PRÁTICAS PROFISSIONAIS EM AMBIENTES DE INFORMAÇÃO


COMO A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA PODE CONTRIBUIR PARA AS PRÁTICAS DE PESQUISA?

A biblioteca universitária é um dos ambientes que atuam de maneira mais enfática e plural com processos, gestão, tecnologias e fluxos de informação, visto que conciliam formas técnicas, pedagógicas e institucionais de intensificar as práticas de informação para e com a comunidade de usuários.

 

Nos processos de informação atuam com as práticas de organização, armazenamento, mediação, disseminação, acesso, uso e apropriação da informação. Na gestão da informação, atuam no sentido de, através das ações qualificadas de pessoal (equipe da biblioteca) contemplando competências e habilidades, dinamizar práticas de identificação, busca, organização, serviços/produtos e tecnologias de informação, com a finalidade de auxiliar a comunidade de usuários a tomar decisões em aspectos imediatos e mediatos, além de produzir novos conhecimentos. Nas tecnologias de informação, atuam no uso das diversas ferramentas e suportes, especialmente de cunho digital a fim de aprimorar formas de acesso e uso da informação para além das condições espaço-temporais do ambiente físico da biblioteca. Nos fluxos de informação, atuam na pretensão de estimular os procedimentos de fluidez da informação, via serviços, produtos, comunicação científica, práticas processuais, gerenciais e tecnológicas favorecendo a circulação e movimentação entre a biblioteca universitária e a comunidade interna e externa.

 

Um dos aspectos fundamentais da biblioteca universitária no que se refere à atuação com informação é concernente a pesquisa da comunidade acadêmica de uma forma geral, incluindo docentes, discentes, técnico-administrativos e comunidade externa (usuários diversos que buscam a biblioteca para o desenvolvimento de estudos e pesquisas).

 

É muito comum nos manuais que orientam os programas de ação da biblioteca universitária, a ideia de que um dos papeis centrais deste ambiente de informação é o auxílio às atividades de ensino, pesquisa e extensão. Embora esse tripé seja muito redutivo para denotar os múltiplos papeis da Universidade, uma vez que também é pertinente indicar atividades de orientação, gestão, cultura, organização político-social, internacionalização e inovação e como todos essas atividades se definem na base de suas intercorrências e interlocuções entre si.

 

A pesquisa, aqui entendida como um conjunto de ações sistemáticas, visando à construção de novos conhecimentos e contribuindo para o desenvolvimento social, deve ter na biblioteca universitária um expressivo amparo, desde as pesquisas mais basilares como pesquisas de opinião, atividades de graduação como relatórios de estágios, trabalhos de disciplinas, entre outros até pesquisas científicas que demandam uma perspectiva eminentemente estratégica, especializadamente metodológica, sistemática e continuada nos mais dissímeis ramos do conhecimento como Ciências Exatas, Ciências Tecnológicas, Ciências da Saúde, Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Jurídicas etc.

 

De imediato, conforme a pluralidade das áreas do conhecimento supramencionadas no parágrafo anterior, é possível observar que a biblioteca universitária é um ambiente múltiplo e plural, visto que se constitui como um sistema de informação reticular que se particulariza em bibliotecas setoriais e peculiares de vários Centros do conhecimento e cursos específicos de graduação e pós-graduação e que podem cooperar entre si para o desenvolvimento das práticas informacionais otimizando os processos de relação e satisfação da comunidade de usuários.

 

Ainda de imediato, é possível perceber que se as áreas do conhecimento representam uma pluralidade de saberes, torna-se evidente que apresentam uma diversidade de usuários exigindo da biblioteca universitária práticas gerais e específicas que satisfaçam a dinâmica de busca, acesso e uso dos usuários por informações que os auxiliem no desenvolvimento de pesquisas.

 

Desse modo, cabe elencar subsídios hermenêuticos e estratégicos para responder a pergunta-título do texto “Como as bibliotecas universitárias podem contribuir para as práticas de pesquisa?”

