CRÔNICAS E FICÇÃO


CHEGANDO EM CASA, VOU LER

No metrô, levava um livro sob o braço, dentro da sacola. Ela estava pensando no momento em que o lerá. Não quer começar agora, pois prometeu a si mesma que chegaria em casa, tomaria um banho, colocaria uma roupa confortável, comeria alguma coisa, sentaria no sofá - ou se largaria nele - e aí sim, começaria a ler. Abriria a capa e leria tudo até o início da história.

Fechou os olhos e antecipou o prazer de todas aquelas ações, o banho, o lugar confortável e o início da leitura. Mais do que isso: passar a mão na capa, sentir os pontos em relevo da imagem, decifrar, antes mesmo de ler, o significado da imagem da capa, das cores usadas pelo designer. Ficar pensando se o designer conversou com o autor ou se elaborou a capa a partir de sua própria leitura, de seu próprio entendimento. Quando terminar a leitura do livro, imaginar como seria ter que elaborar uma capa pra ele.

Quase esqueceu: depois de sentir a capa, a textura do papel interno, ou ao mesmo tempo, ela vai aproximar o livro do nariz e aspirar, deixar o cheiro do livro alcançar seu nariz. Era sempre assim, com qualquer livro. Uma amiga, tão bibliófila quanto ela, já a alertara para possíveis doenças que essa prática (prazeroso, maravilhosa, ela pensa) pode trazer, principalmente com livros usados. Esse conselho, no entanto, nunca é lembrado quando ela abre um livro novo ou, e isso acontece muitas vezes, quando ela retoma a leitura. Nestes casos, o cheiro muda. Ele, cheiro, abraça o cheiro dela e cria uma nova fragrância. Isso, não é cheiro, é fragrância.

Nem sempre o cheiro é bom. Algumas vezes o olor (romances e poesias gostam dessa palavra) da tinta, ao menos para ela, não é agradável. Até se acostumar com ele, ela deixa o livro um pouco mais longe do rosto. Mas, essa é uma situação que não acontece com frequência.

Com o livro já aberto, ela verá se a solução gráfica, a proposta gráfica é interessante, se é a ideal, a mais adequada. Ela se pergunta, em tendo que decidir, o que mudaria, o que manteria. A fonte tem um bom desenho, seu tamanho propicia uma boa e agradável leitura, o espaço entre as letras e entre as linhas, o tamanho das margens, a mancha de impressão nos levam ao desejo de ler?

Antes de começar o texto, ela frequentemente lê as orelhas (ela acha estranho algo escrito nas orelhas, pois estas devem ouvir e não dizer coisas), quer saber qual é a editora, de onde ela é; em que ano o livro foi impresso, mas também ela quer saber quando foi escrito; até a ficha catalográfica ela lê, pois lhe dá, entre outros, a ideia do assunto do livro.

Depois disso tudo, ela pensa, vai começar a saborear o texto, se entranhar na história, se envolver no enredo. Emotiva, dependendo da história irá chorar, molhar as páginas do livro e deixá-lo marcado com sua presença. A leitura não marca o livro, os rastros dela são externos. Mas, a leitura sempre marca a pessoa.

Ainda de olhos fechados, isolada no metrô cheio, ela antecipa todo esse prazer.

O livro que tem nas mãos, dentro da sacola da livraria, estava exposto e chamou sua atenção, ou melhor, o livro acenou pra ela, quase gritou quando ela ameaçou olhar pra outro. Ela o pegou, folheou, sopesou e, embora não conhecesse o autor, achou interessante; viu o preço e comprou. Até agora ela não consegue entender exatamente o motivo que a levou a comprar. Não importa, o livro está com ela e é dela. Depois de lido, apesar das estantes de sua casa estarem cheias - mais que cheias, repletas, abarrotadas - ela já sabe o lugar em que irá guardar o livro: visível, para que todos que o virem sintam o desejo de conhecer sua história, seu interior, não só a capa, não só a lombada. Mas, ficarão no desejo, pois ela não o emprestará.

A mão que segura a sacola começa a formigar. O livro tem vida, parece falar, quer ser lido. Talvez ela tome o banho, relaxante mas não muito demorado, e comece a leitura durante a jantar. Essa mistura de comida e leitura é bastante comum quando ela está sozinha. Sempre brinca dizendo que come a refeição e o livro, se farta de comida e de leitura. Por que hoje não? Decidido, hoje será assim. Chegará em casa, tomará um banho rápido, colocará uma roupa confortável, fará algo leve e rápido para comer e, junto, lerá.

Melhor deixar o banho pra depois, antes de ir pra cama. Ela vai chegar em casa, trocar de roupa, preparar algo rápido e começar a leitura enquanto prepara a comida.

Alguém do lado se mexeu e ela abriu os olhos. Muita, muita gente no metrô. A maioria com o celular na mão. Parceiros de interesse na leitura, amantes do livro, membros da tribo de leitores? Não viu ninguém. Triste. Outro dia viu uma pessoa lendo e fez de tudo para saber qual era o livro: se contorceu, espiou por sobre o ombro dessa pessoa - e de outras que estavam no caminho -, fingiu que estava amarrando o sapato (para olhar de baixo para cima) e se decepcionou, pois era um livro de auto ajuda, daqueles que ela detesta.

Por que ninguém lê no metrô? Será que é por falta de exemplo? Ver alguém lendo não pode despertar o desejo em outros e mostrar a eles que a leitura está na moda, que vivemos tempos também de leitura? Os leitores, a tribo, não deveriam mostrar o interesse pela leitura e trazer mais gente para o grupo? Essas questões apareceram e a encheram de dúvidas. Qual a responsabilidade dela em propagar o gosto, o desejo pela leitura?

Decisão final: tirou o livro da sacola e começou a leitura, lá mesmo, sentada no metrô, servindo de exemplo para muita gente - que logo, logo desapareceriam, ficariam esquecidas assim que a primeira frase da história fosse saboreada.

Autor: Oswaldo Francisco de Almeida Junior

   177 Leituras


author image
OSWALDO FRANCISCO DE ALMEIDA JÚNIOR

Professor associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Estadual de Londrina. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UNESP/Marília. Doutor e Mestre em Ciência da Comunicação pela ECA/USP. Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação da UFCA- Cariri - Mantenedor do Site.