OBRAS RARAS


GESTÃO DE ARQUIVOS ELETRÔNICOS – II

Encerrando a entrevista sobre “Gestão de Documentos Arquivísticos”, iniciada na coluna deste InfoHome de dezembro de 2012, a Dra. Rosely Rondinelli tecerá algumas considerações sobre o CONARq e o Interpares, assim como a proximidade da Arquivologia com a Ciência da Informação, em breves palavras.

 

A doutora é formada em História e Arquivologia, trabalhou no Arquivo Nacional e no Museu do Índio, fez cursos na Espanha com bolsa da Organização dos Estados Americanos e nos Estados Unidos, mestrado e doutorado em Ciência da Informação no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e atualmente pertence ao quadro de funcionários da Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro.

 

Na primeira etapa da entrevista, e sempre a partir da Arquivologia e da Diplomática, abordamos questões relativas ao controle e proteção da integridade dos documentos digitais, a preservação desses documentos, considerações sobre a versão definitiva de um trabalho em meio eletrônico e a legalidade de e-mails.

 

 

VG: O que é o Projeto InterPares?

RR: O InterPares foi um projeto acadêmico idealizado e coordenado pela professora Luciana Duranti, da Universidade de British Columbia, em Vancouver, Canadá. Tinha por objetivo desenvolver um conhecimento teórico e metodológico para a preservação de documentos arquivísticos digitais autênticos. Iniciado em 1999, envolveu pesquisadores da Arquivologia e de áreas afins como Biblioteconomia, Ciência da Computação, Direito e outras, de vários países. Foi desenvolvido em três fases conforme o grau de complexidade dos documentos digitais e dos sistemas informatizados nos quais se inseriam.

 

Em maio de 2012, deu-se o encerramento da última fase do projeto, em evento realizado em Istambul, Turquia. Na ocasião, os pesquisadores integrantes do projeto apresentaram os resultados dos seus trabalhos. Em relação ao Brasil, a presidente do chamado “Team Brazil”, Cláudia Lacombe, fez o relato de um dos estudos de caso desenvolvidos pela Unicamp sobre sistema informatizado de pagamento de pessoal e eu falei sobre a contribuição da força tarefa de terminologia do projeto InterPares para a terminologia e a prática arquivística no Brasil.

 

O projeto InterPares deixa um legado teórico e prático que enriquece enormemente a epistemologia arquivística e se encontra disponível no site: www. interpares.org.

 

VG: Fale um pouco sobre a Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos (ctde), do Conselho Nacional de Arquivos (Conarq):

RR: A CTDE é um grupo de trabalho criado no âmbito do Conselho Nacional de Arquivos em 1995 e reestruturada em 2002. Seu objetivo é definir e submeter à aprovação do Conarq diretrizes, procedimentos técnicos e instrumentos legais sobre gestão e preservação de documentos arquivísticos digitais autênticos, em conformidade com os padrões arquivísticos nacionais e internacionais. Trata-se de um grupo multidisciplinar que envolve profissionais de diferentes áreas como Arquivologia, Ciência da Informação, Biblioteconomia, Tecnologia da Informação, Administração e Direito. Entre os produtos da CTDE destacamos: e-Arq Brasil, que se constitui numa especificação de requisitos a serem cumpridos pela organização produtora/recebedora de documentos, pelo sistema de gestão arquivística e pelos próprios documentos a fim de garantir confiabilidade e a autenticidade dos mesmos; diretrizes para a presunção de autenticidade de documentos arquivísticos digitais; e as diretrizes para a gestão arquivística de correio eletrônico corporativo. Esses e outros produtos encontram-se disponíveis no sítio http://www.conarq.arquivonacional.gov.br.

 

VG: Como você vê a área da Arquivologia relacionada à da Ciência da Informação?

RR: Vejo como uma pareceria fundamental para o entendimento da diferença entre informação, documento e documento arquivístico, principalmente no ambiente digital. Os estudos profundos dos autores da Ciência da Informação sobre o que vem a ser informação, em paralelo ao entendimento da Diplomática sobre essa mesma entidade, bem como do documento e do documento arquivístico, enriquecem enormemente os estatutos epistemológicos da Arquivologia.

 

Rosely Rondinelli publicou, em 2002, Gerenciamento Arquivístico de Documentos eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática arquivística contemporânea, já em sua terceira edição em 2005. Atualmente, encontra-se no prelo da editora FGV o livro O documento arquivístico ante a realidade digital: uma revisitação conceitual necessária, resultado da sua tese de doutorado defendida em 2011.

Vale a leitura!

 

Até a próxima!


   208 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
DA ITÁLIA PARA O MUNDO: O ROUBO DE LIVROS DA BIBLIOTECA GIROLAMINI
Dezembro/2013

Ítem Anterior

author image
GESTÃO DE ARQUIVOS ELETRÔNICOS - I
Dezembro/2012



author image
VALERIA GAUZ

Mestra e doutora em Ciência da Informação pelo IBICT, bibliotecária de livros raros desde 1982, é pesquisadora em Comunicação Científica e Patrimônio Bibliográfico, principalmente. Ocupou diversos cargos técnicos e administrativos durante 14 anos na Fundação Biblioteca Nacional e trabalhou na John Carter Brown Library, Brown University (EUA), de 1998 a 2005 e no Museu da República até 12 de março de 2019.