 

A priori, a biblioteca universitária possui meios diversos para encaminhar práticas informacionais de incentivo à pesquisa que vão desde a dinamização do acervo, passando pela proposição de serviços/produtos até o uso variado de tecnologias de informação.

 

Fundamentalmente, as práticas informacionais das bibliotecas universitárias devem ser constituídas de maneira complementar buscando formas diversas de estímulo à pesquisa contemplando as idiossincrasias alusivas à comunidade de usuários da informação. Nessas práticas, a prática dialógica e integrada entre processos, gestão, tecnologias e fluxos de informação é condição fundante para o êxito da biblioteca universitária como ambiente estimulador da pesquisa.

 

Diante de tal questão/discussão, o quadro abaixo demonstra possíveis contribuições da biblioteca universitária como fomentadora das práticas de pesquisa:

 

Quadro 1 – Contribuições da biblioteca universitária para as práticas de pesquisa

Tipos de práticas

Perspectivas de ação

 

 

 

 

 

 

 

 

Dinamização do acervo/uso das fontes de informação

- considerar como acervo da biblioteca o material direto (aquele oficial que congrega a biblioteca como livros, e-books, periódicos e literatura cinzenta) e o material indireto (aquele não-oficial como bases de dados, repositórios institucionais, bibliotecas digitais, periódicos eletrônicos, materiais audiovisuais, iconográficos, cordéis etc.) valorizando formas de disseminação diversas do acervo direto e/ou indireto junto à comunidade;

- exposição presencial e virtual dos acervos em formato físico e digital;

- frequente divulgação de acervos de bases de dados especializadas, repositórios institucionais e bibliotecas digitais;

- realização de eventos (palestras, mini cursos etc.) com base em assuntos do cotidiano científico valorizando a participação de autores que doam ou ajudam a compor o acervo da biblioteca;

- valorização do serviço de alerta sobre a chegada de novos materiais de acervo diretos e/ou indiretos;

- elaboração de uma política de organização do conhecimento na biblioteca universitária contemplando desde o uso das técnicas para organização até suas formas de mediação/disseminação.

 

 

 

 

Serviços de referência físico e virtual

- auxílio bibliográfico para a comunidade em nível físico e virtual;

- provisão de documentos para a comunidade em nível físico e digital;

- serviço de alerta informal (exposições sobre aspectos da ciência e práticas de pesquisa) e formais (lista de novas aquisições de acervo direto e indireto da biblioteca) em nível físico e virtual;

- orientação ao usuário com consultas orientadas e cursos de fundamentação bibliográfica e documentária que estimulem a busca multiplicada na variedade de acervos diretos e indiretos.

 

 

 

 

 

Serviços de disseminação seletiva da informação físico e virtual

- disseminação de materiais sobre práticas de pesquisa (metodologias, conhecimento científico, elaboração de trabalhos acadêmicos);

- disseminação de materiais via e-mail e outros elementos virtuais, conforme demanda do usuário e da área do conhecimento em que está inserido (é fundamental que a biblioteca possua um banco de dados em seu sistema ou mesmo em pastas internas nos computadores com artigos, e-books, literatura cinzenta e outros suportes documentais para servir à comunidade quando solicitar em escala presencial ou virtual);

- estabelecer processos de disseminação considerando o tipo de usuário (estudante, professor, técnico, comunidade externa), conteúdo/área do conhecimento (respeitar as particularidades do conhecimento solicitadas pelo usuário), o tipo de acervo (a diversidade de materiais existentes na biblioteca e na web de uma forma geral) e os meios para disseminação (e-mail, redes sociais, sistemas, sites, blogs etc.).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Serviços de informação utilitária físico e virtual

- divulgação dos aspectos do cotidiano científico contemplando aspectos temáticos, autorais, culturais e de utilidade pública, através de balcão de informações físico e virtual, eventos, informações em murais, divulgação na web, relativos a:

Ciências da saúde (realização de atividades sobre elucidação de doenças, prevenção de doenças, sistema de saúde, uso de medicamentos, tratamentos mentais e orgânicos, benefícios das atividades físicas, indústria farmacêutica, criação de novos medicamentos e tratamentos, causas/consequências de doenças, produção científica no campo da saúde etc.);

