AO PÉ DA ESTANTE


AO PÉ DA ESTANTE... COM PSEUDÔNIMOS & MÚLTIPLOS AUTORES NA LITERATURA POLICIAL


Na literatura policial conhecemos o caso frequente de pseudônimo usado por uma ou mais pessoas, que escrevem em conjunto, ou que utilizam um mesmo pseudônimo em obras diferentes, de autorias diversas.

Paulo Medeiros e Albuquerque, porém, nos conta algo diferente e também curioso. Como autor de obra indispensável aos amantes da literatura detetivesca - O mundo emocionante do romance policial - Paulo indica, como primeiro policial brasileiro, o folhetim O mistério, publicado em 20 de março de 1920 no jornal A Folha, em rodapé. A ideia inicial é de seu avô, José Joaquim Medeiros e Albuquerque, diretor do jornal, que escreve o primeiro capítulo. Coelho Netto cria o segundo capítulo, de forma um tanto jocosa, para tristeza do autor inaugural. Resumindo, a história contou com 47 capítulos, de autoria dos seguintes escritores: 17 por Afrânio Peixoto; 14 por Viriato Correia; nove por & (pseudônimo de Medeiros e Albuquerque); sete por Coelho Netto. A obra foi publicada em livro em 1921, porém infelizmente não tivemos acesso à mesma.

Todavia, temos em mãos um outro livro, de 1890 - O esqueleto - recuperado pela Casa da Palavra em 2000, com sistemática quase idêntica; dessa vez trata-se igualmente de um folhetim, mas com quatro autores e um único pseudônimo - Victor Leal. Este nome foi usado também em outras histórias pelos mesmos autores, individualmente ou em conjunto, em dupla ou trio: Olavo Bilac, Pardal Mallet, Aluísio Azevedo e Coelho Netto. O humor desses escritores levou-os ao cúmulo de fazer publicar, no jornal Gazeta de Notícias, onde surgiu o folhetim, uma caricatura de Victor Leal, como se este tivesse vida própria! Na Apresentação da edição de 2000, da Casa da Palavra, explicam-se as origens das obras e o uso do pseudônimo. Existem outras edições, porém não se sabe se porventura trazem a “obra completa” do Victor Leal.

Pode-se dizer que essas primeiras tentativas primam pela bizarrice das tramas e não por sua qualidade literária, mas fica o mistério: qual seria, de fato, o primeiro romance policial brasileiro?

Na esteira destas curiosidades, sem falar agora em pseudônimos, destacamos dois contos e um romance. São tramas desenvolvidas pelos melhores da literatura policial inglesa, cada capítulo por um autor diferente, ou quase. Temos nomes como Agatha Christie, G.K. Chesterton, Dorothy L. Sayers e outros, todos eles sócios do Detection Club, que, dentre outros motivos, agruparam-se com a finalidade de elevar os padrões literários do romance policial.

As histórias aqui em destaque são os contos O cadáver atrás do biombo e Um furo jornalístico, na mesma publicação, e o romance A morte do almirante, editados pela Record na década de 1980.

Nessas narrativas, além das características comuns a todas as obras do gênero, pode-se admirar o perfeito domínio técnico da escrita policial, pois ao fim dos capítulos há uma espécie de pegadinha ou armadilha, ali deixada como um desafio a ser resolvido pelo autor seguinte.

São livros deliciosos para dias especiais, de chuva ou de preguiça. Resistir, quem há de?


   332 Leituras


Saiba Mais





Próximo Ítem

author image
AO PÉ DA ESTANTE... À MODA ORIENTALISTA
Junho/2017

Ítem Anterior

author image
AO PÉ DA ESTANTE... COM LLC
Abril/2017



author image
SARASVATI

Nascida e criada na Índia, estudou na Universidade de Madras, morou em Goa (onde aprendeu português) e viajou pelo mundo em busca de autores e compositores diferentes. Apaixonada pela música brasileira, fixou-se em São Paulo, pela convivência pacífica entre religiões as mais diversas.