TEXTOS GERAIS


  • Textos Gerais

EXPOSIÇÃO AOS FORMANDOS EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA IINFORMAÇÃO DA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - MAR. 2005

Ilustríssimos componentes da mesa. Prezados colegas docentes. Senhores pais, parentes e amigos presentes, estimados formandos da turma do ano de 2004, meus novos colegas de jornada.

Inicialmente, agradeço a homenagem prestada, com a escolha de meu nome para patrono da turma de formandos 2004, do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política (FESP) - instituição das mais importantes, detentora de história e significativa contribuição à consolidação do ensino e da atividade bibliotecária no país. Aceitar o convite, portanto, é uma honra que muito me envaidece, em virtude de toda a tradição que este momento representa.

Quero manifestar, aos estimados formandos - agora, Bacharéis - as minhas felicitações e meus sinceros votos de sucesso nesta carreira que hoje abraçam e, como bibliotecário, que assumam o compromisso em prol da promoção e valorização do conhecimento humano.

Nesta oportunidade, transmito-lhes algumas palavras de incentivo à jornada de ser bibliotecário. São conselhos parafraseados de um discurso proferido por Bill Gates (Presidente da Microsoft), intitulado "11 coisas que as Escolas não ensinam" (11 things they did not learn in school); resume um conjunto de 11 regras que não são aprendidas na escola, mas na vida.

Estas regras, eu as adaptei livremente ao cenário bibliotecário, chamando-as de 11 (onze) conselhos. São eles:

Conselho 1:
A vida de bibliotecário não é fácil; acostume-se com isso. Apesar dos usuários e leigos em geral afirmarem o contrário. Além de tratar os conteúdos de informação, o bibliotecário também carrega os suportes. Não sinta vergonha de carregá-los! Se o material estiver pesado, pois saibam que o conhecimento pesa, olhe o lado positivo: você estará economizando na despesa com uma academia de ginástica.

Conselho 2:
A sociedade não está preocupada com a auto-estima do bibliotecário. Aliás, a sociedade espera que o bibliotecário faça alguma coisa útil por ela. Assim, antes de você sentir-se bem consigo mesmo (bom emprego e salário) ou exigir que a legislação profissional seja aplicada sobre o mercado, olhe para as carências sociais, e como você pode colaborar para eliminá-las. Seja um voluntário, seja sempre um cidadão crítico e pró-ativo no desenvolvimento de ações que contribuam para melhorar a comunidade. Exerça sua responsabilidade social.

Conselho 3:
Você não terá remuneração em dólares ou euros. Nem terá o piso salarial de um deputado ou de um juiz do Supremo Tribunal Federal (STF). Talvez nem tenha um emprego amanhã, quando acordar. Aliás, você já está com o cartão de apresentação e currículo à mão. Certamente, você não será bibliotecário-chefe em alguma organização ou serviço de informação, com auxiliares e infra-estrutura à disposição. É mais provável é que experimente a aplicação do conselho n. 1, carregando primeiro muitos e variados suportes de informação. Não importa como você começará na carreira, apenas tenha humildade e persistência. E, principalmente, objetivos profissionais claros e coerentes.

Conselho 4:
Se você achava o seu professor chato, exigente, insensível, espere até ter um chefe. Ele não terá pena de você. Aprenda, portanto, a trabalhar sobre pressão e prazos. Aprenda a conviver com pessoas de humor instável e variado, dotada de caráter, idem. Evite estresse. Pratique Yoga e faça caridades. Tenha uma fé ou crença. Faça, diariamente, uma oração, agradeça por sua vida e ao fato de ser agora bibliotecário.

Conselho 5:
Atuar como prestador de serviço. Realizar trabalhos temporários. Vender serviços e produtos ou administrar um carrinho de "cachorro quente" não irá afetar sua dignidade profissional ou social. Todo trabalho ou atribuição deve ser realizado com dignidade e dedicação. Olhe tudo, sempre, como uma oportunidade. Ademais, bibliotecários não existem somente para trabalhar em bibliotecas, mas também com informação e conhecimento. E a se comunicar com pessoas.

Conselho 6:
Se você vier a fracassar na realização de alguma atividade; cometer enganos; ver algum projeto dar errado; enfrentar percalço ou quaisquer obstáculos na carreira, lembre-se "A culpa não é dos seus professores e nem das suas entidades de representação profissional". Então, não há porque lamentar, nem ficar praguejando contra si ou contra todos. Aprenda com seus erros e dificuldades. Assim, amadurecerá profissionalmente. E estará "calejado" para enfrentar outros dissabores. Afinal, nós aprendemos mesmo é com nossos erros e acertos.

Conselho 7:
Antes de você nascer profissionalmente (cursar e formar-se bibliotecário), a profissão já existia, havia construído a sua história, já passara por transformações e críticas, da mesma forma como ocorre agora, na sua existência profissional. Portanto, antes de querer salvar a biblioteconomia para a próxima geração de bibliotecários; antes de querer consertar os erros das gerações anteriores de bibliotecários, comece primeiro a elaborar sua própria história como profissional para melhor entender os profissionais do passado, ou formados anteriormente. Se eles não são donos da verdade, saiba que você também nunca será. Assim, preocupe-se com os seus erros e acertos, em ter mais iniciativas, que possam ser inéditas e, se possível, inovadoras.

