ATENDENDO O USUÁRIO


  • Atendendo o usuário

UM SANTO DIFÍCIL

A bibliotecária olhou para o menino que se aproximava de sua mesa. Ele chegou confiante e apressado. Foi objetivo.

- Tia, a senhora é religiosa?

"E essa, agora?! Sou eu a entrevistada?!" - pensou a bibliotecária.

- Por que você deseja saber?

- É que a professora pediu uma pesquisa e minha mãe disse que se a mulher que atende na biblioteca fosse uma pessoa religiosa seria mais fácil de entender o que eu quero e a minha pesquisa...

- Calma - disse a bibliotecária, assustada com a pressa e a rapidez com que o menino falava - Vai mais devagar. Se você estivesse escrevendo tenho certeza de que não haveria nenhum ponto e nenhuma vírgula em sua frase. Bom, do começo. Pelo que entendi, você precisa fazer uma pesquisa sobre religião. É isso?

- Mais ou menos - disse o menino, um pouco mais calmo (ou, quem sabe, imaginando que a coisa seria difícil com aquela bibliotecária).

- Como "mais ou menos"? É sobre religião ou não é?

- É sobre santo - respondeu o menino voltando a se tornar apressado, ou impaciente.

- Ah! Sua pesquisa é sobre santo. Provavelmente, a biografia de algum santo específico.

- Acho que não tem nada desse negócio de "bio-num-sei-o-que". O professor quer que eu pesquise sobre a vida de um santo.

A bibliotecária percebeu, no menino, um certo olhar de menosprezo.

- Biografia de um santo e vida de um santo significam a mesma coisa - quem estava impaciente, agora, era a bibliotecária - Você não sabe o nome do santo... Como vou poder lhe ajudar...

Menino e bibliotecária se olhavam. Quem retomaria a conversa?

- Há algum detalhe sobre esse santo que possa colaborar para identificá-lo? - recomeça a bibliotecária, talvez mais como "dever de ofício".

- A única coisa que lembro é que... parece que ele tinha asas.

- Asas? - Por um momento a bibliotecária pensou em Ícaro, mas - como sou boba -, Ícaro não era santo.

- É, asas - insistiu o menino.

- Será que você não quer alguma coisa sobre anjo?

- E anjo tem vida? Aquele negócio de "bio-num-sei-que" serve pra anjo?

A bibliotecária voltou a sentir aquele persistente olhar de menosprezo.

- Sinto muito, mas não consigo lhe ajudar na pesquisa. Preciso de mais dados. Talvez o nome do professor, quem sabe eu não o conheço?!

- É Fuinha.

- O nome dele é Fuinha? - espantou-se a bibliotecária.

- Não, esse é o apelido. O nome mesmo eu esqueci. Acho que anotei o nome dele no caderno.

Um sorriso se abriu no rosto da bibliotecária.

- Veja se você anotou, além do nome do professor, o nome do tal santo.

"Que Deus me perdoe" - pensou a bibliotecária - "mas, já estou ficando com raiva desse santo".

O menino folheava, lambia o dedo e virava página, voltava a lamber o dedo e virar mais páginas até que aparentemente achou o que procurava.

- Tá aqui - falou exultante.

A bibliotecária quase arrancou o caderno das mãos do menino e leu, chocada:

"Para a próxima aula: a vida de Santos Dumont".

(Oswaldo Francisco de Almeida Júnior - contado pela Thaisi Lima, reproduzindo relato de bibliotecária que não quer se identificar)

Autor: Oswaldo Francisco de Almeida Júnior

   22 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.