AO PÉ DA ESTANTE


AO PÉ DA ESTANTE... EM FLORENÇA

Uma autora que recentemente me surpreendeu e encantou foi Simone Ostrowski, com sua pequena obra-prima de 108 páginas - Mistério em Florença.

 

Na ocasião em que escreveu este seu primeiro livro Simone tinha 27 anos, muito jovem, portanto. É advogada e procuradora da Receita Federal, e mostra possuir também um indiscutível talento literário.

 

Neste Mistério em Florença, editado em 1999, pela Revan, a autora imagina e conta uma história da História. Tudo se passa no século XVI, à época do grão-duque da Toscana, Fernando de Medici, protagonista e narrador deste enredo que vai além de uma trama de mistério e suspense. A meu ver, trata-se de tentar desvelar os intrincados caminhos da alma humana.

 

Segundo a História, no ano de 1587 o então cardeal Fernando de Medici, homem de elevados ideais humanistas, sobe ao trono como grão-duque da Toscana após a morte de seu irmão Francesco de Medici, um déspota que cobrava impostos abusivos para suprir os cofres do império de seu sogro. Francesco morre junto com a esposa, suscitando em toda a Toscana rumores de envenenamento, fato que até hoje provoca debate entre os historiadores.

 

Teria havido envenenamento? Teria sido Fernando o responsável pela morte do irmão e da cunhada? Teria vivido ele em culpa por essa sombra em seu passado?

 

Em sua bela e instigante história, a partir dessas interrogações Simone Ostrowski delineia uma conversa entre Fernando de Medici e seu filho Cosimo. Nela, o pai relembra o período de sua vida, anterior à morte do irmão, e, à moda de um conselheiro, vai desdobrando seu pensamento e seus conhecimentos filosóficos, míticos e psicológicos, numa investigação que desnuda a agonia de sua alma.

 

Imperdível este mergulho em um mistério talvez insolúvel!


   64 Leituras


author image
SARASVATI

Nascida e criada na Índia, estudou na Universidade de Madras, morou em Goa (onde aprendeu português) e viajou pelo mundo em busca de autores e compositores diferentes. Apaixonada pela música brasileira, fixou-se em São Paulo, pela convivência pacífica entre religiões as mais diversas.