, assim como coletâneas organizadas por docentes da UNESP/Marília.

 

Até hoje profundamente mergulhados no complexo de vira-lata, em dependência cultural modelada nos Estados Unidos da América do Norte, vemo-nos debatendo questões, hoje lá presentes, sobre o fechamento de bibliotecas, o fechamento de cursos de Biblioteconomia, a redução de verbas para bibliotecas e para pesquisas.

 

Lembro-me de um professor da UnB, Valnir Chagas, que acompanhou a educação brasileira dos anos 1930 em diante, a dizer em aula que, enquanto os universitários combatiam o Acordo MEC-USAID na porta da frente, este entrava pela porta dos fundos, ao levar incontáveis jovens para estudos nos Estados Unidos e, acrescento, conseqüente deslumbramento e formação de valores. Os economistas brasileiros formaram-se todos nas Escolas americanas, durante uma geração inteira, o que acarretou a praga da Economia brasileira, até o rompimento com tais escolas.

 

O mesmo se vê na Biblioteconomia e na Educação de modo geral. Durante décadas, a Biblioteconomia e os sistemas educacionais americanos nos serviram de paradigma e nos forneceram instrumentos e metodologias de trabalho.

 

Hoje, no entanto, com a desmitificação do mercado e da economia capitalista selvagem (assim como da economia soviética), há outros caminhos para avaliar a educação e o papel da Biblioteconomia. Rápidas considerações neste texto encaminham uma proposta ao final.

 

A partir de 2000, os países da OCDE (Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento) realizaram a primeira avaliação do PISA, ou seja, Programme for International Student Assessment, [Programa de Avaliação Internacional do Estudante], do qual o Brasil tem participado, sem medo de descobrir suas falhas educacionais. O Programa reflete seriedade de propósitos, honestidade e eqüidade na formulação de questões; 57 países, dentre aqueles da própria OCDE e outros voluntários, participam do estudo. Maiores informações e relatório resumido de 2006 (1) encontram-se no endereço: <http://www.pisa.oecd.org>. Paralelamente, a Comunidade Européia elaborou a Declaração de Bolonha (1999)  (2), que busca um certo grau de qualidade e padrões na formação universitária européia.

 

Ora, o que se mostra deveras interessante, nesta altura, reside no fato de que os europeus buscam melhorar sua educação. Enquanto isso, o PISA comprova dados muito instigantes sobre a capacidade dos alunos, em diferentes países e continentes, quanto a: Ciências, Leitura (leitura e compreensão) e Matemática.

 

Exibem-se alguns resultados, nesta tabela bastante simplificada, na qual incluiu-se o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) para uma visualização entre resultados educacionais e esse índice das Nações Unidas:

 

 

 

 

1

 

2

3

4

5

6

 

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

 

17

18

19

20

21

22

23

24

25

CIÊNCIAS *

 

Finlândia

 

Canadá

Japão

Nova Zelândia

Hong-Kong

Taipei (Taiwan/Formosa)

Estônia

Austrália

Holanda

Coréia

Alemanha

Reino Unido

República Tcheca

Suíça

Áustria

Bélgica

 

Irlanda

Liechtenstein

Eslovênia

Macau (China)

LEITURA **

 

Coréia

 

Finlândia

Hong-Kong

Canadá

Nova Zelândia

Irlanda

 

Austrália

Liechtenstein

Polônia

Suécia

Holanda

Bélgica

Estônia

Suíça

Japão

Taipei (Taiwan/Formosa)

Reino Unido

Alemanha

Dinamarca

Eslovênia

Macau (China)

Áustria

França

MATEMÁTICA ***

 Taipei (Taiwan/Formosa)

Finlândia

Hong-Kong

Coréia

Holanda

Suíça

 

Canadá

Macau (China)

Liechtenstein

Japão

Nova Zelândia

Bélgica

Austrália

Estônia

Dinamarca

República Tcheca

 

Islândia

Áustria

Eslovênia

Alemanha

Suécia

Irlanda

França

Reino Unido

Polônia

IDH

 

-----

 

0,952

0,937

0,921

0,953

0,955

 

0,962

-----

0,946

0,953

0,943

0,946

0,962

0,860

0,949

0,891

 

0,968

0,948

0,917

0,935

0,956

0,959

0,952

0,946

0,870

 

* Média aceitável: acima de 500 pontos

** Média aceitável: acima de 488 pontos

*** Média aceitável: acima de 495 pontos

Obs: Países não reconhecidos pelas Nações Unidas não possuem IDH.

 

Interessante reparar que os países da esfera de influência da ex-União Soviética, embora não alcancem IDH tão elevado como os países ocidentais, ainda preservam bases educacionais sólidas. Em termos simples: educação não é apenas uma questão de dinheiro, mas de mentalidade, de perspectiva.

 

E onde foram parar os Estados Unidos? Elementar: como um todo, não alcançaram a média mínima aceitável pelo PISA, embora haja destaque em certos alunos, de certas escolas, que atingiram o nível maior. Para os que gostam de dados exatos: em Matemática, obtiveram 474 pontos, estando entre o 32º e o 36º lugares no período de 2000 a 2006. Em Ciências, obtiveram 489 pontos, entre as colocações 24º e 35º no mesmo período. O país não consta da tabela relativa a Leitura; seu IDH é 0,951.

