TEXTOS GERAIS


  • Textos Gerais

O PROBLEMA DAS BIBLIOTECAS PÚBLICAS EM RECIFE

Não muito distante destas terras delineadas pelos rios Capibaribe e Beberibe, dentro do Planeta Terra, duas cidades passaram por profundas transformações sociais, o que por definição e, a priori, significa uma mudança de visão do que é uma gestão político-administrativa e, portanto, cultural, a saber: Bogotá (sete milhões de habitantes), e Medellín (três milhões de habitantes), duas das maiores cidades da República da Colômbia (obs.: Recife, em 2012, parece ter contado um milhão e meio de habitantes – obviamente, todos esses números são aproximados). Nelas, os “cidadãos-gestores-públicos”, cansados das mazelas que, diária e constantemente, acometiam as rotinas das pessoas que ali residem; da falta de respeito assistida em cada esquina, em cada semáforo, em cada fila de compras; do altíssimo grau de baixa autoestima; da violência urbana e contra a vida; da dependência infanto-juvenil junto aos traficantes e ao escravismo laboral; do “iletramento-profissional” que tomou conta da cultura do fazer e lazer; da falta das ágoras (espaço público desenvolvido, bem conhecido e ferrenhamente defendido pelos cidadãos de um local chamado Grécia, há mais de dois mil anos atrás); da falta de infraestrutura que garantisse o direito constitucional de ir e vir; da falta de escolas públicas de qualidade e de suas respectivas bibliotecas escolares; da falta de BIBLIOTECAS PÚBLICAS INSERIDAS NAS ENTRANHAS DA COMUNIDADE, resolveram descer de seus palanques do poder (aqueles que parecem com os púlpitos), com o objetivo de convidar representantes de CADA SETOR PÚBLICO para uma prosa, em que foi feita uma pergunta: CANSAMOS! QUEREMOS CAMBIAR? Assim teve início uma jornada difícil, turbulenta, excepcional e LUCRATIVA. O cenário da cidade, as rotinas das pessoas que a fazem, outrora discurso potencial, longínquo ideal, emergiu como exemplo internacional, mundial, global. Tanto assim que cito a “Ata da 17ª Reunião Ordinária da 1ª Sessão Legislativa da 16ª Legislatura, realizada no dia 20 de março de 2013, [em que] a vereadora ISABELLA DE ROLDÃO veio à tribuna fazer menção ao alto investimento das cidades colombianas, de Bogotá e Medelín, ÀS BIBLIOTECAS, e SUGERIU QUE FOSSEM IMPLANTADAS UNIDADES DE LEITURA NASA COMUNIDADES do Recife”. Verdade seja dita: o cidadão recifense, e a cidade em que reside, trabalha e constrói sua família, precisava, fazia tempo, de uma radical mudança na forma de se ver, olhar e LER. Se, ainda esperançoso, penso que essa mudança está em curso, então, coragem deve conclamar voz para indicar um grave equívoco que, ao mesmo tempo, está sendo cometido: nem todos os atores e atrizes (será que a vida é um tipo de palco?) estão sendo chamados para prosear, nem todas as gestões institucionalizadas estão participando de forma ARTICULADA e ATIVA, nem todas as partes do sistema estão ou são interoperáveis. Assim, lembro aos envolvidos e às pouquíssimas pessoas que, de fato, terão acesso a este escrito que, DIANTE DA FALTA DE ESPAÇOS PÚBLICOS DE LEITURA, DA FALTA DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS CONDIZENTES COM O SÉCULO XXI, DE REPETIDOS E LEGÍTIMOS DIAGNÓSTICOS EM QUE FORAM E SÃO APRESENTADOS INDICADORES QUE REPRESENTAM UMA CIDADE PERMEADA POR UMA CULTURA POBRE DE LEITURA E ESCRITA, a POLÍTICA também surge como solução. CANSAMOS, QUEREMOS MUDAR?

 

Diego Salcedo – Professor do Departamento de Ciência da Informação/UFPE

Autor: Diego Salcedo

   22 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.