QUAL SUA EXPERIÊNCIA COM LEITURA?


MARIA CRISTIANE BARBOSA GALVÃO – PROFESSORA UNIVERSITÁRIA – RIBEIRÃO PRETO - SP

Na primeira infância, minha experiência com leitura foi muito reduzida. Alguém me presenteou com o livro Cinderela, livro que eu lia todos os dias. Por volta dos 4 anos, quando eu estava em ônibus coletivo, alguém me presenteou com uns gibis da Mônica e do Cebolinha que também viraram leituras diárias. Com o início da minha alfabetização comecei a ler os jornais que o meu pai trazia para casa diariamente, especialmente, a Folha de São Paulo e o Estado de São Paulo. Já mais grandinha, ali pelos 10/12 anos ajudei a montar a biblioteca da escola onde eu estudava. Em seguida, com uns 14 anos, comecei a frequentar diariamente a biblioteca municipal da cidade onde eu morava. Na adolescência, resolvi ler todos os livros indicados pelo vestibular da Universidade de São Paulo. Foi uma época também que meu avô começou a trabalhar em uma gráfica e, então, me presenteou com livros clássicos de Camões, Machado de Assis, Jorge Amado. Quando adentrei à Universidade de São Paulo, acho que eu falava como o Machado de Assis porque ele era meu interlocutor mais próximo. Nessa época, descobri a biblioteca da Escola de Comunicações e Artes e me tornei uma leitora de música. Queria ouvir todas as sonoridades produzidas em diferentes países. Também, na Universidade, ao descobrir a obra de Paulo Freire fui alterando muito meus hábitos de leitura. Acho que o Paulo Freire me transformou em uma leitora do mundo. E o que é isso? Ser uma leitora do mundo é prestar atenção em tudo e aprender com tudo e todos. Ontem mesmo, quando fui trabalhar tive uns desses momentos de leitura do mundo. Observei três sacos de lixo em uma calçada e no meio dos sacos de lixo havia um ser humano dormindo, embrulhado em um cobertor vermelho. Fiquei perplexa. Emocionei-me. Refleti. Em seguida, chegando à Universidade, discuti a cena na sala de aula com alunos e com outros professores o que nos levou a um questionamento profundo sobre os conceitos de dignidade, de liberdade e de autodeterminação preconizados pelos direitos humanos. Então, hoje, minha experiência de leitura considera não apenas a leitura das palavras, mas a leitura de todos os contextos existenciais.


   1267 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.