Ciências Humanas (realização de atividades sobre realidades/fenômenos/objetos históricos, sociológicos/antropológicos/políticos, educacionais, filosóficos, linguísticos, psicológicos e jurídicos);

Ciências Sociais Aplicadas (realização de atividades alusivas aos campos da Informação, Comunicação, Administração, Economia, Contábeis, Atuariais, Turismo, Secretariado, Políticas Públicas, entre outros);

Ciências Tecnológicas (realização de atividades alusivas às práticas técnico-científicas das Engenharias, Computação, Sistemas de informação etc.);

Ciências Exatas (realização de atividades nos campos da Matemática, Física, Química, Estatística etc.);

Ciências Agrárias (realização de atividades alusivas às questões da Agronomia, Agroecologia, Engenharia Florestal, Engenharia de Pesca, Engenharia de Alimentos, Medicina Veterinária, Zootecnia e outras);

Educação e Cultura (realização de atividades no campo da Educação, Música, Estilismo, Artes como teatro, dança etc.;

Metodologia e Ciências em geral (realização de atividades diversas sobre o cotidiano da ciência como a aplicação de novos métodos e técnicas, normalização documentária, pesquisa bibliográfica/documental, descobertas da ciência e valorização da transversalidade do conhecimento científico).

 

 

 

 

 

 

Produtos de informação físico e virtual

- elaboração de manuais em formato presencial e principalmente virtual sobre normalização documentária;

- elaboração manuais/guias/cartilhas sobre acesso a bases de dados especializadas;

- elaboração de manuais/guias/cartilhas para acesso a e-book, periódicos e anais de eventos;

- elaboração de manuais/guias/cartilhas sobre metodologia da pesquisa e ciência no geral;

- elaboração de manuais/guias/cartilhas sobre organização/preenchimento de currículos;

- elaboração de manuais/guias/cartilhas sobre o desenvolvimento de trabalhos acadêmicos;

- orientação sobre a construção de projetos para concorrer a editais internos (própria Universidade) e externos (órgãos de fomento públicos e privados);

- construção de aplicativo incentivando acesso à informação científica disponibilizada oficialmente pela biblioteca e dos aspectos científicos em geral existentes nos ambientes virtuais;

- criação de repositório institucional para cadastro da produção científica docente, discente e técnico-administrativa da Universidade;

 

 

 

 

 

 

 

Ações culturais

- eventos como palestras, cursos, minicursos, diálogos formais e informais, grupos de estudo etc. que valorizem a cultura das comunidades científicas fomentando a construção dos paradigmas e reflexões sobre os rumos científicos das áreas do conhecimento;

- elaboração de manuais/guias/cartilhas que estimulem no meio acadêmico a elaboração de projetos para concorrer a editais locais, regionais, nacionais e internacionais da Cultura de cunho público, privado e misto;

- práticas de mediação cultural sobre ciência, pesquisa e metodologia para usuários ingressantes na Universidade (estudantes, técnicos e docentes que acabam de ingressar na instituição);

- práticas de mediação cultural sobre ciência, pesquisa e metodologia para usuários especializados como docentes e pesquisadores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Educação de usuários

- realização de cursos/oficinas/treinamentos sobre normalização documentária;

- realização de cursos/oficinas/treinamentos sobre acesso as bases de dados;

- realização de cursos/oficinas/treinamentos sobre diversos setores do conhecimento como Saúde, Humanas, Sociais Aplicadas, Tecnológicas, Exatas, Agrárias, Educação/Cultura e Ciências no geral, conforme solicitações e diálogos com a comunidade;

- disponibilizar espaços físicos e virtuais para que os usuários possam reunir-se para debater temas diversos sobre pesquisa, metodologia, atuação acadêmica e outros aspectos da realidade científica;

- realização de cursos/oficinas/treinamentos utilizando a participação dos próprios docentes/pesquisadores, estudantes e técnico-administrativos aproveitando as competências e habilidades da comunidade para promoção dos serviços de educação de usuários;

