TEXTOS GERAIS


  • Textos Gerais

CATALOGAÇÃO: CONSIDERAÇÕES FINAIS

Poderia iniciar com Nildo Ouriques (Instituto de Estudos Latino-Americanos, UFSC), que trata arrebatadoramente da colonização intelectual nas universidades brasileiras, desde a valorização do conhecimento estrangeiro em desfavor do nosso, às políticas oficiais de pesquisa e publicação. No entanto, prefiro a ironia de Eduardo Bueno, em seu episódio O Brasil Holandês: “Não pode ter nada mais colonizado do que o colonizado querer escolher o colonizador”. Existe também a questão da antropofagia. Os índios brasileiros, com mais de 200 diferentes povos na atualidade, não são todos idênticos, nem falam a mesma língua, nem possuem os mesmos hábitos. Havia, à época da chegada/invasão portuguesa, dois tipos de antropofagia: uma que simplesmente comia o inimigo; outra que a praticava ritualmente, para absorver as qualidades do inimigo. Meu amigo Sidney Barbosa explicou-me verbalmente a antropofagia cultural (levantada por Oswald de Andrade): absorvemos o que há de bom, as qualidades da cultura exógena e a transformamos em algo brasileiro, que atenda a nossas características, em uma cultura própria. Aqui e ali, surgem exemplos de uma boa antropofagia cultural, inclusive na Música, ou nas Artes, de modo geral.

Mas, para tanto, precisamos perder o complexo do colonizado. Porque estamos sempre olhando para fora, escolhendo entre os americanos, os franceses, os ingleses, entre outros que consideramos “superiores”. Uma espécie de vassalagem expandiu-se em nosso país, até sua venda, como ocorre em nossos dias. De certo modo, talvez tenhamos herdado e cultivado este complexo ao longo de 500 anos: até nossa alma foi colonizada. Ainda assim, sempre há tempo de refletir sobre este seriíssimo problema e realizar mudanças. Não sou marxista, e muito menos comunista, porém há uma frase de Marx que particularmente aprecio: “Os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de diferentes maneiras; mas o que importa é transformá-lo”.

Ao complexo de colonizado, ou de vira-lata, alia-se um contexto histórico-sócio-cultural-econômico. Durante e após a Segunda Guerra Mundial, os norte-americanos iniciaram uma série de programas para tornar a América Latina, em especial o Brasil, um país dependente e estreitamente vinculado a seus interesses estratégicos políticos e econômicos. Existem amplos estudos sobre o tema, com documentação comprobatória. Pode-se afirmar que os Estados Unidos atingiram seu objetivo em várias frentes, por meio de bolsas, intercâmbios, estágios, propaganda, programas e uma indústria cultural especializada e refinada (apenas no sentido técnico, não no conteúdo). Não entro em minúcias, mas basta que se observe o domínio exercido em todos os telejornais, na chamada grande mídia, assim como nas redes sociais.

Volto à Catalogação. Até os anos 1960, utilizava-se no Brasil o Código da Biblioteca Vaticana, traduzido pelo antigo IBBD (atual IBICT). Em 1969 impõe-se a ditadura do primeiro Código Anglo-Americano de Catalogação (publicado em 1967 nas edições inglesa e americana). Além de atender às questões catalográficas do Reino Unido e dos Estados Unidos, isto é, da língua e da cultura inglesas, havia as interpretações da Library of Congress dos EUA, muitas vezes discordantes das regras apresentadas no AACR1. Em 1978 publica-se a segunda edição do Código Anglo-Americano de Catalogação, mas a Library of Congress iria implementá-lo somente em 1981 – o que gerou miscelânea de interpretações. A FEBAB, detentora exclusiva dos direitos autorais para o Brasil, traduziu o AACR2 apenas de 1983 até 1985. A FEBAB continuou por anos em disputas para pagamento dos tais direitos autorais. Até que, enfim!, publicou-se o último código, RDA, em uma tentativa (falha) de agradar ao mundo e com uma estratégia coercitiva de “marketing” (perdoem-me o anglicismo). O código RDA encontra-se repleto de imperfeições, de falta de respeito às diferentes culturas, e se vende por um preço abusivo! Já escrevi largamente, sozinha ou com outros autores, contra o código RDA e subscrevo todo o escrito sobre Catalogação, desde a publicação de minha dissertação de Mestrado em 1987. Se houver paciência, discorro amplamente sobre o tema no capítulo 3 de minha tese de Doutorado e em inúmeras publicações subsequentes, muitas em co-autoria. Considero um absurdo e um colonialismo cultural, dependente, ainda se falar em RDA! Este código não serve, não se aplica ao Brasil, e não se pode exigir que bibliotecas à míngua, ou a FEBAB, paguem direitos autorais diretamente aos EUA!

Agora, perdoem-me, porém existem códigos muito mais interessantes à nossa subserviência e complexo de colonizado: os italianos são especialistas em obras raras e Música; os franceses são especialistas em Documentação; os portugueses possuíam suas próprias regras; os alemães têm pontos de vista interessantíssimos quanto às entradas e entidades coletivas; os espanhóis trabalham (ou trabalhavam) muito sobre as ISBDs e descrições bibliográficas. Por que não praticarmos antropofagia cultural e “ingerirmos” um braço do código italiano, uma perna do código alemão, um fígado das normas francesas e assim por diante, até chegarmos a um corpo completo, em um código "autenticamente brasileiro"? Sobretudo na área de Música, a música brasileira é especial, única sob muitas vertentes, e precisa de descrições bibliográficas à altura, seja na música escrita ou signalética (por favor, nada de música “notada”, tradução literal do inglês), seja na discografia. Dos americanos do norte, sugiro deglutirmos os músculos, isto é, a capacidade de produzir: sentar na cadeira e escrever, trabalhar incessantemente, com objetivos e prazos determinados.

Já existe, no Brasil, um corpo de professores de catalogação e catalogadores capazes de realizar algo inteiramente adequado, não apenas às nossas necessidades, mas também às novas tecnologias e às novas mídias. E há um ponto de partida, por incrível que pareça: o livro Catalogação Simplificada, da Profª Cordélia Robalinho Cavalcanti, que se preocupava em estabelecer normas voltadas aos rincões de nosso país.

Este é o último texto que escrevo sobre Catalogação. Espero que sirva, pelo menos, à reflexão.

Rio de Janeiro, 17 de junho de 2021

Autor: ELIANE SERRÃO ALVES MEY, com revisão e sugestões por MARÍLIA LUDGERO

   674 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.