Conselho 8:
Olhe para o seu lado direito. Olhe para o seu lado esquerdo. Veja à sua frente e atrás. Durante o curso, provavelmente, não houve concorrência ou competitividade; todos eram solidários nas colas e nos trabalhos em grupo. Mas a vida profissional não é assim. Muito embora, solidariedade ou cooperação sejam posturas fundamentais para o bem-estar coletivo, na hora de se candidatar a uma oportunidade de trabalho, uma bolsa de estudos ou vaga de estágio, o seu colega será um concorrente. A vida profissional é real e inflexível, cobra habilidades, competência, ética e profissionalismo. Quem realmente tiver talento chega à frente. Quem não tiver, e não se exercitar para superar as limitações permanecerá sempre no depois. Depois da última posição das disputas. Se "pisar na bola" no emprego, será despedido. Assim, faça certo desde a primeira vez. Aprimore-se. Seja correto com os colegas e responsável com a sua profissão, sempre.

Conselho 9:
A vida de bibliotecário não é como as férias da escola. Você não terá mais textos para ler e resumir, trabalhos e provas para fazer, seminários para apresentar e nem o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) para entregar, nenhuma obrigação acadêmica. Mas se prepare para trabalhar além do horário normal, inclusive sábados e domingos. Esteja preparado para atender solicitações de superiores após as 18 horas, no final do seu expediente de trabalho ou, quem sabe, começo das suas merecidas férias. Será pouco provável que outros colegas o ajudem a cumprir a tarefa no fim do período, ainda mais se for uma sexta-feira. Estimule-se. Estude. Leia. Mais que obrigação, é uma questão de sobrevivência profissional.

Conselho 10:
Seja bem humorado. Sorria sempre! Seja feliz consigo mesmo para poder transmitir bem-estar aos que o cercam. É importante o bom humor para superar os desafios da profissão. Lembre-se, o termo sucesso para um bibliotecário só vem depois de trabalho, muito trabalho. Sucesso antes de trabalho, só no dicionário. Assim, dedique-se a ser um profissional todos os dias, pois cada dia será diferente ser bibliotecário. E, ser bibliotecário é muito, mas muito diferente de simplesmente estar bibliotecário.

Conselho 11:
Enfim, se você não foi legal com o "CDF" da sua classe (aquele[s] colega[s] que julgamos ser[e] "Caxias"), aproveite esta ocasião especial, pois hoje é a última oportunidade de se redimir com ele(s). Afinal, existe uma grande probabilidade dele ele se tornar seu superior, ou chefe.

Estes são os meus conselhos e são de graça, diferentemente dos conselhos profissionais.

Ao encerrar minhas recomendações, quero dizer de coração a todos, bem-vindos a mais bela profissão do mundo.

Nunca deixem de amar a Biblioteconomia. Amar com extremada emoção, Assim, certamente serão felizes, plenamente felizes, como eu sou, em meus 25 anos de carreira. E, isto é pura verdade. Agindo desta maneira, ela lhes retribuirá todo o carinho. Pois, se assim não o fosse, eu hoje não estaria aqui, marcando presença no inicio da vida profissional de cada um de vocês!

Muito obrigado.


Nota sobre o patrono
Bacharel em Biblioteconomia e Documentação (1980) e Mestre em Biblioteconomia (1989) pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCamp). Especialista em Análise de Sistemas (1997) pela Fundação de Ensino de Osasco (FIEO). Doutor em Comunicação (2002) pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Professor-doutor do Departamento de Biblioteconomia e Documentação da ECA/USP. Pesquisador vinculado ao Núcleo de Pesquisa em "Ciência da Informação" da ECA/USP.
No movimento da categoria, atuou como: Diretor do Sindicato dos Bibliotecários do Estado de São Paulo (1984-1985); Coordenador de Cursos da Associação Paulista de Bibliotecários-APB (1986-1987); Vice-presidente da APB (1987-1989); Presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia de São Paulo (1991-1993); Conselheiro do Conselho Federal de Biblioteconomia-CFB (1994-1997) e Presidente do CFB (2000-2002). Autor das monografias: "Microinformática em bibliotecas das universidades públicas do Estado de São Paulo: um estudo exploratório" (Campinas, PUCCamp, 1989); "A ambientação da microinformática nos serviços bibliotecários", (Osasco, FIEO, 1997); "Internet - Biblioteca - Comunidade acadêmica: conhecimentos, usos e impactos", pesquisa realizada com três universidades paulistas (UNESP, Unicamp e USP), (São Paulo, USP, 2002).

 

___________________________________

 

Fernando Modesto - fmodesto@estadao.com.br

Autor: Fernando Modesto
Fonte: autorizado pelo autor em 01/08/2005

   23 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.