TEXTOS GERAIS


  • Textos Gerais

LER FAZ A DIFERENÇA

A cada novo ano letivo que se inicia, pais e professores renovam seu desejo de oferecer as suas crianças e jovens uma educação transformadora, um ensino de qualidade capaz de auxiliá-los a enfrentar com sucesso os desafios que a vida lhes impõe. Desejamos uma educação que contribua, efetivamente, para que os sujeitos nela envolvidos possam preparar-se de forma eficiente para conhecer e compreender melhor a si mesmos, aos outros e à realidade na qual estão inseridos e, a partir disso, se qualificarem para atuar nesse meio, transformando-o num lugar melhor para se viver e construir a própria felicidade.

 

O que nos move, portanto, é a construção do conhecimento, visando à transformação social. E, como nos ensinou Vygotsky, o conhecimento é mediado pela linguagem. Pensamento e linguagem caminham de mãos dadas. O desenvolvimento do pensamento é determinado pela linguagem, mas, ao mesmo tempo, ele  é capaz de transformar a linguagem que o constrói. A linguagem é, portanto, imprescindível na construção do conhecimento. E a linguagem se apresenta nas modalidades de oralidade, leitura e escrita, que por sua vez se organizam em forma de textos.

 

Por muito tempo, a escrita mecânica foi priorizada na escola. Havia o culto ao silêncio. Depois, descobriu-se a importância da oralidade, o silêncio foi rompido e essa passou a receber uma atenção especial. Nos últimos anos, muito se tem falado a respeito da leitura na escola. A discussão, no entanto, tem ficado mais no plano do discurso. Na prática, poucos têm sido os avanços a comemorar.

 

A sociedade letrada em que vivemos exige de nós, cada vez mais, competência lingüística. O mundo é um grande texto que precisa ser lido para que possamos transitar por ele sem sucumbir. A exclusão social caminha lado a lado com a exclusão cultural. O domínio da palavra torna-se imprescindível numa realidade permeada pela escrita. Portanto, se o pensamento é mediado pela linguagem, então, essa é a chave que precisamos para ampliar nossa capacidade de construir conhecimento. Nesse caso a meta pedagógica maior da escola deveria visar ao sucesso da criança em relação à linguagem. E a leitura desempenharia aqui um papel fundamental.

 

É nesse ponto, ao meu ver, que reside o grande nó da educação atual: a quase que ausência da prática da leitura na escola. Saber ler e escrever (alfabetização) apenas, não é mais o suficiente. O desafio é prover o aluno de competência lingüística, para que possa dar um salto em direção ao letramento, que segundo Magda Soares (2004) se caracteriza pela “inserção nas práticas sociais de leitura e de escrita.” É isso que mede a eficácia da escola e que está na base de qualquer formação que o mundo contemporâneo exige.

 

A leitura faz toda a diferença, quando se pensa um ensino de qualidade. Pesquisadores nos mostram que há uma relação decisiva entre a prática da leitura e o bom desempenho do aluno em todas as áreas do conhecimento.

 

Então vem a pergunta óbvia: como podemos ter a pretensão de construir conhecimento na escola sem que possamos contar, para tanto, com a participação do sujeito-leitor? As pesquisas que têm sido feitas mostram que isso é o mesmo que querer ensinar alguém a nadar fora da água ou, então, pedir a um surdo mudo que cante. O resultado é desanimador. O que fazer, pois, para que a escola seja um espaço para a constituição de leitores e desempenhar, assim, com sucesso, sua grande e mais nobre tarefa? É possível reverter o quadro que aí está? Acredito que sim.

 

Se a leitura é o poderoso instrumento que nos abre as portas para o conhecimento, a LITERATURA é a chave mágica que nos abre a porta de entrada principal que dá acesso ao mundo da leitura e a tudo o que ela pode nos proporcionar. E isso é tão mais verdadeiro quanto mais jovem for o nosso leitor. Quanto antes se der esse encontro, maiores serão as chances de sucesso. Criança é ludismo, é magia, é questionamento, e a literatura feita para ela também o é. Por isso, a literatura infantil desempenha um papel preponderante na constituição do leitor. A literatura, por seu caráter lúdico-mágico, fala a linguagem que a criança entende. Não apela apenas à razão, mas envolve emoções num jogo mágico e lúdico. Através da literatura a criança entra em contato com uma linguagem cuidadosamente elaborada, feita por alguém que tem por ofício lapidar a palavra, fazer arte com a palavra. É um texto que apela para a sua imaginação, que provoca sua criatividade, que propõe questionamentos e que proporciona momentos muito prazerosos de encontro consigo mesmo e com o novo.

 

Por isso, quando pensamos na criança da educação infantil e dos primeiros anos do ensino fundamental, podemos bem imaginar qual o texto capaz de cativar, de emocionar, de provocar o encantamento e o desejo de conhecer outros livros, para renovar sempre esse prazer.

 

Rubem Alves (2004), citando verso de Adélia Prado,Não quero faca nem queijo; quero é fome”, lembra-nos que a fome vem antes do queijo:

 

Se não tenho fome, é inútil ter queijo. Mas, se tenho fome de queijo e não tenho queijo, eu dou um jeito de arranjar um queijo...

 

Partindo dessa analogia, Rubem Alves nos chama a atenção para o fato de que a escola precisa aprender a despertar a fome, o apetite pelo conhecimento/saber. Uma vez despertado o desejo de saber, o desejante buscará uma forma de satisfazer esse desejo. Quando não há o desejo, não há necessidade. Não há interesse. E, nesse caso, não há aprendizagem. Corre-se ainda o risco - quando se é forçado a engolir coisas que não se deseja – de vomitar tudo e até de adquirir uma rejeição por aquele alimento.

 

Essa mesma analogia pode nos ajudar a pensar a questão da leitura. Para conquistar leitores é preciso antes provocar o desejo, produzir a fome, abrir o apetite para a leitura. “A cabeça não pensa aquilo que o coração não pede”, ensina Rubem Alves. E, no caso, de servirmos um prato indigesto, poderá advir como conseqüência, náusea, vômito e futura rejeição...

 

Ler e contar histórias, ler e dizer poemas para as crianças ainda é a mais eficiente maneira de despertar nelas a fome, o desejo de ler... É isso que faz a diferença.

 

 

Bibliografia

 

Alves, Rubem. Ao professor, com o meu Carinho. Campinas/SP: Versus Editora, 2004

 

Soares, Magda. Letramento: Um Tema em Três Gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

 

Maria Helena Zancan Frantz - formada em Letras pela Unijuí com mestrado em Literatura pela Universidade de Münster, Alemanha; atuou como professora no curso de Letras da Unijuí, Magistério Estadual e Normal Superior; atualmente ministra cursos, oficinas e palestras sobre temas ligados à leitura, à literatura e à formação do leitor. Obras publicadas: - O Ensino da Literatura nas Séries Iniciais, 4ª edição. Editora Unijuí; - Vamos Brincar com Poesia? 2006. Unijuí; - Declaração Universal dos Direitos da Criança. WS Editor, 2005. site: www.literaturainfantil.cjb.net

 

(Enviado e autorizado pela autora em 27/06/2006)

 

Autor: Maria Helena Zancan Frantz

   27 Leituras


author image
Seção Mantida por OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.