 

Nas últimas décadas, os investimentos governamentais norte-americanos deslocaram-se, do ensino e das políticas sociais, para a guerra. Bibliotecas e escolas de Biblioteconomia foram fechadas, suspenderam-se assinaturas de periódicos e cortaram-se gastos com pessoal e acervos. Como os resultados das ações educacionais medem-se a médio e longo prazos, constata-se que a cultura da guerra levou a um decréscimo no ensino norte-americano, refletido nas diversas etapas do PISA (2000, 2003, 2006, porque ainda não há resultados para o exame de 2009). A cultura da guerra também obriga a uma alienação da sociedade como um todo, que se faz especialmente por meio dos filmes, vídeos, imagens e da filtragem de notícias e, mesmo, do patrulhamento e da censura das eras Bush (pai e filho). Se não há anestesia mental, ninguém em sã consciência irá a uma guerra em um país estranho, de idioma e hábitos desconhecidos, com desculpas esfarrapadas e para lutar por empresas petrolíferas. Precisamos lembrar que as bibliotecas são instituições libertárias e libertadoras, desalienantes, quando funcionam adequadamente. (Não foi à toa que a era Bush-filho implantou esquemas de vigilância de assuntos buscados nas bibliotecas norte-americanas.)

 

O Google é o exemplo perfeito e acabado da limitação intelectual. Não que se mostre inútil, muito pelo contrário. Quando bem empregado, auxilia nas pesquisas e nas informações rápidas. Porém, isto não significa que deva ser a única fonte de referência, ou de difusão do conhecimento, mesmo porque já se inicia com o viés de uma cultura determinada, de uma única visão de mundo. E esta visão de mundo comprova-se quotidianamente como, no mínimo, falha, para não dizer duvidosa e falaciosa.

 

A rede mundial e as novas tecnologias de comunicação e informação mudaram o mundo da Biblioteconomia, não para acabar com ela, mas para aperfeiçoá-la. A leitura (não obrigatoriamente o livro) continua a ser o meio por excelência de reflexão e capacidade crítica, de pensamento autônomo. A Finlândia, sempre entre os dois primeiros lugares no PISA, tem o maior índice europeu de leitura e uso de bibliotecas. Cada um de seus habitantes freqüenta bibliotecas, em média, 11 (onze) vezes ao ano; 80% da população lêem (3).

 

Se, no entanto, habitantes de outras nações preferem ver vídeos no “youtube” e declarar inúteis as bibliotecas, lógico que os resultados no PISA lhes serão correspondentes (e nem por isso o cinema como arte morrerá).

 

Ah, sim, aqui vão os resultados do Brasil: o IDH brasileiro chegou a 0,800 (Ufa! Logo depois da Albânia e da Macedônia! Mas melhoramos nos anos 2000, em relação ao período anterior...). Situamo-nos depois do 50o lugar no PISA (e não esqueçamos que são 57 os países participantes).

 

O conjunto dessas breves reflexões leva o convite a interessados em responder à seguinte questão de pesquisa: Os altos níveis de IDH e graus elevados no PISA correspondem a uma política forte de bibliotecas, valorização da Biblioteconomia e dos bibliotecários? Um diagnóstico da Biblioteconomia e da profissão de bibliotecário em países mais destacados no PISA ofereceria dados compatíveis com os resultados obtidos no Programa?

 

Convém ler, inicialmente, o documento Euroguide LIS (4), do European Council of Information Associations (ECIA), que apresenta a classificação das profissões da Informação, aqui evidentemente incluídas a Biblioteconomia, a Arquivologia e a Documentação, assim como diretrizes para seu ensino e empregabilidade, entre outros aspectos.

 

Antes de embalsamarmos, mumificarmos e enterrarmos a Biblioteconomia em tumba real (ou mesmo cremá-la), como lembrança de sua grandeza passada, convém estudar melhor para que lado devemos volver nossos olhares: para o sempre poderoso Norte e sua cultura de guerra, ou para outros pontos cardeais e outros ângulos, onde despontam novas perspectivas?

 

NOTAS

1 - The Programme 
for International Student Assessment (PISA): [executive summary]. [Paris]: OECD, 2006. Disponível  em: <http://www.pisa.oecd.org/dataoecd/15/13/39725224.pdf>. Último acesso em: nov. 2009.

2 - Declaração de Bolonha. [S.l: s. ed., 1999?]. Disponível em: <http://www.ispa.pt/NR/rdonlyres/7AECBFAD -6B1A-4153-B61E-5BA122E02D42/0/DeclaracãodeBolonha1.pdf >. Último acesso em: nov. 2009.

3 - Finlândia. Ministry of Education. Libraries in Finland. [2009]. Disponível em: . Acesso em: nov. 2009.

4 - European Council of Information Associations. Euroguide LIS. Paris: ADBS Éditions, 2004. 2 v. Disponíveis em: <http://www.certidoc.net/en/euref1-english.pdf > e <http://www.certidoc.net/en/euref2-english.pdf>. Acesso em: nov. 2009.

Obs: encontrei todas as publicações acima no Google, a partir de referências pertinentes a sítios nacionais e internacionais sobre Biblioteconomia, oriundas de artigos publicados em periódicos e trabalhos apresentados em congressos. O Google sempre tem sua utilidade!

 

 

Revisão: Marília Motta Ludgero da Silva

Autor: Eliane Serrão Alves Mey

   30 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.