- é fundante a concessão de certificados para a comunidade que ministra e participa dos cursos/oficinas/treinamentos, visando formalizar e promover credibilidade institucional as atividades da biblioteca. Por isso é fundamental a parceria da biblioteca universitária com cursos (coordenações/departamentos/centros), gestores e a comunidade de usuários no geral.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comunicação científica

- estímulo a elaboração, mediação e uso de ambientes científicos como base de dados, repositórios institucionais e bibliotecas digitais;

- valorização da gestão de dados científicos garantindo formas de preservação e divulgação da produção científica;

- estímulo a prática do acesso livre à informação científica e tecnológica;

- valorização das atividades de input e output para produção do conhecimento científico nas Universidades pela comunidade acadêmica no geral;

- o uso de ferramentas/suportes como a via dourada (aplicação do Open Journal Systems) e a via verde (E-prints, DSpace, Fedora, entre outros);

- orientação sobre os processos de estruturação de um periódico científico em cursos/departamentos/programas de pós;

-orientação referente a produção, editoração, submissão, diretrizes para periódicos e eventos;

- orientação para elaboração de anais de eventos;

- orientações sobre uso e disseminação de e-books.

 

 

 

 

 

Políticas de informação científica e tecnológica

- elaboração de políticas para organização do conhecimento;

- elaboração de políticas para o uso de tecnologias digitais;

- elaboração de políticas para gestão da informação científica;

- elaboração de políticas para preservação da memória científica;

- elaboração de políticas para o desenvolvimento da pesquisa, internacionalização e inovação da produção científica da comunidade acadêmica;

- elaboração de políticas de incentivo à produção de livros, artigos e outros trabalhos científicos;

- elaboração de ações de incentivo a construção de projetos de pesquisa para docentes;

- elaboração de políticas para iniciação científica.

 

 

 

 

 

 

Preservação da memória científica

- criação de meios virtuais para preservação do conhecimento científico como repositórios, bases de dados, banco de dados e bibliotecas digitais valorizando a preservação da produção de conhecimentos da comunidade acadêmico-científica interna e externa;

- respeitar informações confidenciais que exigem privacidade (valorização do uso de criptografias);

- fortalecimento continuado das políticas de organização e representação da informação;

- práticas de preservação e conservação de acervos físicos através de campanhas de conscientização;

- práticas especializadas de restauração de acervos;

- dinamização da política de desenvolvimento de coleções valorizando múltiplos suportes no contexto dos processos de aquisição, seleção, doação, troca, cooperação e descarte entre bibliotecas universitárias.

Fonte: elaborado pelo autor

 

Diante do quadro é possível perceber que a biblioteca universitária possui um locus extenso de atuação como ambiente de informação estimulador da pesquisa. Vale ressaltar que todos os aspectos mencionados não se excluem, mas, ao contrário, se complementam, promovendo maior envergadura técnica, pragmática e pedagógica das práticas informacionais da biblioteca universitária.

 

Evidentemente que muitas práticas propostas no texto são inviabilizadas por falta de pessoal, infraestrutura física, tecnológica, além de recursos financeiros. No entanto, diante da imensidão de possibilidades de atuação, a gestão da biblioteca universitária pode priorizar o que for mais viável para aplicação contemplando um pouco de cada ponto explanado e buscando, através de parcerias com a comunidade acadêmica e com instituições organizações público-privadas, formas de dinamização das atividades de informação para o incentivo à pesquisa.

 

Portanto, respondendo à pergunta-título do texto, a biblioteca universitária é um ambiente profícuo de atuação para auxiliar a pesquisa no contexto macro via processos, gestão, tecnologias e fluxos de informação e no contexto micro via dinamização do acervo, serviços e produtos de informação, ações culturais, educação de usuários, comunicação científica, políticas de informação científica e tecnológica e preservação da memória científica.

 

ANEXO

 

Para saber um pouco mais sobre aplicações de serviços de informação utilitária, acesse o link: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=925

 

Para saber um pouco mais sobre aplicações da disseminação seletiva da informação acesse o link: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=968


   93 Leituras


author image
JONATHAS CARVALHO

Doutor em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Cariri (UFCA).