GERAL


DE QUE SÃO FEITAS AS FAKE NEWS


Instituições científicas, como a Fiocruz, criaram páginas na internet para combater notícias falsas

Um grupo internacional de médicos, epidemiologistas e cientistas sociais examinou cerca de 2.311 relatos de rumores, discriminação e teorias da conspiração associados à pandemia de Covid-19 que circularam na internet, sobretudo nas redes sociais e em jornais eletrônicos, entre 31 de dezembro de 2019 e 5 de abril deste ano (American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 10 de agosto). Foram analisados textos publicados em 25 línguas em 87 países, inclusive o Brasil. Coordenado por uma equipe da Universidade de Nova Gales do Sul, da Austrália, o estudo verificou que 24% das alegações falsas diziam respeito à doença, sua forma de transmissão e letalidade. Em 21% dos relatos, as fake news tratavam de medidas de controle da pandemia e em 19% de tratamento e cura da Covid-19. A causa da infecção, incluindo sua origem, era o tema central de 15% dos textos. Questões ligadas à violência apareceram em 1% dos relatos e 20% abordavam outros temas.


Fonte: Pesquisa FAPESP. Ano 21, n. 295, p. 17, set. 2020

   73 Leituras


Próximo Ítem

author image
NA ÁFRICA DO SUL, BIBLIOTECA JAGGER TEM GRANDE PARTE DO ACERVO DESTRUÍDO POR INCÊNDIO
Abril/2021

Ítem Anterior

author image
CORPO DOCENTE DAS UNIVERSIDADES EM SÃO PAULO
Abril/2021



author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.